Educação

ALUNOS EM LUTA

Estudantes são recebidos pelo secretário de educação de São Paulo

quinta-feira 8 de outubro de 2015| Edição do dia

No último dia seis de outubro, terça-feira, ocorreu um ato em frente ao Masp, as oito da manhã, convocado pelos estudantes por meio de grêmios estudantis, reuniões e redes sociais. O ato era composto por estudantes secundaristas e professores contra a reorganização que está em processo implementada pelo governador Geraldo Alckmin e o secretário da educação Herman Warwoold.

O ato ficou dividido em dois por boa parte do tempo, só se unificando no final do percurso, na Secretaria da Estadual de Educação. Parte do ato saiu as ruas primeiro, enquanto a segunda parte veio do Colégio Caetano de Campos. Enquanto a primeira composição do ato foi direto para a República e seguiu até a Sé e, finalmente, retornando à Praça da República. Os estudantes do Caetano de Campos permaneceram na Av. Paulista, esperando a chegada de um carro de som, e fazendo agitação em frente ao MASP.

Na Praça da República, os estudantes decidiram formar uma comissão para falar com Herman. A comissão era composta por representantes de diversas escolas e membros de diversas correntes políticas e entidades estudantis, como: ANEL, UNE, UJS, UBES, UPES, setores do Psol e independentes. Essa proposta partiu da da corrente política UJS (União da Juventude Socialista) enquanto que ANEL e outros setores partiram da proposta de fazer com que o secretário estadual da educação viesse a praça falar com os jovens estudantes. Em meio a isso tudo, um fato curioso: a presidente da Apeoesp (Sindicato dos professores do Estado de São Paulo), Maria Izabel Noronha, a Bebel, estava dentro da Secretaria, quando os estudantes entravam com a comissão. Ocorreram protestos dos estudantes quanto a presença de Bebel e, após a reunião com a comissão, o secretário de educação, Herman, se manteve irredutível quanto a todas políticas da reorganização escolar do estado e dizendo que a reorganização será feita com base aos relatórios das diretorias de ensino.




Comentários

Comentar