Internacional

PARALISAÇÃO TOTAL NOS TRENS DE PARIS

Greve geral na França: ferroviários da Estação Norte-La Rouge votam por prolongar a greve

Clima de jornada histórica na estação do Norte-La Rouge antes do início da manifestação em Paris. Em uma assembleia geral, as e os ferroviários votaram a favor do prolongamento da greve e elegeram um comitê de greve para assumir a direção da luta.

quinta-feira 5 de dezembro de 2019| Edição do dia

Um grande contraste esta manhã na Estação Norte de Paris, plataformas desertas e um silêncio incomum no salão principal. Nada a ver com o que aconteceu na plataforma 36, ​​local habitual de reunião dos grevistas da rede Paris Norte da SNCF.

A rede ficou quase completamente paralisada e por boas razões. A porcentagem de grevistas é impressionante: 95% dos motoristas, 75% dos trabalhadores de manutenção de trens do Technicentre du Landy e números semelhantes em outros setores. Em Bourget, todos os guardas apoiaram a greve, então praticamente nenhum trem circula.

Houve numerosas rodadas de intervenção durante a assembleia geral, iniciada pouco depois das 11 horas, com a presença de delegações de outros grupos em solidariedade, como as do hospital Ermont, os estudantes de Paris 8 e até coletes amarelos de Nantes.

Para os ferroviários, foi dada a gota d’água: “Nem cláusula de avô nem de avó. Eles não vão nos forçar." Os grevistas levantaram questões diretamente sobre a perspectiva do movimento: não tem que negociar, e lutam pela retirada da lei. Acima de tudo, porque com esse movimento: "os ferroviários têm contas a liquidar de mobilizações anteriores", disse Karim de Landy. O percentual de mobilização é alto, mas, como apontou Anasse, é necessário estender o movimento para áreas onde ainda não houve greves e tentar massificar o movimento... Algo paradoxalmente mais complicado devido à greve dos transportes. A questão da coordenação entre setores ao nível de Île -de -France também foi levantada na assembleia.

No final da reunião, duas propostas foram votadas. Ambos essenciais para a continuação do movimento e para a coordenação dos setores em luta, sejam eles ferroviários ou outros trabalhadores, tanto do setor público como privado. Em primeiro lugar, foi votado de forma unânime o prolongamento da greve até sexta-feira, 6 de dezembro, às 11 horas, quando será realizada a próxima assembleia geral entre setores. O segundo, também importante, “Para que ninguém fale em nosso lugar”, explicou Anasse, foi eleito um Comitê de Greve com 17 membros, sindicalizados (CGT, FO, Unsa e Sud Rail) e não sindicalizados para coordenar a mobilização junto à assembleia.

Jogando fumaça e fogos de artifício em uma estação deserta, os grevistas partiram em direção à Estação Leste, ponto de concentração para a partida da manifestação parisiense às 14h. Hoje, a Estação Norte - La Rouge voltou a ser um ponto de encontro das lutas.




Tópicos relacionados

Greve Geral na França   /    Emmanuel Macron   /    Ferroviários   /    França   /    Internacional

Comentários

Comentar