Mundo Operário

CRISE DO CORONAVÍRUS NO RIO

Crivella não paga o adicional COVID de 20% à Atenção Primária conforme prometido

Mais um absurdo dos inúmeros cometidos por Crivella.

terça-feira 26 de maio| Edição do dia

Diante da Pandemia pela qual o país está passando, os trabalhadores da saúde do município do RJ estão se dedicando a combater a COVID 19 e, incansavelmente, tratam dos pacientes que apresentam sintomas e dos demais que possuem outras doenças.

Nesse contexto, a Empresa Pública RioSaúde prometeu a pagar a todos profissionais da saúde, o adicional COVID, que seria um benefício de 20% incorporado à insalubridade junto ao salário. No entanto, o benefício não foi pago na data prevista, e a empresa RioSaúde através de um informativo enviado a todas unidades da Atenção Primária, comunicou dizendo que o adicional seria pago até o dia 15/05. E mais uma vez a empresa descumpriu o acordo e por meio de informação não oficial comunicou que o pagamento está bloqueado, pois os trabalhadores da Atenção Primária não seriam contemplados devido não estarem na linha de frente no combate à COVID-19.

A Prefeitura, dessa forma, mostra o seu caráter autoritário e descaso para com os profissionais da Atenção Primária, tendo em vista que as Clínicas Da Família e os Centros Municipais de Saúde são unidades referenciadas no combate ao Corona Vírus, isto é, são os espaços nos quais fazem o diagnóstico dos pacientes que contraíram o vírus.

Além disso, esses profissionais que estão na linha frente, expondo as suas vidas, passam por desgaste físicos e psicológicos sem condições de trabalho e com salários baixíssimos, além de sofrerem com operações policiais, com transporte precário e com os constantes ataques e perda de direitos. O baixo número de teste para COVID–19 sendo realizado, ainda agrava mais a situação, fazendo com que muitos trabalhadores e trabalhadoras não saibam se estão sendo vetores de transmissão ou se já contraíram o vírus. A ausência dos EPI (equipamento de proteção individual) aumenta a chance desses profissionais contraírem o vírus e, com isso, muitos destes já adoeceram e, infelizmente, outros chegaram a falecer. Vale ressaltar, que além de estarem atendendo os pacientes que pertencem aos seus respectivos territórios, o setor de farmácia atende os possíveis pacientes oriundos das UPAs e dos Hospitais de Emergência que podem ter contraído o vírus.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro   /    Saúde   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar