Internacional

DECLARAÇÃO POLÍTICA

Chile: "Por uma greve geral com mobilização e continuidade até derrotar o estado de emergência e tirar Piñera"

Declaração do Partido dos Trabalhadores Revolucionários (PTR) do Chile, organização pertencente à Quarta Fração Trotskista-Internacional, antes da convocação para greve de 23 e 24 de outubro.

terça-feira 22 de outubro| Edição do dia

Abaixo o estado de emergência e fora os militares das ruas. Por assembleias e coordenações para impulsionar a greve e darem continuidade com um plano de luta. Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta pela mobilização sobre as ruínas do regime.

Esta massiva manifestação de segunda-feira ocorreu em todas as ruas do país e mais de 100.000 pessoas saíram em Santiago, lideradas pela juventude. Nesta terça-feira, novamente, milhares se reúnem nas principais praças. A "guerra" de que Piñera falou teve uma resposta contundente. Não apenas a juventude estudantil, mas os batalhões centrais da classe trabalhadora saíram à cena. Os portuários paralisaram 90% dos portos do país e se mobilizaram. Os mineradores de Escondida paralisaram as obras da maior mina privada do mundo.

Esse caminho abriu uma tendência para a entrada da classe trabalhadora e do movimento estudantil que, após as assembleias se mobilizaram pelas ruas. Essa unidade nas ruas, com métodos de paralisação e mobilização combativa, aliada à rebelião popular em grandes setores populares, é o caminho a ser desenvolvido e o que fez Piñera tremer. O grito "fora de Piñera" está se tornando mais forte.
Tanto que Piñera na segunda-feira teve que pedir “entendimento” para suas declarações, enquanto ensaiava uma política de “unidade” com os partidos do regime, baseada na discussão de algumas medidas “sociais” que buscam descomprimir a rebelião. Sua fraqueza ficou evidente no fracasso de hoje em reunir os partidos do regime para essa "unidade".

Esses fatos pressionaram a burocracia sindical da Central Unitária de Trabalhadores (CUT), No + AFP (pensões), Confech (estudantes) e “mesa social” a parar de olhar para o outro lado e chamar uma “Greve Geral” exigida por vários setores, nesta quarta e quinta-feira. Originalmente, eles pediram uma "paralização de ruas vazias", sem mobilização. Essa é a sua verdadeira política. Mas as mobilizações maciças nesta segunda-feira os forçaram a se reorientarem.

Este apelo, embora abra um cenário favorável para a intervenção do movimento dos trabalhadores e de massas e desenvolva medidas progressistas como a “fora de Piñera”, o fim do estado de emergência, a Assembleia Constituinte e medidas sociais emergenciais, como salários e pensões, não se propõe a derrubar esse governo antipopular e autoritário nas ruas. Se limita a "pressionar" pelo "diálogo" do governo com as organizações sociais e uma saída institucional com os antigos partidos do regime para "reconstruir a institucionalidade democrática". Assim, é impossível conquistar as demandas que eles mesmos propõem.

Embora clamem por mobilização e dia de protesto, eles não se propõem a mobilizar e colocar todas as forças da classe trabalhadora, com uma greve ativa; e se recusam a promover instâncias democráticas de coordenação, com assembleias, comitês de luta, delegados para locais de estudo e trabalho, para dar continuidade à greve de maneira realmente efetiva para derrubar esse governo, algo completamente colocado. Exigimos a realização de assembleias e coordenações abertas nesta sexta-feira para discutir a continuidade da greve e um plano de luta.

Diante de armadilhas institucionais, Assembleia Constituinte Livre e Soberana sobre as ruínas do regime

Diante do enfraquecimento de Piñera, vários políticos, empresários e partidos do regime estão buscando uma saída do diálogo ou concessões diante da situação, para desviar a raiva e a luta nas ruas e abrir um "caminho institucional" ante o desgaste da saída repressiva que tem sido desafiada nas ruas. Alguns pedem uma troca de gabinete. Outros, fazem concessões parciais em "demandas sociais" para descomprimir e desviar.

No caso da antiga Concertación, que inicialmente legitimava o toque de recolher por meio do acordo reacionário com Piñera no parlamento, agora mudaram de posição e hoje saíram com uma "plataforma social" para orquestrar um "desvio parlamentar”.
O Partido Comunista e a Frente Amplio, que através da CUT e de outras organizações chamaram essa greve sob pressão nas ruas, embora proponham medidas sociais corretas, a usam para "pressionar" pelo "diálogo" e acordos com as antigas instituições do regime e unidade com ex-partidos da Concertación, especialistas em criar armadilhas para se desviar das promessas. A greve para descomprimir as tendências mais revoltosas não tem como objetivo derrotar esse governo e esse regime herdado da ditadura.

A partir do Partido dos Trabalhadores Revolucionários (PTR), promovemos a luta pela greve geral ativa e ativa, com assembleias, coordenadores e com continuidade, que ponha em movimento a enorme força da classe trabalhadora ao lado de jovens e pessoas, não com o objetivo do "diálogo com o governo", mas derrubá-lo com a força da greve e das ruas e derrubar os militares. Somente com base nisso podemos avançar para garantir que nossas demandas e reivindicações sociais sejam atendidas.

Mas não se trata de “fora de Piñera” e, em seguida, de um acordo com as antigas instituições e com a “oposição” que busca nos desviar e nos tirar das ruas, mas alcançar sua queda com os métodos da luta de classes. Nós, como socialistas revolucionários, lutamos por um governo operário para romper com o capitalismo que socialize os meios de produção. Sabemos que essa perspectiva ainda não é compartilhada pela maioria. É por isso que propomos como medida de emergência nesta situação, impor uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana a partir da queda do governo e sobre as ruínas deste regime, com representantes eleitos e revogáveis a cada 20.000 eleitores e que ganham o mesmo que um trabalhador. Uma Assembleia que discuta sem qualquer obstáculo todas as políticas sociais e de emergência em benefício dos trabalhadores. Uma Assembleia em que lutemos para impor um programa que instale medidas como o salário mínimo e pensões de acordo com a cesta básica da família, transporte público gerido por trabalhadores e usuários que decidam as tarifas com os trabalhadores, além de educação e saúde pública e gratuita, e medidas como a nacionalização do cobre sob gestão do trabalho e outras nesse sentido. Que seja soberana, isto é, que nenhuma outra instituição estatal esteja acima dela.

Sabemos que os grandes poderes e os empresários defenderão seus privilégios e interesses com unhas e dentes e se oporão às medidas tomadas por uma Assembleia Constituinte verdadeiramente livre e soberana, por isso devemos avançar para estabelecer assembleias, coordenações e comitês de onde surjam as forças para enfrentar essa resistência dos empresários e de seus partidos, que abra o caminho à luta por um governo dos trabalhadores em ruptura com os capitalistas, que nos permita conquistar plena e efetivamente nossas aspirações sociais e democráticas.




Tópicos relacionados

Retorno da luta de classes   /    Internacional

Comentários

Comentar