Internacional

OFENSIVA IMPERIALISTA

Trump aplaudiu o golpe na Bolívia e agora ameaça Venezuela e Nicarágua

segunda-feira 11 de novembro de 2019| Edição do dia

O presidente dos Estados Unidos saudou as ações dos militares bolivianos. Ele lançou ameaças contra outros dois países da América Latina e disse: "Estamos mais perto de um hemisfério completamente democrático".

Na segunda-feira à tarde Donald Trump publicou uma declaração, através da assessoria de imprensa da Presidência dos Estados Unidos, intitulada "Sobre a renúncia do presidente boliviano Evo Morales".

O texto diz que “a renúncia de ontem do presidente boliviano Evo Morales é um momento significativo para a democracia no Hemisfério Ocidental. Após quase doze anos e sua recente tentativa de anular a constituição boliviana e a vontade do povo, a partida de Morales preserva a democracia e abre caminho para que o povo boliviano faça suas vozes serem ouvidas. ”

Trump continua dizendo que "os Estados Unidos aplaudem o povo boliviano por suas demandas por liberdade e o Exército boliviano por cumprir o juramento de proteger a constituição da Bolívia".

E ameaça: "Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e da Nicarágua que a democracia e a vontade do povo sempre prevalecerão". Com uma dose muito alta de cinismo, a declaração conclui dizendo que "agora estamos um pouco mais perto de um hemisfério ocidental completamente democrático, próspero e livre".

Depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA), com sua declaração na manhã de domingo, abriu o caminho para as Forças Armadas bolivianas consumarem o golpe contra Evo Morales, o chefe da Casa Branca faz essas declarações demonstrando que o governo Os Estados Unidos estão milimetricamente por trás dos avançados reacionários, racistas e classistas no país sul-americano.

Um adiantamento disso já havia sido dado no domingo por Mike Pompeo, secretário de Estado de Trump que parabenizou a OEA por seu relatório e disse que este era um passo em direção à democracia. A declaração de Trump na segunda-feira apenas confirma o papel que os EUA desempenharam como peça chave depois da OEA para "legalizar" o golpe desencadeado no domingo.

A "nostalgia" do imperialismo ianque no que diz respeito aos golpes cívico-militares clássicos que ele projetou e consumiu em toda a América Latina ao longo do século XX deu o tom para esta declaração de Trump, usada para transformar sua administração na “vanguarda” da submissão e dominação dos povos latino-americanos.

Trump, juntamente com a OEA e a direita regional, já haviam tentado realizar um golpe na Venezuela no início deste ano, apoiando a direita Juan Guaidó como presidente interino do país e ameaçando mesmo com uma invasão militar. A derrota nessa empreitada deixou Trump e o Grupo Lima, que o apoiou, muito mal localizados. Agora, com o consumado golpe de estado na Bolívia, ele retorna à ofensiva com o objetivo de promover um intervencionismo aberto na região.

Repudiar e enfrentar nas ruas essa nova ofensa de Trump à América Latina é uma tarefa de primeira ordem.




Tópicos relacionados

Golpe de Estado Bolívia   /    Donald Trump   /    Internacional

Comentários

Comentar