Juventude

14J NA USP

Trabalhadores da USP fazem carta ao estudantes chamando a unidade no 14J

Os trabalhadores da USP reunidos em assembleia no dia 5 de junho aprovaram uma carta aos estudantes chamando a unificar a luta contra os cortes na educação e a Reforma da Previdência no dia 14 de junho, convocado pelas centrais sindicais como uma dia de Greve Geral contra a reforma da previdência.

sexta-feira 7 de junho| Edição do dia

Divulgamos na íntegra o conteúdo da carta dirigida aos estudantes:

Carta aos estudantes

Nós, trabalhadores da USP nos dirigimos aos estudantes da universidade com quem compartilhamos não apenas o mesmo local de trabalho e estudo, mas também a mesma luta pelo direito de estudar e de não trabalhar até morrer.

No dia 15 e 30 de maio vimos milhares de estudantes da universidade saindo as ruas em luta pelo seu futuro, em defesa da educação e contra a reforma da previdência. Foi um sopro de vida e esperança que encheu os pulmões de cada trabalhador que hoje sofre com o desmonte da universidade e os ataques à classe trabalhadora. O Governo Bolsonaro, o chamado "centrão" e o STF buscam um pacto pra arrancar cada direito conquistado às custas de muita luta dos trabalhadores e da juventude.

Os cortes na educação de Bolsonaro e Weintraub são seguidos de ataques ao movimento estudantil, aos professores e ao funcionalismo público. Chamam de balburdia a luta por uma educação libertadora. Querem nos desmoralizar impondo uma verdadeira caça às bruxas no ensino. Fazem isso enquanto tramam ataques ainda mais profundos à educação. Querem nos legar um futuro sombrio de ignorância, como propagado pela ministra Damares Alves.

Hoje o desemprego já atinge mais de 13 milhões de brasileiros. São mais de 28 milhões de subocupados. Só na juventude o desemprego é de quase 30%. Para os que estão empregados a regra tem sido Uber, Rappi, Ifood e uma dezena de empregos precários que estão adoecendo a juventude trabalhadora. O destino dos trabalhadores e da juventude se entrelaçam. Temos que lutar contra o desemprego, batalhando pela redução da jornada de trabalho sem redução salarial. Trabalhar menos pra que todos trabalhem!

Estivemos juntos na paralisação nacional do dia 15 de maio. Estivemos juntos nos atos do dia 30. E fazemos um chamado para que estejamos juntos no dia 14 de junho, dia em que está sendo chamado uma greve geral no país, para juntos, estudantes e trabalhadores, lutarmos e derrotarmos a reforma da previdência e todos os ataques a educação. Não podemos aceitar que a educação seja colocada como moeda de troca pra aprovar a reforma da previdência!

Sabemos que será uma luta dura. De um lado aqueles que querem roubar nosso suor, nosso trabalho, nosso futuro e no último a nossa própria vida. Teremos que exigir das direções burocráticas que parem de negociar nosso futuro e nossas vidas. A aliança entre a juventude e os trabalhadores, com auto-organização, pode impor uma derrota aos poderosos.

Por isso, no dia 14 de junho precisamos unir forças mais uma vez para parar o país e mostrar que não estamos derrotados. Que não vamos aceitar que nos roubem o direito de estudar e que não vamos trabalhar até morrer.

Chamamos os estudantes a nos concentrarmos juntos às 6h da manhã (do dia 14/6) no Portão Principal da USP para fazermos uma grande passeata na Avenida Vital Brasil

((Não Pagaremos pela crise! Contra os cortes na educação e a reforma da previdência

São Paulo, 5 de junho de 2019.

Assembleia Geral dos Trabalhadores da USP




Tópicos relacionados

SINTUSP   /    Reforma da Previdência   /    Educação   /    USP   /    Juventude   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar