×

A fome e o racismo | População negra é a que mais sofre com a fome e o desemprego no país, segundo pesquisa

O racismo estrutural que condiciona as situações mais precárias, aprofundada pela crise econômica e pela inflação astronômica atual, relega os altos índices de insegurança alimentar e desemprego majoritariamente aos brasileiros negros.

sexta-feira 19 de novembro | Edição do dia

Foto: EBC

Segundo dados do relatório sobre “Insegurança alimentar e covid-19 no Brasil”, publicados pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), na população negra do país (que representa mais da metade da população total), o índice de insegurança alimentar em algum nível é de 59,2%. Entre os brancos, ainda que menos numerosos que os negros, a parcela de insegurança alimentar chega a 51%.

Os dados relatam que 43 milhões de brasileiros não possuem acesso alimentar em quantidade suficiente e 19 milhões estão em situação de fome.

A pesquisa mostra relativa piora quando se observam os dados referente ao gênero e a escolaridade, somados à cor. De acordo com os levantamentos, as mulheres negras são um grupo de alta vulnerabilidade, representando cerca de 27% da população total e sendo maioria no trabalho informal, principalmente no trabalho doméstico. Um grupo mais atingido pelo racismo no mercado de trabalho e pela falta de direitos trabalhistas e precarização do trabalho, sendo a parcela da população com os menores salários.

A população negra amarga os mais altos índices de desemprego do país, sendo de 16,2%, enquanto entre os brancos era de 11,7%, no segundo trimestre de 2021, segundo dados do Pnad.

Carolina Cacau: "É revoltante ver Bolsonaro no luxo, enquanto nossos alunos desmaiam de fome"

Mais do que nunca, são os negros e trabalhadores, em especial as mulheres, que sofrem com a miséria profunda da crise atual, sendo cerca de um quarto da população do país que não possuem sequer condições de alimentação e sobrevivência. O mesmo racismo que condena milhares de negros à morte violenta nas periferias e que nega direitos básicos ao povo, é o racismo que, no maior acentuamento da miséria, ataca e retira ainda mais direitos dos trabalhadores, com retiradas de auxílios históricos, como o Bolsa Família, que prestava assistência as famílias mais vulneráveis.

Os ataques dos capitalistas por via do governo reacionário de Bolsonaro fazem com que até mesmo a miséria das crianças se torne corriqueiro, com alunos desmaiando de fome na escola, enquanto a burguesia (branca em sua maioria) vive seus privilégios e até mesmo debocha com seus touros dourados, enquanto lucram sob a fome, a pobreza e a morte.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias