Mundo Operário

FECHAMENTO LG ELETRONICS

O movimento de mulheres precisa estar ao lado das metalúrgicas contra as demissões

Pão e Rosas

@Pao_e_Rosas

domingo 11 de abril| Edição do dia

Rosa Luxemburgo pensava os dilemas da classe trabalhadora, era sua forma de defender as mulheres

Na pior fase da pandemia no Brasil, em meio à 4 mil mortes por dia, do aumento desesperador da fome e do desemprego, a LG anuncia fechamento da fabrica de Taubaté que deixará 700 trabalhadores sem emprego. O impacto é direto nas três fabricas fornecedoras que ficam em São Jose dos Campos e Caçapava, e assim a Blue Tech, Sun Tech e 3C já anunciaram a demissão de 430 trabalhadoras. As mulheres são a maioria nessas fornecedoras que fazem o trabalho terceirizado para a LG.

Por todo o país, as mulheres são as mais afetadas pela pandemia, trabalhando na linha de frente nos hospitais, no comércio e nas fábricas que não pararam, em casa no home-office com aumento da jornada e lidando com filhos e tarefas domésticas. As mulheres já protagonizaram diversas lutas desde o início da pandemia e agora são as metalúrgicas na linha de frente contra as demissões e o fechamento da LG. A cada dia cresce o sentimento de revolta diante de tantas mortes, do negacionismo de Bolsonaro e dos militares, de todos os ataques aprovados pelo Congresso e pelo STF. As direções dos sindicatos devem organizar esse sentimento unificando todas as lutas em curso, unificando também com os metroviários e rodoviários de SP que chamam uma paralisação no dia 20 por vacina para todos.

Com isso seria possível lutar por garantia total de emprego e contra todos os fechamentos das fábricas, estatizando e colocando para produzir sob controle dos trabalhadores em benefício das necessidades da população – e não do lucro – que nesse momento da pandemia são insumos e equipamentos, como respiradores, para os hospitais. Ao contrário do que foi feito pelo sindicato, na Ford, que buscou negociar com governadores incentivos fiscais para uma nova multinacional para explorar os trabalhadores, uma estratégia que mostrou sua impotência na batalha da Ford de São Bernardo do Campo, em 2019. E depois, se conformou com as demissões e apontou para os trabalhadores apenas a possibilidade de negociar melhores condições para as demissões.

Chamamos todos os partidos e parlamentares de esquerda, as organizações feministas e a Conlutas a conformar um polo antiburocrático para exigir que as centrais sindicais organizem e massifiquem a luta numa grande batalha nacional contra as demissões. Mais do que nunca a realidade mostra a necessidade de lutar contra o patriarcado e o racismo ao mesmo tempo em que combatemos a exploração capitalista. Nós, do Grupo Internacional de Mulheres Pão e Rosas, chamamos o movimento de mulheres e todas as organizações feministas a estarmos unidas ao lado das metalúrgicas contra as demissões e o fechamento da LG, ajudando a organizar comissões de fábrica e comissões de mulheres nas famílias e bairros para ampliar os apoios e fortalecer a luta com a auto-organização.

Todas ao ato segunda 12/04
Chamamos todas a estarem no ato unificado da Blue Tech, Sun Tech e 3C em frente à LG Eletronics em Taubaté.
Segunda 12/04 às 9h
Av. Dom Pedro I, 7777 - Distrito Industrial, Taubaté - SP

Apoie e fortaleça a luta das trabalhadoras enviando sua foto para o Esquerda Diário, (11) 97750-9596, com os dizeres:

“Eu apoio as metalúrgicas na linha de frente contra as demissões e fechamento da LG"

Conheça o Podcast Feminismo e Marxismo: uma ferramenta de luta do grupo de mulheres Pão e Rosas

Pode te interessar: As mulheres no ascenso operário do Brasil de 1978 a 1980




Tópicos relacionados

Feminismo Socialista   /    Operários   /    Demissões   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar