×

Rússia-OTAN | Crise na Ucrânia, entre a ameaça de guerra e a negociação in extremis

As tensões na Europa Oriental continuam seguindo os anúncios do presidente russo, a resposta dos EUA e de outras potências. O que está em jogo na crise.

Claudia CinattiBuenos Aires | @ClaudiaCinatti

quarta-feira 23 de fevereiro | Edição do dia

As tensões entre a Rússia/Ucrânia e a OTAN aumentaram nos últimos dias. Mais uma vez, era o presidente russo Vladimir Putin quem estava encarregado de mover as peças neste complexo tabuleiro de xadrez geopolítico. Depois que as potências ocidentais deixaram claro que não se comprometeriam na mesa de negociações a não trazer a Ucrânia para a OTAN, em 21 de fevereiro o presidente russo reconheceu oficialmente as províncias de Donetsk e Lugansk no leste da Ucrânia, que estão sob o controle de separatistas pró-russos desde 2014, como repúblicas independentes. As repercussões globais foram rápidas. Os mercados de ações caíram, o rublo perdeu 10% de seu valor e o preço do barril de petróleo subiu acima de 100 dólares, o que certamente terá um efeito de arrastamento nas tendências inflacionárias da economia mundial.

O anúncio de Putin foi altamente teatral. A televisão russa transmitiu ao vivo uma reunião do Conselho de Segurança na qual os líderes militares deram suas razões para o reconhecimento das regiões separatistas.

Após o voto afirmativo do conselho, Putin dirigiu-se ao povo russo em uma mensagem de quase uma hora de duração, com um tom fortemente nacionalista e reacionário. Mais ou menos, o presidente russo argumentou que a Ucrânia como Estado era uma "ficção", devia sua existência a Lenin e aos bolcheviques, uma reinterpretação em chave anticomunista da política revolucionária da União Soviética de reconhecer o direito de autodeterminação de nações como a Ucrânia que sofreram a opressão tsarista.

O objetivo não dissimulado do show midiático de Putin era obter apoio doméstico para o que poderia terminar em uma aventura militar que, como seu governo, não goza de grande popularidade entre a população russa. Em seguida, o Senado autorizou o Kremlin a enviar tropas para ajudar essas novas "repúblicas" caso as considere sob ameaça militar ucraniana.

Esta última escalada significa efetivamente que a Rússia não reconhece mais os acordos de Minsk II, cuja implementação foi uma das exigências do Kremlin diante da alegação da Rússia de que o governo ucraniano os estava infringindo. Recordemos que, embora esses acordos fossem mais favoráveis à Rússia, pois previam a autonomia de Donetsk e Lugansk, eles mantiveram essas províncias dentro da Ucrânia e previram a retirada das tropas russas de Donbass.

Isso significa que a guerra entre a Rússia e a OTAN é inevitável? Não necessariamente no termo imediato, embora seja sem dúvida o momento mais perigoso desde dezembro de 2021, quando começou esta etapa da crise. A situação está tendendo cada vez mais para extremos. Entretanto, parece haver ainda espaço para uma estratégia de "golpear para negociar".

Por enquanto, Putin subiu dois degraus: ele encontrou uma maneira de escalar sem lançar uma invasão militar em larga escala. E ele ampliou o raio de ação para toda a região de Donbass, estendendo as fronteiras das novas "repúblicas populares" que ocupavam apenas um terço daquela região. O bônus foi que com este movimento ele fez do presidente francês Emmanuel Macron um tolo, assim como outros líderes imperialistas europeus que haviam comprado que uma solução diplomática estava à mão e que eles poderiam ser os arquitetos dessa solução.

A resposta dos Estados Unidos e da União Européia foi mais do que previsível. Por enquanto, eles seguiram o roteiro da "diplomacia coerciva", que consiste em um coquetel de sanções econômicas, destacamentos militares em países da OTAN próximos a Moscou e entregas de armas à Ucrânia. Como já anunciado, o movimento de Putin pôs em marcha uma nova rodada de sanções econômicas que afetam os títulos da dívida soberana, instituições financeiras, membros da Duma (parlamento russo) e outros indivíduos da elite russa. Não se sabe se Putin faz parte da lista de indivíduos sancionados. O escopo dessas sanções ainda é motivo de debate. Os defensores de medidas mais duras, como o Wall Street Journal e vários republicanos do Congresso, argumentam que, após anos de sanções, a dívida pública russa é na maioria das vezes emitida em rublos e que a dívida externa está a um nível controlável de 25%. O golpe mais importante para o Kremlin é a suspensão pela Alemanha do processo de certificação do gasoduto Nord Stream 2, o que permitiria transportar o gás russo diretamente para a Europa sem passar pela Ucrânia. As potências imperialistas reservaram espaço para aumentar as sanções, por exemplo, para desvincular a Rússia do sistema de pagamento internacional.

Em resumo, para a Rússia, além do último movimento tático, sustentar uma guerra e subsequente ocupação da Ucrânia seria muito caro em termos econômicos, militares e políticos. Isso explica porque a pressão militar está aumentando na área de menor resistência: a Ucrânia oriental, onde a maioria da população é de língua russa.

Para os parceiros imperialistas europeus da OTAN, a estratégia para o momento é tentar evitar envolver-se em uma grande guerra com a Rússia. Os Estados Unidos, por sua vez, ainda não se recuperaram da desastrosa retirada do Afeganistão, que expôs seu declínio hegemônico. As potências da UE não querem uma guerra em seu próprio território. Além disso, a OTAN sofreu uma grande deterioração durante os quatro anos da presidência de Donald Trump, e embora a escalada russa lhe tenha dado alguma unidade, ela também expôs as diferenças entre os EUA e a Alemanha (e a França) em particular. Junto com a dependência energética da Europa - em particular da Alemanha - do gás russo, que é a carta mais forte que Putin joga. Isto é o que cheira Volodymyr Zelenski, o presidente ucraniano agora subordinado às potências imperialistas ocidentais, que reclamou amargamente na Conferência de Segurança de Munique e acusou seus patrocinadores da OTAN de uma política de "apaziguamento". Entretanto, a situação está se tornando cada vez mais tensa e está se aproximando de um ponto em que as avenidas de retirada estão se fechando.

As raízes do conflito entre Rússia, Ucrânia e OTAN remontam ao final da Guerra Fria com o triunfo dos Estados Unidos, a dissolução da União Soviética e a restauração capitalista. Após ter retrocedido a níveis históricos sob o regime bonapartista de Boris Yeltsin, sob o regime de Putin, a Rússia ressurgiu como uma potência que, embora não tenha o status da ex-União Soviética e esteja baseada em uma economia rentista dependente do petróleo, herdou o arsenal nuclear da ex-URSS, o que lhe dá uma projeção geopolítica que excede em muito suas bases materiais e alimenta as ambições de Putin de influenciar a cena internacional no interesse do capitalismo russo.

Além de promover governos pró-ocidentais na vizinhança da Rússia, os Estados Unidos avançaram com a expansão da OTAN para o leste, que gradualmente incorporou países que faziam parte da esfera de influência da União Soviética. A Aliança Atlântica, que se destinava a defender a Europa capitalista de um possível ataque da União Soviética sob a liderança dos Estados Unidos, duplicou seus membros após a queda da URSS e estendeu seus membros às fronteiras da Rússia. A lógica que guia esta ação expansiva dos EUA é o objetivo estratégico de avançar uma política de semicolonização da Rússia.

Esta é uma política de Estado do imperialismo norte-americano, perseguida por democratas e republicanos, realistas e neoconservadores. Apenas alguns se opuseram a ela, entre eles George Kennan, nada menos que o criador da "política de contenção" que foi a base da Guerra Fria.

Tendo perdido muito terreno e influência - os Estados Bálticos, a instalação de mísseis e bases militares da OTAN nos países do Leste Europeu - a "linha vermelha" de Putin é a incorporação da Geórgia e da Ucrânia à OTAN e à União Européia. Esta política de expansão das potências ocidentais em relação à Rússia significou que estes países têm sido o cenário de guerras de baixa intensidade nos últimos anos. A Geórgia em 2008, onde a Rússia interveio a favor das repúblicas separatistas da Ossétia do Sul e Abcásia, após uma ofensiva do exército georgiano. E a Ucrânia em 2014, com a anexação da Crimeia após a revolta de Maidan que trouxe a facção pró-ocidental ao governo, uma posição de importância estratégica para a Rússia (em particular a base de Sevastopol) e as regiões separatistas do Donbass.

Uma das exigências de Putin era, portanto, ter uma garantia de que a Ucrânia e a Geórgia não adeririam à OTAN, o que os EUA e a UE recusaram.

Após o fim da "guerra ao terror", a principal hipótese de segurança nacional dos EUA é o "conflito entre potências", com a China e a Rússia como seus principais inimigos. Historicamente, um dos objetivos da política externa do imperialismo norte-americano era separar a China da ex-URSS, o que foi alcançado sob a presidência da Nixon em 1972, selando um acordo com a China. Há um debate aberto sobre a adequação deste acordo, que por um lado isolou a URSS, mas por outro permitiu o surgimento da China como um concorrente estratégico dos Estados Unidos. A política de Biden para recompor a liderança imperialista é articular uma ampla frente contra os "regimes autocráticos", o que, de fato, impulsiona uma aliança entre a Rússia e a China. A reunião e a declaração conjunta de Putin e Xi Xinping é um primeiro passo nessa direção.

Mas além das fricções e rivalidades com os EUA e as potências imperialistas européias, o regime de Putin é completamente reacionário. Ele serve não apenas aos interesses capitalistas dos oligarcas, mas também aos objetivos contra-revolucionários em um sentido mais amplo, como mostra a intervenção militar ordenada por Putin para esmagar a revolta popular no Cazaquistão, ou a interferência em favor do regime de Assad na Síria. Décadas de opressão nacional, primeiro sob o tsarismo e depois sob o estalinismo, e agora com a negação direta de Putin do status da Ucrânia como Estado, alimentam um nacionalismo reacionário anti-russo na Ucrânia, usado pelo governo Zelensky, pelos oligarcas ligados aos negócios dos EUA e da UE, e pelas potências imperialistas.

Sob o pretexto da "soberania da Ucrânia" ou da defesa da "democracia" contra a "autocracia", os EUA e a OTAN estão empurrando as tendências para uma guerra que será catastrófica para os trabalhadores e os povos. É por isso que nós, socialistas, chamamos para enfrentar com mobilização a possibilidade desta guerra reacionária, contra a OTAN e as sanções impostas pelas potências imperialistas, assim como rejeitamos a interferência da Rússia na Ucrânia. A Ucrânia é uma moeda de troca neste jogo. A possibilidade de uma Ucrânia independente está inextricavelmente ligada à luta contra os oligarcas de ambos os lados e a uma perspectiva socialista. A possibilidade de parar as guerras reacionárias está ligada ao desenvolvimento da revolução socialista e ao fim da dominação imperialista em todo o mundo.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias