MRT

LUTO

Adeus a Eduardo Molina, um militante internacionalista

Nesta quarta-feira, Eduardo Molina morreu, um militante de enorme trajetória nas fileiras da Fração Trotskista e do PTS. Aqui estão as palavras de Facundo Aguirre, um de seus camaradas.

quarta-feira 2 de outubro| Edição do dia

Tratei Eduardo Molina de perto durante grande parte dos anos 90 e do novo século. Ele era um cara muito inteligente que aplicava o marxismo de maneira rigorosa. Portador de uma grande cultura que tornava um prazer conversar com ele. Naqueles anos de reação ideológica e pensamentos líquidos, Eduardo foi uma referência intelectual e, em certa medida, um professor para muitos de nós.

Eduardo foi ganho pelo trotskismo no PST de La Plata nos anos setenta. Durante a ditadura genocida, ele assumiu a responsabilidade de militar no PST da Bolívia e, na época, era um combatente contra as ditaduras brutais de Banzer e García Meza. Ele dirigiu o PST da Bolívia durante o levante mineiro de 1985 que ocupa La Paz e toma de refém o governo burguês da Unidade Popular.

Ele retornou à Bolívia no auge do evomoralismo e foi um dos dirigentes da nossa seção irmã, a LORCI.

Lembro-me dele em 20 de dezembro de 2001, encabeçando a coluna PTS da Argentina que avançava pela Diagonal Norte em direção à Plaza de Mayo, em Buenos Aires.

Com Molina se vai um grande quadro político e teórico, um marxista revolucionário e o representante de uma tradição revolucionária nutrida pela experiência do Cordobazo e pelos levantes do proletariado boliviano, pela luta de morte contra o reformismo, o nacionalismo burguês e o stalinismo. Se foi um militante da Quarta Internacional.




Tópicos relacionados

PTS   /    MRT   /    Internacional

Comentários

Comentar