Política

A violação dos direitos humanos na Venezuela, o "humanismo da direita" imperialista e a esquerda

Uma votação no mês passado que ocorreu na ONU sobre a Venezuela renovou as discussões na esquerda sobre que atitude tomar diante das violações dos direitos humanos pelo governo de Maduro e pelas Forças Armadas, e perante esses órgãos de “governança mundial”. Tal debate se renova com o recente anúncio do Promotor do Tribunal Penal Internacional. A discussão é complexa, embora alguns prefiram simplificá-la em favor de uma falsa dicotomia. Precisamos declarar nossa posição com uma nova clareza.

terça-feira 1º de dezembro de 2020| Edição do dia

1 / 1

Duas resoluções foram votadas no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Uma (45 / L55) teve o aval do governo venezuelano e da equipe de trabalho do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, promovido por governos aliados de Maduro (Irã, Síria e Turquia), contemplava “cooperação e assistência técnica” entre o governo venezuelano e o gabinete de Bachelet (que tem presença no país), descartando a fiscalização. A outra (45 / L43) foi promovida pelos governos que se alinham com os Estados Unidos e a União Europeia. Além do "Relatório Bachelet" de 2019, e também se apoiando no recente relatório de outra instituição da ONU, a Missão Independente de Determinação dos Atos (que o governo não permitiu o acesso ao país), estabelece o monitoramento do país, e a resolução veio a prorrogar o mandato desta missão por mais dois anos, e encarregar de que seus relatórios e os do Escritório do Alto Comissariado sejam enviados "a todos os órgãos pertinentes das Nações Unidas para que adotem as medidas correspondentes". Este último abre a possibilidade para a Assembleia Geral enviar um relatório ao Conselho de Segurança e isso poderia aumentar a diligência para que o Tribunal Penal Internacional atue.

O governo argentino, considerado uma espécie de "terceira posição", que não apóia o governo venezuelano mas não se junta ao arco dos governos de direita que servem como bispos da política imperialista dos Estados Unidos (embora vergonhosamente continue a manter o legado de Macri de que a Argentina faz parte do "Grupo de Lima"), não votou a favor da primeira moção e votou a favor da segunda resolução, ao contrário do México (outro dos poucos governos latino-americanos com essa "terceira posição") que absteve-se.

Isso foi visto como uma mudança de posição do governo argentino, como um alinhamento com os governos do Grupo de Lima e de Trump, que, é claro, celebraram a resolução e saudaram a posição do governo Fernández. A partir nosso partido irmão na Argentina (o PTS) - e das demais forças que compõem a Frente de Esquerda e dos Trabalhadores Unidade (FIT-U) - o governo Fernández foi questionado sobre esse alinhamento. Posteriormente, o governo argentino se defendeu assinalando que não se tratava de tal alinhamento com a política intervencionista dos Estados Unidos, uma vez que não assinou comunicado do Grupo Lima e, em seus argumentos na votação na ONU, os representantes argentinos afirmam explicitamente que rejeitam intervenções, sanções e bloqueios. No entanto, ainda se discute o que o voto afirmativo (e não abstenção, como fez o México) implicou nessa resolução da ONU.

Outros setores da esquerda (supostamente também anticapitalistas), por outro lado, aplaudiram a posição do governo argentino, se entusiasmaram com a votação na ONU e no questionaram se, segundo eles, “jogamos o jogo de Maduro ”. A discussão transcende o fato concreto daquela votação, inclui de forma mais geral as posições a serem ocupadas perante o bonapartismo reacionário de Maduro e as forças armadas, seus ataques sistemáticos às liberdades democráticas e violações dos direitos humanos fundamentais da população, bem como contra os iniciativas em organizações como a ONU e as políticas do imperialismo norte-americano e da direita regional, que usam o argumento dos "direitos humanos" para seus próprios propósitos.

Algumas medidas de órgãos internacionais podem ser utilizadas a favor das lutas?

A ONU não é um organismo de verdadeiros militantes dos direitos humanos. As votações ali não têm qualquer motivação moral a favor dos povos oprimidos do mundo, mas fazem parte das disputas políticas entre os diferentes blocos de poder da geopolítica mundial, onde sobram morais duvidosas e omissões. Quem não tem clareza sobre isso e quer se engajar na política revolucionária, está simplesmente desorientado e perdido.

Agora, isso significa que, por uma questão de princípio, deve se rechaçar quaisquer medidas que possam ser tomadas por organismos internacionais derivados da ONU (ou da OEA, da OIT), mesmo que algumas possam ser usadas favoravelmente pelo povo em luta ou para as vítimas de violações dos direitos humanos? Não.

Temos escrito claramente o seguinte: “Que as graves violações dos direitos humanos na Venezuela se tornem notórias, e que sejam denunciadas com grande ênfase, dado o grau de vulnerabilidade em que grande parte da população se encontra. Tais denúncias podem contribuir à visibilidade de situações sistemáticas que constituem mecanismos de submissão e brutal repressão social e política, com que se sustenta um regime quase ditatorial contra o povo ”.

Além disso, se algum desses órgãos vinculados aos direitos humanos ditar alguma medida que sirva para exigir do Estado venezuelano a liberdade dos trabalhadores, camponeses, mulheres, moradores de comunidades, ativistas de direitos humanos presos ou processados ​​por lutar ou exercer qualquer direito, se existe alguma medida especificamente voltada para a preservação da integridade física, da vida ou dos direitos trabalhistas, que permita a luta pelo processo no país dos responsáveis ​​pela violação de direitos, ou que obrigue o Estado venezuelano a reparar as vítimas, então nestes casos somos a favor de contar com tais medidas para a mobilização operária e popular.

De fato, o Estado venezuelano já foi objeto de decisões da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que obrigam a judicialização no país dos responsáveis ​​por graves violações de direitos humanos, como em Caracazo (1989) e El Amparo (1988) , e reparação às vítimas. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) defendeu recentemente a liberdade dos trabalhadores presos por exercerem atividade sindical, e há pedidos em andamento dos sindicatos nacionais para que a OIT se pronuncie em relação às negociações coletivas. Esses são exemplos concretos de medidas que podem ser utilizadas pelos trabalhadores para os seus próprios objetivos de luta, não para os objectivos de quem se opõe a Maduro a partir de posições reacionárias, sendo portanto também nossos inimigos.

Mas essa não é a norma. É preciso olhar com muito cuidado para cada caso concreto e seus objetivos, porque os objetivos reacionários dos países imperialistas e seus parceiros locais se transformam em “direitos humanos”, onde reclamações ou medidas geralmente corretas podem não ser mais do que adições em um pacote de políticas cujos verdadeiros objetivos são a ingerência imperialista, o que nada tem a ver com as necessidades do povo venezuelano. Uma política em que as liberdades e os direitos democráticos das pessoas nada mais são do que demagogia.

A resolução votada pelo governo argentino não se enquadrava em coisas como habeas corpus, pedido de liberdade de trabalhador, ativista, camponês, mulher ou estudante, pedido de julgamento de algum repressor ou reparação a vítimas, por exemplo. Não, nada disso se enquadra na categoria dessas medidas, que usam o argumento dos direitos humanos como mera cobertura para os seus objetivos políticos: uma outra gangue de agressores dos direitos humanos. Ceder a isso seria uma ingenuidade muito perigosa, porque é permitir que alguns bandidos reacionários usem as aspirações genuínas de justiça do povo para seus próprios fins; e no caso das correntes políticas de esquerda que nos questionam, é simplesmente ceder ao "humanismo de direita" de cunho imperialista.

A ONU não é uma assembleia de sinceros ativistas de direitos humanos(ou "todos os países são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros")

Os membros da esquerda que estão entusiasmados com a votação da ONU e aplaudem os governos latino-americanos que a apoiaram, vão querer nos convencer de que a ONU, seu Conselho de Segurança e o TPI são um conglomerado de ativistas honestos que lutam por causas justas. Quando foi que, para esses “anticapitalistas”, a ONU deixou de ser o que realmente é: um instrumento de “governança mundial” subordinado à divisão imperialista do mundo? Ou seja, um instrumento de gestão das relações internacionais de Estado sob o comando das principais potências capitalistas e seus interesses .

A partir da ONU, se decide bombardear países, invadir nações, mudar governos ... sempre de nações que não são as que mandam no mundo, porque existem países e países! A partir daí, a soberania de outras nações é violada à vontade, às vezes "pacificamente", às vezes de forma sangrenta. O argumento "humanitário" é mais ou menos recorrente a esses eventos. Estamos falando de milhares - ou centenas de milhares - de mortes, destruição massiva de infraestrutura, produção, saúde, educação, alimentação, destruição de bens culturais, tortura e perseguição, ocupações e violações sistemáticas da liberdade de expressão, direito à vida, enfim ... Implicam, sem dúvida, em violações massivas dos direitos humanos. Neste "mundo democrático", tais violações dos direitos humanos não trazem a esses países nenhuma conseqüência séria no sistema das Nações Unidas e na "justiça internacional"! Claro, quem sanciona os sancionadores? Quem pune aqueles que têm o privilégio exclusivo de dispensar "justiça" a outras nações?

Quando, atendendo a interesses diversos dentro do clube exclusivo que tem privilégios sobre os outros países, não há acordo, e um dos países que são mais iguais que os outros (digamos os EUA!), decide por si mesmo invadir outro país - sempre um país do outro tipo, os que não são tão iguais -, enforcar o governante e substituir o despotismo local pelo autoritarismo e dominação militar estrangeira, a ONU não faz nada além de encolher os ombros ... Não tem jeito, o que pode se fazer? O mundo é assim mesmo, injusto. Esta é a governança imperialista mundial.

Existem vários países em que seus regimes podem fazer mais ou menos o que desejam em termos de direitos humanos, tanto dentro de suas fronteiras como com as populações de outros países, com total impunidade . Eles estão a salvo das sanções e medidas punitivas que eles próprios impõem sobre essa outra categoria de países.

O relatório da missão que - além do relatório de Bachelet - fundamenta a resolução que o governo argentino votou favoravelmente, convida “os países” a considerarem ações judiciais contra os responsáveis ​​pelos fatos denunciados e pede que Procurador do Tribunal Penal Internacional tome nota destes eventos. Já existem precedentes recentes, afirma a imprensa. Quais? Por exemplo, os responsáveis ​​pelo governo sírio estão sendo julgados em outros países. E quais são os países que julgam? França, Alemanha, Suécia! Por exemplo, Mianmar, em cujos casos o Tribunal Penal Internacional e o Tribunal Internacional de Justiça intervêm.

O que a natureza hipócrita, de duas caras e complacente deste sistema de "justiça internacional" revela, sua subordinação aos interesses do seleto grupo de países que governam o mundo. A questão aqui não é se o governo sírio ou de Mianmar cometeu crimes contra seus povos ou minorias étnicas, mas coisas como: os governantes franceses alguma vez foram julgados por algum país, digamos, africano ou latino-americano, por algum órgão da "justiça internacional", por atrocidades cometidas em massa e sistematicamente durante a ocupação colonial (em meados do século 20!) na Argélia? Não, claro que não, mas a França julga os governantes sírios! Coisas como o regime de Saddam Hussein cometendo crimes em massa contra a população curda, uma política com fronteiras de "limpeza étnica", mas como ele era um aliado dos Estados Unidos em sua luta contra o Irã pós-revolução de 79, ninguém o tocou. Como dizia a piada de Virulo, "não foi ruim porque convinha aos mocinhos".

Depois da invasão do Afeganistão (e depois do Iraque, quando um dos "mocinhos" decidiu que Saddam era "mau"), os Estados Unidos certamente cometeram graves violações dos direitos humanos em ambos os países, detenção clandestina e centros de tortura, etc., como o que aconteceu na prisão de Guantánamo foi o mais visível ... Tem uma comissão internacional da ONU que se instalou nos EUA para monitorar as ações de seus órgãos militares e de justiça, para responsabilizá-los e denunciá-los? Não, claro que não.

Os Estados Unidos, de fato, não aderem ao TPI, não aceitam que qualquer governo ou militar de seu país possa ser julgado por aquela instância, mas, por exemplo, votaram no Conselho de Segurança da ONU a favor de que o TPI interviesse contra o governo líbio (de Gadaffi) e aplaude que governos não aliados deles (como a Venezuela) sejam submetidos a esse tribunal! Pelo contrário, regimes brutalmente criminosos como o do Estado de Israel contra uma nação inteira (os palestinos) ou a monarquia saudita estão a salvo de qualquer ação séria da "justiça internacional" no estilo das Nações Unidas, desde que sejam aliados dos Estados Unidos. - Ou porque tais órgãos não se movem, ou porque se o tentarem, sua ação é anulada com o poder de veto dos EUA.

Temos aqui do lado um dos países mais perigosos para os sindicalistas, com a maior taxa de activistas sociais assassinados e com as maiores valas comuns como resultado dos massacres cometidos por forças oficiais e paramilitares com apoio do Estado. Porém, os promotores de políticas de ingerência na Venezuela “por razões de direitos humanos” olham para o outro lado no caso colombiano e, mais ainda, nessa causa “humanista de direita” formam uma aliança com o governo colombiano!

Exemplos não faltam. Não existe “igualdade perante a lei”, existem países que estão fora do alcance de sanções ou graves consequências, seja porque são as principais potências capitalistas, seja porque são aliadas destas ... É o mesmo que dizer: Você pode ser um perfeito déspota, você pode ser um assassino em série de seu próprio povo, você pode violar os direitos humanos de milhares ou milhões, mas se você é de um certo grupo de países você tem impunidade, e muito possivelmente o escândalo que está se arma em outros países não será armado no seu.

Esta questão elementar não parece ser compreendida por aqueles que nos questionam. Que pecado que não aplaudimos a resolução da ONU. É como se vivessem no mundo imaginário da "democracia" e da "justiça" internacional que se desenha nos discursos dos governos das burguesias imperialistas.

De fatos, relacionamentos e objetivos (ou "o inimigo do meu inimigo não é meu amigo")

Essa realidade da ONU, dos usos políticos e da conveniência da questão dos direitos humanos, significa então que os fatos relatados nos relatórios são falsos? Claro que não, já dissemos, o problema não são os fatos, mas o uso político e os objetivos por trás deles. Ah, mas então, se os fatos são verdadeiros, "os fatos são os fatos", dizem nossos interlocutores, e não importa quem os aponta, porque o que importa são os fatos.

John Rees conta que, em uma discussão entre líderes bolcheviques, a respeito da lógica e da dialética, onde Bukharin deu como exemplo de falso antagonismo uma discussão hipotética sobre se um copo era um cilindro de vidro ou um recipiente para beber, Lenin mostrou a importância de determinações concretas, relações. O objeto em questão seria certamente um cilindro de vidro e um recipiente para beber, dirá Lenin, mas também poderia ser um objeto pesado usado como um "míssil" contra alguém, ou um receptáculo para uma borboleta capturada, ou um item de valor artístico por causa de seu gravura ou desenho, e assim por diante, sendo objetivamente o mesmo objeto. A chave são as determinações das relações nas quais está imerso. A explicação de Marx de que uma máquina de costura é uma máquina de costura é muito mais conhecida, e só é capital quando está em certas relações sociais, fora das quais não tem propriedade do capital, "da mesma forma que o ouro em si não é dinheiro". O que define, mais uma vez, são as relações concretas.

Este ABC é posto de lado por esses "marxistas" que parecem se gabar de que "um vidro é um vidro, uma máquina de costura é uma máquina de costura, não importa em que relações concretas eles tenham!" A denúncia do governo de Maduro na boca das mães dos milhares de meninos assassinados a sangue frio pela FAES, tem valor genuíno, legitimidade total e um verdadeiro objetivo de fazer justiça; A mesma reclamação, na boca de um Trump, Bolsonaro, Duque, Ledezma, Guaidó, é antes um uso demagógico calculado para seus próprios objetivos reacionários, entre os quais não está o desejo de fazer justiça para aquelas mães.

Mas a simplificação de alguns "críticos" leva-os a apoiar uma lógica segundo a qual, se alguém é contra o governo de Maduro, violador dos direitos humanos, deve-se ser a favor de qualquer iniciativa contra ele, mesmo que seja apoiada por ... uma coalizão de violadores de direitos humanos que, na realidade, não se importam com as liberdades democráticas dos trabalhadores venezuelanos e seus direitos. Parecem ser subsidiários da repetida - o que não é por isso sábio - frase do bom senso segundo a qual "o inimigo do meu inimigo é o meu amigo", fonte de perigosa desorientação.

Em 2019, em meio à agressão dos Estados Unidos para depor o governo venezuelano e instalar seu fantoche em Miraflores, jogaram a carta da "lei da anistia": em troca de tirar Maduro do poder, Guaidó e os Estados Unidos ofereceram aos militares um perdão por seus crimes (reais ou inventados). Por outro lado, se não passassem para o lado gringo, seriam julgados por crimes contra a humanidade se ocorresse uma hipotética mudança de regime liderada pelos gringos. O importante eram os objetivos ianques e da oposição de direita de mudar o regime político a seu favor, "direitos humanos" eram apenas uma moeda de troca!

Por isso, quando, na tentativa de golpe de 30-A, o general Cristopher Figuera, que até então tinha uma longa trajetória na sede dos serviços de inteligência e repressão política, houve uma mudança de lado, passaram a falar do “bom Sebin” e na verdade, uma boa parte dos acontecimentos que conta o recente relatório da missão da ONU baseiam-se em declarações dela. Mas este chefe altamente repressivo não foi declarado preso ou foi a julgamento, mas ficou livre sob a proteção dos EUA ... porque ele passou para o seu lado.

Uma posição de constante denúncia e confronto com as políticas repressivas do governo de Maduro e das Forças Armadas

É nesse quadro que, em um blog de um intelectual de esquerda argentino, pegaram o título de um artigo de opinião de julho do ano passado no jornal de nossa rede no Chile , o misturaram com a atual postura de rejeição ao voto do Governo argentino na ONU, para “concluir” que assim como o governo de Maduro / Forças Armadas, nós desacreditamos das denúncias que apontam para violações de direitos humanos, minimizamos os fatos denunciados, com os quais, em última instância, seríamos condescendentes com o governo venezuelano, em nome de políticas imperialistas opostas.

O título da nota de opinião (não uma declaração política) certamente não era o mais adequado ("Relatório da ONU: Piñera e Bachelet unidos contra o povo venezuelano"), já que no interesse de questionar, corretamente, a política de Piñera, que utilizou o “relatório Bachelet”, deixou a impressão de que se questionava não só o uso político do repressor Piñera, mas o próprio relatório . Quando fomos questionados publicamente aqui na Venezuela - sobre esta matéria que desconhecíamos, já que são centenas que aparecem diariamente em uma rede que cobre mais de uma dezena de jornais - imediatamente reconhecemos a crítica do título, não sem deixar de apontar ao mesmo tempo que, mesmo assim, em nenhum lugar do artigo o relatório foi desacreditado ou as alegações rejeitadas : o conteúdo era uma crítica ao uso político de Piñera e do imperialismo dos EUA do argumento dos direitos humanos.

Um título impreciso em um artigo de opinião de conteúdo correto: uma denúncia a um governo e a uma política imperialista que utilizou o argumento de "democracia" e dos direitos humanos no contexto de uma ofensiva imperialista agressiva contra a Venezuela (está tudo esquecido? O que aconteceu entre janeiro de 2019 e o primeiro semestre desse ano?!). Nota que, ao fazer aquela crítica correta e necessária, não por isso foi negada a denúncia e nem foram questionados os acontecimentos ali denunciados.

A questão estaria resolvida se não fosse o fato de que os nossos críticos insistiram em continuar a usar esta "prova" para tentar "demonstrar" a ideia infundada de que a nossa corrente desacredita das reportagens, minimiza os atos repressivos e, "em nome do imperialismo", não denuncia o governo repressivo e quase ditatorial de Maduro e do militares venezuelanos. Assim sendo, quando denunciamos os usos políticos reacionários da questão dos direitos humanos na Venezuela, esses pensadores perspicazes traçam a lógica dicotômica de que isso implica jogar o jogo de Maduro.

A verdade é que você tem que estar louco ou ter muita vontade de questionar a qualquer custo para dizer que o FT-CI na Venezuela, e o jornal da nossa rede aqui, é condescendente com o governo Maduro / FFAA em termos de liberdades democráticas e ataques aos direitos políticos e sociais fundamentais da população.Se algo tem caracterizado o nosso grupo e o nosso jornal, é uma denúncia constante, tenaz e incansável das políticas autoritárias e repressivas do governo Maduro. Se dedicamos nossas modestas forças a algo com zelo e perseverança, é para denunciar todos os passos dados pelo regime político contra as liberdades democráticas do povo. Ninguém que vive e atua na Venezuela, ou quem conhece de fora nossa militância do La Izquierda Diario Venezuela, pensaria em tal acusação.

A partir da página do nosso partido e depois também de La Izquierda Diario, em centenas de notícias, artigos de opinião, declarações políticas e vídeos, em todo o governo de Maduro há uma constante e dura denúncia dos Estados de exceção, à Resolução 8.610 , à repressão de trabalhadores e comunidades , às ações de grupos de vigilantes , à prisão de trabalhadores, a ação da polícia criminal contra os setores populares e a juventude, o tratamento de alguns dos imigrantes que retornam, a repressão e julgamento militar de estudantes que marcham com a oposição de direita , morte na prisão de líderes políticos da oposição de direita, etc.

Obviamente, estamos também nos protestos de rua das organizações operárias e de esquerda contra a criminalização e repressão das lutas, assim como temos desenvolvido nossas próprias campanhas ( "Chega de polícia e militares nas fábricas!" ), iniciadas nos primeiros anos de Maduro, quando o regime ainda mantinha as formas "democráticas".

Se trata de uma conduta política firme de enfrentamento constante aos avanços repressivos deste governo. Um comportamento que, além disso, tivemos também nos governos Chávez, porque, como se sabe, também éramos oposição de esquerda naquela época.

A respeito dos relatórios em questão, dissemos que, mesmo quando baseados neles, há um furioso uso político do imperialismo, alheio aos interesses do povo venezuelano, que “de forma alguma pode nos levar à posição do Governo e das Forças Armadas. rejeitar como "falsos" os relatórios de organizações como a ONU. Como apontamos, em alguns casos há faltas e são insuficientes ”. É o nosso jornal que, durante vários anos antes dessas reportagens, já em 2016, noticiava : “O sistema de segurança do presidente venezuelano Nicolás Maduro, a Operação de Libertação do Povo (OLP), é responsável por graves violações dos direitos humanos nos bairros pobres ”.

Certamente, todas essas posições são patrimônio comum de toda a Rede Internacional de La Izquierda Diario e de nossa corrente política internacional. Fazemos parte de uma corrente internacionalista que discute e desenvolve suas posições. Nessa perspectiva e em permanente discussão, as posições do LTS na Venezuela expressam as posições do FT-CI sobre a Venezuela.

Não há "contradição principal" e "contradição secundária"

Dadas todas essas circunstâncias, nossa posição nada tem a ver com aquela lógica mecânica e abstrata de certas correntes de esquerda que se baseiam nas concepções derivadas do stalinismo (ou suas variantes, como o maoísmo), segundo a qual é necessário diferenciar entre um "Contradição principal" à qual todas as outras contradições estão subordinadas, o que significaria neste caso que a contradição da nação com o imperialismo seria a "principal" e, portanto, o confronto com o governo burguês reacionário e repressivo da nação assediado seria a "contradição secundária", portanto, tende a suspender ou minimizar essa "contradição" em função da "principal".

Essa caricatura grotesca, que eles tentam contrabandear como "marxismo", não tem lugar em nossa posição. Esse é o “antiimperialismo” em nome do qual intelectuais latino-americanos como Borón, Grosfoguel e as mais diversas correntes populistas encobrem (ou pior, justificam!) as políticas reacionárias do governo quase ditatorial de Maduro e dos militares. Um antiimperialismo bastante limitado e impotente, sem estratégia, que ao se subordinar a regimes burgueses nacionalistas mornos, ou regimes diretamente reacionários e rendidos, como o de Maduro, trabalha precisamente contra o que é necessário para uma verdadeira emancipação nacional contra a dominação imperialista: as mais amplas liberdades democráticas e de ação do movimento operário, popular e camponês,o desenvolvimento audacioso de toda a iniciativa e energia de luta do povo.

A nossa oposição firme e intransigente à demagogia imperialista é constantemente denunciada e confrontada com as políticas reaccionárias de Maduro e dos militares, tanto em matéria económica como repressiva. O nosso antiimperialismo implica, precisamente, apostar numa dinâmica em que a luta dos trabalhadores, juntamente com os pobres, os posicione de tal forma que não só possam deter a mão das pretensões imperialistas mas também, nesse processo, se fortalecer contra o regime reacionário local.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    ONU   /    Nicolás Maduro   /    Direitos Humanos   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar