Internacional

ARGENTINA

Declaração da Frente de Esquerda Unidade diante da crise nacional

Reproduzimos a declaração da Frente de Esquerda Unidade, assinada pelo PTS, PO, a Esquerda Socialista e o MST.

sexta-feira 16 de agosto| Edição do dia

Estamos assistindo a um salto da crise política e econômica nacional, cujo gatilho é a derrota eleitoral dura do governo. É claro que todos os blocos capitalistas vão tentar descarregá-la no povo trabalhador. O macrismo, corporações e o FMI, com o consentimento da PJ e a cumplicidade da burocracia sindical, pretendem que continuemos a pagar por esta crise. Precisamos impor uma saída com a força e os métodos da classe trabalhadora, uma saída em defesa dos interesses dos trabalhadores, mulheres, jovens e setores populares.

Sob os auspícios da política do governo Macri, junto com a mega desvalorização, os chamados "mercados" aprofundaram a fuga de capitais nos últimos dias. Um punhado de especuladores aprofunda a ruína de milhões de argentinos.

Para tentar se sustentar até dezembro, o governo faminto de Macri ordenou uma série de medidas que estão longe de mitigar os efeitos da desvalorização do peso que já estão sendo registrados em aumentos generalizados de produtos de primeira necessidades, e muito menos para recuperar algo do que foi perdido nos últimos anos. Para manter a "governança" exigida pelos banqueiros e pelo capital financeiro internacional, de um mandato que foi repudiado pela maioria da população no domingo 11, Macri necessita da disputa de Alberto Fernández e do peronismo. Fernández não apenas encorajou a desvalorização, mas também a validou afirmando estar pronto para "colaborar" com Macri e seu governo.

O pano de fundo da crise argentina é a crise capitalista internacional. A "competitividade" que buscam aqueles que se alimentam e validam a desvalorização do peso é para mais lucros de exportadores, multinacionais, bancos e grandes empresários no contexto do agravamento da guerra comercial e monetária e da entrada da economia mundial em um nova recessão Alertamos a população como um todo sobre a inviabilidade das “saídas” propostas por funcionários do governo e “opositores”.

Longe de defender os trabalhadores contra a miséria e as demissões que se aprofundaram nos últimos dias, a CGT continua mantendo a trégua com o governo. O CTA está agindo da mesma maneira.

A Frente de Esquerda Unidade participou da última campanha eleitoral, argumentando que, pelas mãos do FMI, não só não podem melhorar as condições de vida das pessoas, como inevitavelmente irão piorar. Alberto Fernández voltou a afirmar que seus porta-vozes econômicos já haviam adiantado: que a dívida ilegítima e fraudulenta seria honrada, o que só servia para financiar a fuga de capitais. Isso significará mais atraso e dependência nacional e mais miséria para as maiorias populares.

A FIT Unidade afirma que é necessário exigir das centrais sindicais uma greve nacional de 36 horas, com mobilização, como parte de um plano de luta para impor um programa que começa por priorizar as demandas mais sentidas do povo trabalhador. Que ninguém ganhe menos do que o valor de uma cesta familiar. Indexação mensal automática de salários e aposentadorias de acordo com o custo de vida. Cancelamento de tarifas, nacionalização de empresas privatizadas sob o controle de trabalhadores e usuários. Proibição de demissões e suspensões. Ocupação e posta em funcionamento de toda empresa que feche ou demita e reivindicação de nacionalização sob controle dos trabalhadores.

É necessário romper com o FMI e deixar de pagar a dívida externa. E implementar uma saída dos trabalhadores e popular partindo da defesa do trabalho, dos salários, da habitação, da saúde e da educação. Contra os "golpes de mercado" e fuga de capitais, sustentamos a necessidade de nacionalizar o sistema bancário e criar um banco único nacional que sirva de alavanca para uma recuperação econômica do país sob a direção dos trabalhadores, preservando a economia da população. e concedendo empréstimos baratos aos pequenos comerciantes. Também é necessário o monopólio estatal do comércio exterior também para evitar que um punhado de exportadoras manejem à vontade liquidação das moedas.

Em síntese, nossa proposta é que a crise seja paga por aqueles que a provocaram: os capitalistas e que se imponha um plano econômico favorável às grandes maiorias que só poderá ser sustentada por um governo dos trabalhadores.

As forças que integram a Frente de Esquerda Unidade promoverão desde todos os locais de trabalho, a necessidade de promover assembléias e plenárias de delegados no movimento dos trabalhadores para impor e executar este programa.

No imediato, a Frente de Esquerda Unidade convocará junto ao sindicalismo combativo uma marcha em direção à Plaza de Mayo para a próxima semana.

FRENTE DE ESQUERDA DOS TRABALHADORES UNIDADE

PTS - PO - IS - MST




Comentários

Comentar