Política

MINISTÉRIO TEMER

Ministro da Justiça tucano no governo golpista de Temer promete reprimir movimentos sociais

Com extenso currículo repressivo em São Paulo, o tucano Alexandre de Moraes promete repressão aos setores que lutam contra o governo golpista e os ajustes. No mesmo dia, em São Paulo a polícia de Alckmin, com apoio do Ministério Público, reprimiu e prendeu jovens sem autorização judicial.

sexta-feira 13 de maio de 2016| Edição do dia

O novo ministro da Justiça, o ex-secretário de Segurança Pública de Alckmin e ex-advogado do PCC, Alexandre de Moraes, defendeu nesta quinta-feira (12) que a atuação "violenta’’ de movimentos sociais deverá ser combatida. De acordo com o novo ministro do governo golpista de Temer: "A partir do momento que seja MTST, ABC, seja ZYH, que deixam o livre direito de se manifestar para queimar pneu, colocar em risco as pessoas, aí são atitudes criminosa que vão ser combatidas, assim como os crimes’’.

Para poder passar os fortes ataques contra os trabalhadores e demais setores populares da sociedade, o governo golpista de Michel Temer vai ter que se chocar com as lutas que já estão se desenvolvendo na educação contra os ajustes, especialmente com o protagonismo da juventude secundarista. A violência será usada contra qualquer ação contundente vinda dos trabalhadores e dos setores populares da sociedade, criminalizando suas ações.

Esta ofensiva desatada neste dia em São Paulo contou com o parecer do Ministério Público autorizando a polícia paulista a atuar sem aval da justiça. Este mesmo Ministério Público conivente com os crimes nos escândalos do Trensalão ou do Merendão quer junto a Alckmin reescrever direitos democráticos básicos a favor de tentar criar uma correlação de forças favoráveis a seus agressivos ataques à juventude e os trabalhadores.

E para cumprir este papel, a pessoa mais indicada no momento é o ex-secretário de Segurança Pública de São Paulo Alexandre de Moraes. Sua força é dupla, chega em Brasília com currículo de ter reprimido diversos movimentos sociais em São Paulo, como também ajuda a unificar os tucanos em apoio ao governo Temer.

Em 2015, Alexandre de Moraes foi um dos líderes na guerra declarada pelo o governo do Estado de São Paulo contra os estudantes secundaristas que estavam lutando contra o fechamento de escolas. Neste ano, os mesmos secundaristas estão se levantando contra a corrupção da merenda, a secretária de Segurança Pública segue seu script em reprimir novamente os estudantes, realizando reintegração de posse no Centro Paula Souza e no dia de hoje, prendendo vários estudantes na outra reintegração realizada pelos os estudantes na Diretoria de Ensino Centro Oeste e na ETESP.

Este ano a luta dos secundaristas paulistas ocorre ao mesmo tempo em que ocorrem ocupações de escola no Rio de Janeiro, Ceará e Rio Grande do Sul, bem como greve e ocupações estudantis nas prestigiosas UNICAMP e USP.

O mesmo Ministro de Justiça que disse que as manifestações contra o impeachment eram verdadeiras guerrilhas e que irá punir aqueles que estão por trás destas manifestações. É também o mesmo ex-secretário da segurança que fez questão de aceitar a versão apresentada por um delegado na morte de quatro jovens que trabalhavam numa pizzaria, em Carapicuíba, mesmo comprovado de que a versão da polícia era uma falácia. Para os assassinos e corruptos impunidade, à esquerda, aos movimentos sociais, juventude e trabalhadores todo rigor da lei, ou até mesmo desrespeitá-la para reprimir.

Contra a repressão prometida pelo novo Ministro da Justiça, e o exemplo dado em São Paulo hoje da nova política dos golpistas, é mais do que necessário se organizar nos locais de trabalho e estudo e apoiar ativamente todas as lutas que estão em curso. Com a força da juventude e setores de trabalhadores que entram em luta como os trabalhadores da USP exigir que as grandes centrais como a CUT e CTB deixem seu imobilismo e construamos um urgente e grande movimento nacional para trazer abaixo o governo golpista de Temer e os ajustes.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar