Mundo Operário

Com país pegando fogo, centrais sindicais convocam paralisação para daqui um mês

Flavia Valle

Professora, Minas Gerais

segunda-feira 27 de março| Edição do dia

Terminou há poucas horas a reunião das centrais sindicais em São Paulo. Com a terceirização de tudo aguardando sanção de Temer, com a proposta de reforma trabalhista para terminar de matar a CLT e ainda a reforma da previdência para que os trabalhadores trabalhem até a morte, as centrais sindicais adiaram a paralisação nacional para o dia 28 de Abril.

Em cada local de trabalho se escuta a raiva com as medidas de Temer, do Congresso e dos capitalistas. Mas as centrais sindicais não estão nem aí.
Enquanto isso, Rodrigo Maia já declarou à imprensa que quer aprovar a reforma trabalhista na primeira quinzena de abril. Temer já terá sancionada a PL 4302 da terceirização e o senado votado o outro projeto de terceirização, o PL 4330, para que Temer possa fazer um apanhado do pior dos mundos.

Assim,

com essa série de ataques planejada para abril, qual o motivo de permitir que o Congresso e o governo Temer concretizem seus planos de maneira desimpedida, sem organizar a maior resistência contra eles, como já poderia ter acontecido com a votação do PL4302 da terceirização total no Congresso?

A conclusão é que a burocracia sindical renova sua trégua com o governo golpista e com a resistência aos ataques à classe trabalhadora ao adiar a greve geral. Não busca coordenar ações conjuntas imediatamente, quando todo trabalhador diz que "tem de parar tudo já", desperdiça a energia do momento e isola os setores da educação em greve em diversos estados e municípios do país. A Força Sindical e suas aliadas fazem isso, como declarou Paulinho à Folha de São Paulo, em nome de negociar a regularização do dinheiro da contribuição assistencial de não filiados aos sindicatos. Já a CUT e CTB fazem isso pois submetem todos seus planos a um Lula 2018.

Não faltam provas como das mãos dessas burocracias sindicais não teremos nenhum plano verdadeiro para construir uma greve geral. É possível derrotar todos esses ataques e trazer abaixo o governo de Temer, mas para isso é preciso superar o freio consciente que elas representam.

Como sempre dissemos, estaremos dentro de todas as mobilizações que ajudam a avançar a luta da classe trabalhadora. Justamente por isso, correspondendo à vontade atual de combate dos trabalhadores para "parar tudo", é que achamos inadmissível entregar um mês inteiro de tranquilidade ao governo para que passe tudo o que quer.

Essa política das cúpulas das centrais sindicais é mais um sinal evidente que buscam trair a nossa luta, em prol de seus próprios objetivos.

É por isso que a exigência que fazemos as centrais sindicais para que organizem uma paralisação nacional imediata, onde se paralise tudo, está diretamente ligada com a necessidade da auto-organização dos trabalhadores, para tomar a luta em suas mãos. Que em cada local de trabalho e estudo podemos criar comitês massivos, que reúnam centenas ou milhares, pra debater um plano de luta concreto que possa tornar real a idéia de greve geral no nosso país, e não uma palavra de ordem pra pressionar o governo golpista de Temer para negociar conchavos com a Força, e a CUT declarar-se à esquerda da Força mas deixar os professores em greve na mão.

Se esses comitês massivos e pela base avançam para eleger delegados seria uma forma ainda mais concreta de tomar a luta nas nossas mãos e não permitir que sejam os burocratas sindicais que decidam em reuniões a portas fechadas os rumos do movimento. Inclusive, para nós, os comitês não são somente para reunir dirigentes sindicais e dirigentes das correntes de esquerda, mas principalmente pra reunir milhares pela base. Assim, podemos impor às centrais uma verdadeira e urgente greve geral.

Para colocar contra a parede às centrais sindicais consideramos que a Frente Povo Sem Medo, as Intersindicais, a CSP-Conlutas, os parlamentares do PSOL e o conjunto de entidades lutadoras desse país precisariam defender a construção de comitês de base com delegados eleitos pra tomarmos a luta em nossas mãos e a urgência dessa greve geral. No entanto, não é esse o encaminhamento da reunião de hoje, onde tanto a CSP-Conlutas, como a Intersindical são signatárias de deixar tudo como está até 28 de Abril.

Correntes que se reivindicam revolucionárias, como o MAIS, precisam mudar sua política de espera, e junto ao MRT travar essa batalha.




Tópicos relacionados

CUT   /    Governo Temer   /    Michel Temer   /    PT   /    Centrais Sindicais   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar