Internacional

ESTADOS UNIDOS

Inteligência norte-americana afirma que Putin ordenou ciberataques para ajudar a Trump

O serviço de inteligência dos Estados Unidos asseguram que Putin ordenou ciberataques que pudessem influir nas eleições norte-americanas favorecendo Donald Trump.

segunda-feira 9 de janeiro| Edição do dia

Segundo um novo relatório da inteligência estadunidense, o mandatário russo, Vladimir Putin, ordenou em 2016 uma campanha direcionada a eleição presidencial dos Estados Unidos, com o objetivo de influir na campanha da candidata democrata Hillary Clinton e manchar uma imagem caso ela conseguisse ser eleita como presidente.

“Avaliamos que Putin e o governo russo desenvolveram uma clara preferência pelo presidente eleito (Trump)”, afirmou o relatório. “Também avaliamos que Putin e o governo russo aspiraram colaborar com as possibilidades de eleição de Trump quando fora possível, descredenciando a Secretária Clinton e comparando-la publicamente de forma desfavorável frente a ele”, acrescentou.

O envolvimento dos russos não apontaram influência suficiente que pudessem afetar o resultado final da votação, sustenta o relatório da CIA, o FBI e a Agência Nacional de Segurança. No entanto Moscou nega ter participado de qualquer ataque virtual contra os Estados Unidos.

As agências creem que a inteligência militar russa usou intermediários como WikiLeaks e DCLeaks.com para obter os emails de integrantes do Comitê Nacional Democrata (DNC, sigla em inglês) e demais figuras deste partido. O documento sustenta que a operação mapeou os “objetivos ligados com os maiores partidos políticos dos Estados Unidos”.

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, disse que não recebeu os emails do DNC e do assessor de Clinton, John Podesta, de forma ilegal, mas de uma obteve através de uma fonte “estatal”, também não descartou a hipótese de ter cedido o material a um terceiro.

Depois de receber o relatório, que se tornou público no último sábado, 7, e próximo de se reunir com os agentes envolvidos na investigação, Trump assegurou que, ainda que vários países busquem atacar os EUA, “não houve absolutamente nenhuma influência sobre o resultados das eleições, inclusive é tido como um fato não ter tido alterações sobre o processo eleitoral”.

Em sua totalidade, o relatório confirma o que o serviço de inteligência já anunciou em outubro, quando divulgaram suas primeiras conclusões e reafirma o que disseram na última quinta, 5, os chefes de várias das principais agências de serviço de inteligência em uma audiência no Comitê de Serviços Armados do Senado.




Tópicos relacionados

Hillary Clinton   /    Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    Rússia   /    Internacional

Comentários

Comentar