Política

ATAQUE AO FUNCIONALISMO

Aumento do imposto previdenciário de servidores federais afetará os municípios e estados

quinta-feira 9 de novembro| Edição do dia

Se aprovada pelo Congresso Nacional, a Medida Provisória (MP) 805, que eleva a contribuição previdenciária do funcionalismo federal de 11% para 14%, puxará em efeito cascata o aumento do tributo no mesmo patamar para todos os servidores de Estados e municípios.

Isso ocorrerá porque o artigo 149 da Constituição Federal prevê que a alíquota previdenciária cobrada dos servidores da União é piso para o funcionalismo estadual e municipal - ou seja, funcionários públicos de Estados e municípios não podem ter contribuição menor que a dos funcionários federais. Cálculos do Ministério do Planejamento obtidos pelo Estadão/Broadcast indicam que os Estados e o Distrito Federal poderão ter arrecadação adicional de R$ 1,8 bilhão anual caso a MP seja aprovada.

Atualmente, sete Estados têm alíquota de 14% ou mais, segundo dados coletados pelo Tesouro Nacional no fim do primeiro semestre deste ano. São eles: Acre, Ceará, Goiás, Piauí, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. No caso desses dois últimos, o aumento já faz parte dos ataques de Temer em articulação com os governos estaduais de Sartori e Pezão a partir do mal chamado "Plano de Recuperação Fiscal".

Ao anunciar a medida, em agosto, o governo não explicitou que haveria essa obrigatoriedade para Estados e municípios. A maioria dos Estados ainda desconta 11% de seus servidores, incluindo São Paulo.

Há alguns que estão acima disso, como Bahia (12%), Sergipe (13%) e Pernambuco (13,5%), mas ainda estariam desenquadrados em caso de aprovação da MP federal. O município de São Paulo também cobra alíquota de 11% e já estava avaliando mudanças.

Governos estaduais planejam o ataque a servidores há tempos

Secretária de Fazenda de Goiás quando o Estado elevou a alíquota para 14,25% (a mais alta do País), a economista Ana Carla Abrão avalia que o aumento da contribuição para 14% é o mínimo necessário para começar a corrigir o problema. Segundo ela, o déficit da Previdência dos servidores é um problema gravíssimo e uma alíquota nesse patamar para alguns Estados não faz nem "cócegas".

Ana Carla lembra que a elevação da alíquota pelo governo federal era um pleito antigo de alguns governadores, que enfrentam dificuldades financeiras, mas não queriam o ônus de impor uma tributação mais alta enquanto a da União permanecia em 11%.

O presidente da Confederação Nacional dos Servidores Público, Antonio Tuccilio, disse que a entidade vai entrar com uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a medida nos próximos dias. "Essa medida é absurda ".

O aumento da alíquota dos servidores faz parte dos ataques do governo Temer e dos patrões para que os custos da crise que eles criaram seja descarregados sobre as costas dos trabalhadores. Nós não podemos aceitar, e temos que retomar o caminho das greves para impor taxação às grandes fortunas, fim do pagamento da dívida pública, expropriação e nacionalização dos principais ramos da economia para que sejam os capitalistas que paguem o custo pela crise que criaram.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Direitos Trabalhistas   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar