Mundo Operário

1º de Maio da Argentina | Ato da FIT

"Organizar a economia e a sociedade em função das necessidades de toda a humanidade"

Nicolás del Caño, pré candidato a deputado federal pela Província de Buenos Aires, pelo PTS na Frente de Izquierda, assegurou que é necessário “atacar a irracionalidade do capitalismo” e chamou todos a fortalecer a FIT. "A vida de milões de trabalhadores vale mais que os lucros capitalistas".

quarta-feira 3 de maio| Edição do dia

"Boa tarde companheiras e companheiros, é uma grande alegria estar nessa praça
cheia de lutadoras e lutadores. Quero saudar os companheiros e companheiras
do Partido Obrero, da Izquierda Socialista e aos meus companheiros do PTS.

Cento e trinta anos se passaram desde que aqueles valentes operários acabaram sendo enforcados em Chicago pelo Estado imperialista yanque por cometerem o crime” de lutar pela redução da jornada de trabalho para oito horas. Eram parte dos “escravos assalariados”. Sua vingança histórica veio quando a jornada de 8 horas
se transformou em uma das bandeiras centrais na gloriosa Revolução Russa.

Viva os mártires de Chicago!

Viva a grande Revolução de outubro!

Essa luta, companheiros, que hoje completa um século, segue tendo plena vigência porque nossas vidas, as vidas de centenas de milhões de assalariados em todo o mundo, valem mais que seus lucros!

Querem nos condenar jornadas extenuantes de trabalho, flexibilizados, com salários de fome ou desempregados, viver de bicos ou de planos sociais. Pior ainda, agora nos dizem que com a incorporação de novas tecnologias à produção, se perderão milhões de postos de trabalho. São sempre os trabalhadores que perdemos enquanto eles embolsam fortunas.

Enquanto a produtividade do trabalho se multiplicou, a jornada de trabalho não se reduziu. Porque depois de um século daquela luta pelas oito horas, a lógica dos capitalistas segue a mesma: aumentar seus lucros às custas de nossas vidas. Hoje a ciência e a técnica permitiriam que pudéssemos trabalhar todos por menos horas.
Porpomos reduzir a jornada de trabalho a 6 horas, 5 dias por semana, repartindo as horas de trabalho entre empregrados e desempregados, sem perda salarial e que ninguém receba menos do custo de manutenção da familia. Atacamos assim a irracionalidade que impõe o capitalismo, retomando a luta histórica do movimento operário no caminho de acabar com a escravidão assalariada.

Basta de superexploração, fome, miséria.

Mais tempo para disfrutar, para acessar a arte e a cultura, para se divertir, para fazer ócio, para estudar, estar com a família e com os amigos. Mais tempo para viver!
Nesse sistema, o lucro capitalista é o que move e organiza a economia. Nossa exigência é o oposto: organizar a economia e a sociedade em função de satisfazer as necessidades de toda a humanidade.

A Frente de Izquierda é um exemplo de independência política dos trabalhadores a nível nacional e internacional. Não atuamos apenas quando há eleições. Estamos presentes em todas as lutas. Há pouco fizemos um ato multitudinário em Atlanta.
Participamos juntos da Multicolor em Suteba e da Granate-Blanca nos Telefônicos (chapas sindicais), além dos ferroviários da Roca e em numerosas agremiações e centros acadêmicos. Somos impulsionadores da declaração do sindicalismo combativo que exige a paralisação efetiva de 36 horas.

Agora também temos adiante uma batalha eleitoral. O peronismo se alista para ir unificado ao kirchnerismo que está aplicando o ajuste em Santa Cruz e que votou todas e cada uma das leis de Macri junto ao bloco de (Sérgio) Massa. Enquanto seguimos apoiando cada luta, temos que ir explicando que os que votarem nas chapas da Frente para a Vitória (Partido Justicialista), está votando nos que seguirão votando leis e ajudando na governabilidade do governo ajustador.

Cada voto que conquistemos para a Frente de Izquierda é um voto para fortalecer uma ferramenta política própria dos trabalhadores. Vamos por mais deputados da FIT que fortaleçam a luta do povo trabalhador.

Viva a Frente de Izquierda!

Para terminar quero ler umas linhas de outros dos mártires de Chicago, George Engel: “Em que consiste meu crime? Em que tenha trabalhado pelo estabelecimento de um sistema social em que seja impossível o fato de que enquanto alguns acumulam milhões utilizando as máquinas, outros caiam na degradação e na miséria.
Assim como a água e o ar são livres para todos, a terra e as invenções dos homens da ciência devem ser utilizadas em benefício de todos. Suas leis estão em oposição às da Natureza, e a partir delas roubam das massas o direito à vida, à liberdade e ao bem estar”

Viva o Primeiro de Maio!"




Tópicos relacionados

Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar