Gênero e sexualidade

FEMINICÍDIO

Homem mata ex-mulher e 11 pessoas no Ano Novo em Campinas

Feminicídio seguido de chacina marca a virada do ano em Campinas. Homem assassina a tiros ex-mulher, filho e familiares, cometendo suicídio em seguida. Em cartas reveladas posteriormente, o assassino escreveu: "quero pegar o máximo de vadias da família juntas".

domingo 1º de janeiro| Edição do dia

Segundo informações do boletim de ocorrência, Sidnei Ramis de Araujo, de 46 anos, invadiu a festa de ano novo que ocorria em um bairro de classe média de Campinas na madrugada do dia 1º, pulando o muro da residência. O técnico em laboratório na área de ciência e tecnologia já chegou efetuando disparos e estaria motivado por vingança do processo de separação em curso de sua ex-mulher, Isamara Filier, 41 anos, e da disputa pela guarda do filho, de 8 anos, na Vara da Família.

Onze vítimas morreram no local e uma foi levada ao Hospital das Clínicas, na UNICAMP, onde não resistiu aos ferimentos. Foram assassinadas nove mulheres, incluindo sua ex-mulher, dois homens e seu filho. Araujo cometeu suicídio logo em seguida.

Três feridos encontram-se internados e tiveram de passar por cirurgia.

O caso foi registrado como homicídio qualificado seguido de suicídio no 4º Distrito Policial de Campinas. O assassino portava uma pistola calibre 9 mm com dois carregadores, com número raspado, munições, canivete e dez artefatos supostamente explosivos.

Também foram encontrados em seu carro um celular com a senha anotada e um gravador de voz que continha um áudio de desculpa do atirador por algo que iria acontecer, sem explicitar o quê, além de revolta contra a ex-companheira.

Em cartas que deixou com um amigo, dirigidas ao filho e reveladas posteriormente, na qual chama a ex-mulher de vadia e faz alusão à lei "vadia da penha", o assassino afirma: "eu morro por justiça, dignidade, honra e pelo meu direito de ser pai! Na verdade somos todos loucos, depende da necessidade dela aflorar!". Ele também coloca sua intenção em assassinar outras mulheres: "Sei que me achava um frouxo em não dar uns tapas na cara dela, mas eu não podia te dizer as minhas pretensões em acabar com ela! Tinha que ser no momento certo. Quero pegar o máximo de vadias da família juntas."

Nós do Esquerda Diário nos solidarizamos com os familiares e amigos das vítimas e nos indignamos com o horror desse crime que marca mais uma vez a violência machista em nossa sociedade e o ódio que levou à chacina de 12 pessoas. Por todas as Isamaras, Eloás, Elizas, basta de feminicídios!




Tópicos relacionados

Feminicídio   /    Violência contra a Mulher   /    Campinas   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar