Política

CAMPANHA

Em São Paulo, participe das panfletagens "Tomar a greve geral em nossas mãos"

Acompanhe o calendário ou receba os materiais para distribuir no seu local de trabalho e região.

domingo 18 de junho| Edição do dia

Vários pontos da cidade de São Paulo já estão forrados com os cartazes da campanha "Tomar a greve geral em nossas mãos" lançada nesta semana pelo Esquerda Diário junto com o MRT, Movimento Nossa Classe, Juventude Faísca e grupo de mulheres Pão e Rosas. A campanha se mostra mais necessária do que nunca, em um momento onde começam a circular informações sobre a possibilidade de recuo da greve geral do dia 30 e negociações "por cima". Pablito Santos, diretor do Sintusp e um dos impulsionadores da campanha, conversou com o Esquerda Diário "Essa semana vamos recorrer dezenas de fábricas, universidades e locais de trabalho levando essa ideia, a ideia da auto-organização dos trabalhadores e da juventude para tomar a greve geral nas nossas mãos. Estamos propondo que todos coloquem de pé comitês e assembleias em suas categorias, exigindo das direções sindicais mas não esperando passivamente por elas, já que as direções das grandes centrais sindicais não tem comprometimento com a nossa luta e sim com seus próprios interesses. Se querem recuar com o dia 30, não podemos aceitar, vamos tomar em nossas mãos pra derrotar Temer e todas as reformas".

Diana Assunção, que foi candidata a vereadora de São Paulo declarou que estará durante toda a semana percorrendo em especial a região da Zona Oeste. "Como na campanha eleitoral, estarei nas fábricas da região, nas escolas junto com a professora Luciana Machado, que é conselheira estadual pela Oposição Alternativa na APEOESP, estarei nos bairros do Rio Pequeno, Vila Dalva e vários outros da região, assim como na Universidade de São Paulo, pra levar com força essa campanha e também fortalecer o Comitê da Zona Oeste", contou Diana.

Daphnae Helena, metroviária e cipista do Metrô de São Paulo também está impulsionando a campanha. "Nós já começamos a fazer passagens nas estações do Metrô de São Paulo e o material está sendo muito bem recebido. As pessoas querem derrotar as reformas, ninguém quer trabalhar até morrer e por isso é preciso tomar a greve geral em nossas mãos, antes que eles nos traiam por completo", comentou Daphnae.

Na Zona Norte de São Paulo, Marcella Campos, professora e conselheira regional pela Oposição Alternativa na APEOESP está organizando diversas panfletagens nas escolas. "Os professores e estudantes querem ter um papel ativo nesta luta. Vamos passar em várias escolas e fazer panfletagens em pontos importantes da região, pra levar essa ideia, precisamos de comitês e assembleias de base. Além disso, nossa resposta política é pra mudar as regras do jogo, e não apenas os jogadores como a proposta de Diretas Já, vista por setores da própria burguesia como uma boa saída pra conter a crise. Levantamos a necessidade de eleger representantes para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana. Estamos debatendo isso amplamente com a população, mostrando que esse é o caminho pra fazer com que os capitalistas paguem pela crise", finalizou Marcella.

Faça parte desta campanha aqui em São Paulo.

Se você quiser receber os materiais para panfletar no seu local de trabalho e região ou quiser participar de alguma panfletagem, envie uma mensagem para o número (011) 971190332

Acompanhe nesta tabela o calendário das panfletagens:




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar