Mundo Operário

INDÚSTRIA

Chegou o mês do dissídio, como vai ser?

A situação econômica do país não é fácil, dizem os jornais e os políticos. Todos os trabalhadores percebem que o salário dura menos, cai na sexta e na segunda já foi. A inflação está em quase 10% e muita gente tá com dívida no banco. Aí chega o mês do dissídio, como vai ser?

sábado 7 de novembro de 2015| Edição do dia

O dissídio, ou acordo coletivo, está previsto na Constituição Federal, no artigo 7º, e na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), no artigo 611, além da Lei Nº 4.725, de 13 de julho de 1965, que determina que “tomará por base o índice resultante da reconstituição do salário real médio da categoria nos últimos 24 (vinte e quatro) meses anteriores ao término da vigência do último acordo” e também que, entre outras coisas, deve levar em conta a “adequação do reajuste às necessidades mínimas de sobrevivência do assalariado e de sua família”.

A maior parte dos trabalhadores esperam pelo menos aumentos salariais no mínimo equivalentes à inflação, que corrói os salários a cada dia, sendo que no mês seguinte (e em todos os demais) a inflação seguirá aumentando e então o salário fica rapidamente defasado. Esse ano, pelo menos 111 categorias tiveram aumentos salariais fechados abaixo da inflação e várias que tiveram acima, como em setores das indústrias de alimentos (cujo sindicato é dirigido pela Força Sindical), o aumento real equivale a R$ 8,73.

No caso dos metalúrgicos do ABC e de Minas Gerais, dirigidos pela CUT, o dissídio será parcelado em duas ou até três vezes, sendo que em fevereiro ou maio, quando terminam essas parcelas, a inflação já subiu e portanto o aumento já não representa mais a realidade. Em MG o agravante é que a patronal não quer nem repor a inflação, oferecendo no máximo 6% e no ABC existem casos como o da Volkswagen, que para retroceder das 800 demissões em janeiro, fez acordo de congelar os salários esse ano. Para os trabalhadores da JBS, cujo sindicato é dirigido pelo PCO, que defende mais a Dilma do que o próprio PT e é o sindicato mais ausente e parasita de todos os citados aqui, um cenário bem complicado aparece pela frente.

Esse cenário mostra como os empresários e o governo do PT estão aliados contra os trabalhadores, não só se negando a dar aumentos que reponham de fato a inflação, mas demitindo em massa em vários setores e também aprovando medidas como o PPE (Plano de Proteção ao Emprego), que reduz os salários e protege os lucros dos empresários. A greve dos bancários foi forte e importante porque se colocou contra esse plano da Dilma e dos patrões, obrigando-os a rever a proposta inicial de apenas 5,5% e chegando a 10% de aumento depois de 21 dias de luta, apesar de terminar com uma traição dos dirigentes sindicais, que também são ligados ao PT e não viam a hora de acabar com a greve.

Para os trabalhadores se defenderem de tantos ataques contra suas condições de vida é preciso unificar as lutas de diversas categorias e ao mesmo tempo exigir aumentos acima da inflação e combater as demissões e retirada de direitos, as campanhas salariais não podem ser isoladas desse contexto nacional que vivemos. Os partidos e sindicatos da esquerda deveriam se organizar como um pólo de lutas que desse exemplos de como enfrentar essa crise para que não seja toda descarregada nos trabalhadores.




Tópicos relacionados

crise econômica   /    Indústria   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar