Educação

ELEIÇÕES CASS-UERJ

Chapa Por Isso Me Grito ganha eleições para o CASS-UERJ

Isabela Santos

Estudante de Serviço Social da UERJ e coordenadora do Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ - CASS

segunda-feira 9 de julho| Edição do dia

Na semana passada, nos dias 03, 04 e 05 de julho, ocorreram as eleições para a gestão do Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ. Nós do coletivo Faísca (impulsionado pelo MRT) compusemos junto com independentes a chapa 2 - Por Isso Me Grito que ganhou o processo e que será a gestão pelo próximo ano. Tal qual a última eleição, onde parte dos integrantes da chapa Por Isso Me Grito participaram e compuseram a gestão proporcional enquanto ala minoritária (por uma diferença de 15 votos), esse processo foi disputado por duas chapas. A chapa 1 era composta por membros da parte majoritária da gestão anterior, do PSTU e independentes.

Partimos, de uma visão coletiva da chapa 2, de resgatar e entender o que tem significado para o país, para a juventude, as mulheres, os trabalhadores e também para a nossa profissão o golpe institucional de 2016, seu aprofundamento e os ataques implementados pelas direita e pelos golpistas de lá para cá. Pois entendemos que só a partir de ter clareza dos desafios que teremos no próximo período vamos poder nos fortalecer para retomar as melhores tradições que já tivemos no CASS e construir um Centro Acadêmico que seja uma ferramenta de luta e organização política dos estudantes. O CASS, e diversos estudantes do curso, estiveram como linha de frente da luta contra o golpe institucional de maneira independente do PT, contra os ataques dos governos e da reitoria, em defesa das terceirizadas e junto à luta dos trabalhadores, das mulheres, dos negros e enfrentando a paralisia do DCE da UERJ, dirigido pelo PT e PCdoB.

Esses dois elementos, o entendimento de que o país passou por um golpe institucional para aprofundar os ataques que o PT já vinha fazendo e a necessidade do Centro Acadêmico ser uma ferramenta de luta e organização política dos estudantes, foram as principais discussões desse processo eleitoral.

A chapa 1 (Lutar mais forte que antes) tinha outra posição, não admitindo que houve um golpe institucional no país, seguindo a linha da política nacional do PSTU, e sendo incapazes de levantar o combate necessário ao aprofundamento do golpe institucional e os ataques da direita que buscam avançar nos ataques que o PT já vinha fazendo. Além disso, defenderam uma concepção de que o "CASS não é só uma ferramenta de luta", como contraposição ao eixo que nossa chapa dava a isso.

Foi importante que os estudantes tenham em sua maioria votado a para que o CASS seja uma forte ferramenta de luta, retomando as melhores tradições que construimos nas gestões anteriores das quais nós da Faísca fomos majoritários.

Reproduzimos abaixo o agradecimento da chapa 2 pelos votos recebidos:

Estamos muito felizes de poder informar que a nossa Chapa 2 - Por isso me grito, composta pela Faísca e independentes, ganhou as eleições do Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ!

Foram 117 votos, num curso com pouco mais de 400 estudantes, que expressaram a vontade de diversos estudantes de um Centro Acadêmico como ferramenta de luta, que retome as melhores tradições que já tivemos no CASS, que esteve na linha de frente da luta contra o golpe institucional de maneira independente do PT, contra os ataques dos governos e da reitoria, em defesa das terceirizadas e junto à luta dos trabalhadores, das mulheres, dos negros e contra a paralisia do DCE da UERJ, dirigido pelo PT e PCdoB.

Nosso chamado em especial para cada um destes 117 estudantes é para que construam conosco essa próxima gestão, como um exemplo de entidade estudantil viva e combativa. Mas nosso chamado vai além, é para que o conjunto dos estudantes do Serviço Social se unifiquem nas lutas e que construamos juntos uma forte gestão do CASS, pois sabemos que há estudantes de luta que também apoiaram a Chapa 1 e os inimigos que temos que combater são fortes.

A diferença de votos para a Chapa 1, do PSTU e independentes (que foram maioria na última gestão proporcional por uma diferença de 15 votos) foi pequena e os estudantes votaram em sua maioria esta vez por uma gestão majoritária, com o apoio da própria Chapa 1, o que faz com que a não tenham representação na gestão. Isso apesar de que nós da Chapa 2 defendemos que o CA seguisse com a proporcionalidade, o que opinamos que era uma importante conquista democrática dos últimos anos, que faria com que os estudantes que votaram na Chapa 1 tivessem representantes diretos na gestão.

Mas a não representação direta na gestão não tira o papel de cada estudante na luta, pois saberemos manter todos os organismos democráticos de decisão sobre os rumos das nossas mobilizações.

Parabéns a todas as lutadoras que compuseram a Por isso me grito, aos alunos que foram nossos apoiadores durante este processo e a todos os estudantes do Serviço Social que mostraram-se mais uma vez ativos na construção do movimento estudantil com uma votação massiva.




Tópicos relacionados

UERJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar