Sociedade

RACISMO EM BH

Ato no Shopping Cidade denuncia racismo contra clientes em Belo Horizonte

Cerca de 200 jovens se reúnem em Belo Horizonte para protestar contra o racismo após caso ocorrido no Shopping Cidade, na região central da capital mineira.

Pammella Teixeira

Belo Horizonte

quarta-feira 21 de dezembro de 2016| Edição do dia

Na noite de ontem, 20, cerca de 200 jovens se reuniram e organizaram um ato dentro do Shopping Cidade, centro de compras central e referencial de Belo Horizonte. A manifestação foi contra o racismo e foi motivado por caso de discriminação ocorrido na última sexta-feira, dia 16, em que três mulheres e dois adolescentes negros, que circulavam pelo centro de compras, foram seguidos e hostilizados por seguranças do estabelecimento.

Com cartazes, gritos e microfone nas mãos, os jovens deixavam claro que “racistas, fascistas, não passarão”, e diziam que “se fosse com pessoas brancas isso não teria acontecido”. Nos cartazes haviam frases como "Tire o racismo do caminho que eu quero passar com a minha cor". O público do shopping apoiou a manifestação e, com o microfone aberto, outras pessoas também denunciaram casos de racismo.

A estudante de pedagogia Ayana Amorim, de 22 anos, fez uma publicação em seu Facebook logo após ter ido à delegacia:

Segundo ela, os seguranças do shopping teriam tentado expulsar dois adolescentes que a acompanhavam e que ela e seus amigos estavam sendo observados pelos seguranças desde que chegaram. "Foi então que eu perguntei: ’Por que isso está acontecendo?’ e o segurança disse: ’A presença de vocês está ameaçando a segurança do shopping’.". Houve ainda agressão por parte de um segurança do shopping que empurrou um dos meninos pelas costas contra a vidraça de uma loja do estabelecimento. A jovem foi à delegacia e fez um Boletim de Ocorrência por discriminação racial e agressão.

O Shopping Cidade negou o ocorrido.

Um vídeo publicado no Facebook de Ayana mostra o momento em que a confusão teve seu ápice e em que é possível ouvir que os jovens questionam o segurança.

“Preto não pode andar dentro de shopping não?”
“Você é negro, cara, que racismo é esse?”

Confira abaixo:

Em entrevista ao site Bhaz, a universitária disse: “O Brasil é o país da segregação. A presença dos negros, a forma como nos vestimos, está ligada a um estereótipo marginalizado. Favelado é sempre ladrão e isso precisa mudar. Se alguém passa por uma situação semelhante, o importante é não ficar calado”.

FOTO: Alexandre Guzanshe/EM




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Racismo   /    Negr@s

Comentários

Comentar