Internacional

CORONAVÍRUS

A competição capitalista está sabotando a corrida por uma vacina

A corrida global por uma vacina Covid-19 parece estar em sua etapa final. A pesquisa foi financiada publicamente. Mas a Big Pharma tem lucros enormes, às custas das pessoas em todo o mundo.

sexta-feira 27 de novembro de 2020| Edição do dia

Enquanto a Covid-19 continua a se espalhar pelo mundo, mais de 200 vacinas estão sendo desenvolvidas em todo o mundo contra o vírus. Doze estão na fase 3, onde são testados em humanos, e seis já estão aprovados para uso inicial ou limitado.

Milhões de pessoas estão acompanhando o desenvolvimento dessas vacinas com a esperança de que acabem com a pandemia que matou tantas pessoas e interrompeu a vida de todos. Os governos capitalistas estão desesperados para desenvolver uma vacina porque quanto mais cedo uma vacina estiver pronta, mais cedo poderá retornar a exploração básica sob o capitalismo.

A abordagem “America First” estava e ainda está tentando garantir acesso prioritário para os Estados Unidos, enquanto outras nações disputam entre si a vacina e o equipamento necessário para armazená-la, em vez de desenvolver uma solução global por meio da cooperação. Não se trata apenas da falta de coordenação, mas também das sanções dos EUA contra países como o Irã, que continuaram justamente quando esses países eram mais duramente atingidos pela pandemia. Isso nos mostra que salvar vidas não é o motivador de todos esses esforços.

Na Terceira Etapa

Outras nações avançaram para esta corrida. A farmacêutica chinesa CanSino Biologics tem uma vacina candidata que está na fase 3, mas já tem uso limitado entre os militares chineses e está em fase final de testes no México, Arábia Saudita, Paquistão e Rússia. O mesmo é verdade para a vacina da Sinovac Biotech, que está sendo usada com trabalhadores de alto risco na China e está passando por testes de fase 3 na Indonésia, Turquia e Brasil, onde foi retomada após um caso polêmico. A estatal chinesa Sinopharm tem usado duas vacinas diferentes de vírus inativados em uma quantidade limitada nos Emirados Árabes Unidos e está fazendo testes em outros países.

O Sputnik V do Instituto de Pesquisa Gamaleya, estatal russa, que demonstrou eficácia de 92%, é outra vacina que já está sendo usada. O anúncio foi feito dois dias depois que a empresa farmacêutica norte-americana Pfizer e a farmacêutica alemã BioNTech divulgaram seus resultados da fase 3, mostrando 90 por cento de eficácia, atualizados para 95% em 18 de novembro.

Mais recentemente, a empresa farmacêutica norte-americana Moderna mostrou dados preliminares de que sua vacina pode ser 94,5% eficaz. A vacina da empresa tem uma vantagem significativa sobre a Pfizer, que requer armazenamento a -70 graus Celsius e, portanto, tem barreiras significativas para distribuição. A Moderna afirma que sua vacina pode ser armazenada a uma temperatura mais administrável de -20 graus Celsius e explicou que uma vez que as doses descongeladas podem durar mais na geladeira do que o estimado inicialmente: até 30 dias, o que facilitaria a logística de distribuição. Essas duas vacinas podem estar perto de receber autorização de uso de emergência (EUA) da Food and Drug Administration. A Pfizer já apresentou seu projeto aos EUA.

As vacinas mencionadas até agora são aquelas que alcançaram estágios posteriores de desenvolvimento. Outras grandes empresas farmacêuticas na Fase 2 ou Fase 3 são: Johnson & Johnson, AstraZeneca, Novavax, Medicago do Canadá e Bharat Biotech da Índia. A AstraZeneca anunciou recentemente que está obtendo resultados em torno de 90 por cento de eficácia e disse que sua vacina não precisará ser armazenada em temperaturas abaixo de zero.

Enquanto empresas em todo o mundo lutam para desenvolver uma vacina, seria de se pensar que essas empresas e governos seriam capazes de se unir para conter a propagação de um vírus que ameaça a todos nós. Em vez disso, o que vemos são todos esses esforços sociais, investimentos e experimentos feitos de maneira descoordenada e sem colaboração. Para essas grandes empresas, o que importa antes de tudo é o valor de suas ações. Portanto, é importante que eles mostrem que são os “primeiros” a ter uma vacina - antes mesmo de ter resultados robustos. A divulgação prematura de dados “positivos” também significa que muitos governos correrão para comprar uma vacina sem garantias de sua segurança ou eficácia.

A corrida entre as empresas farmacêuticas privadas por porções maiores do mercado também aumenta a desconfiança fundamentada entre o público em geral e os profissionais de saúde em relação às vacinas que estão sendo apressadas por causa da concorrência. Os profissionais de saúde são considerados de alto risco e estarão entre os primeiros a receber as novas vacinas sob aprovações de emergência, mas muitos médicos e enfermeiras querem mais dados antes de serem expostos. Os capitalistas estão relutantes em entrar em novos bloqueios e menos propensos ainda a fornecer medidas de segurança que irão reduzir o número de casos. Em vez de renunciar aos lucros, eles preferem expor centenas de milhões a vacinas que não foram totalmente testadas.

De Financiamento Público a Milionários Privados

Essa corrida não se trata apenas de lucros corporativos, mas também dos benefícios geopolíticos de ser o primeiro país a criar uma vacina. Não é surpresa que os mesmos países que dominam o mundo geopoliticamente - Estados Unidos, Alemanha, Rússia, Reino Unido e China - sejam os principais países na atual corrida por vacinas. Nesses países, como na maioria dos outros, a pesquisa científica recebe financiamento do Estado, mas os lucros resultantes acabam em mãos privadas. Por exemplo, a Lei Bayh-Dole permite que as universidades dos EUA vendam patentes de descobertas financiadas por impostos.

Um olhar mais atento para os Estados Unidos revela a grande quantidade de recursos que os governos estão investindo nessa corrida das vacinas. A Operação Warp Speed ​​(OWS), uma iniciativa da administração Trump, já chegou a um acordo com a Moderna e, em 11 de agosto, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) “anunciou até US $ 1,5 bilhão em fundos para apoiar a fabricação em grande escala da vacina experimental da Moderna" em troca de 100 milhões de doses. Isso veio além do apoio anterior no montante de $ 483 milhões e $ 472 milhões.

Entre os principais investimentos da OWS, havia “aproximadamente $ 1 bilhão em fundos para apoiar a fabricação e entrega em grande escala da Johnson & Johnson (Janssen)” - adicionado em 5 de agosto aos $ 456 milhões anteriores. Em 21 de maio, o HHS anunciou “até US $ 1,2 bilhão em apoio à vacina candidata da AstraZeneca, desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford”. Em 7 de julho, a HHS anunciou US $ 1,6 bilhão em fundos para apoiar a Novavax. E em 31 de julho, US $ 2 bilhões foram anunciados para a vacina experimental da Sanofi e GlaxoSmithKline (GSK). Este orçamento de US $ 10 bilhões somente para o OWS foi aprovado pelo Congresso.

A Pfizer não recebeu fundos do OWS. O governo chegou a um acordo para comprar 100 milhões de doses da vacina da Pfizer caso ela ganhe a aprovação, o que seria suficiente para garantir as duas doses necessárias para 50 milhões de pessoas. O acordo também incluiu a opção de compra de 500 milhões de doses adicionais. Na atualização de 13 de novembro do presidente Trump sobre o OWS, ele expressou frustração com as declarações da empresa de que não fazia parte do OWS. “A Pfizer disse que não fazia parte do Warp Speed, mas acabou sendo uma infeliz representação incorreta. Eles fazem parte. É por isso que demos a eles US $ 1,95 bilhões. E foi um erro lamentável que eles cometeram quando disseram isso.” É claro que o presidente Trump, como outros líderes mundiais, tem sede de reconhecimento de que seu governo fez parte do desenvolvimento de vacinas.

Sem vacina global

A pandemia da Covid-19, que já causou pelo menos 1,33 milhão de mortes em todo o mundo, significa lucros enormes para as grandes empresas farmacêuticas. Essas empresas arrecadaram recursos públicos e aumentaram o preço de suas ações, e agora vão somar mais por meio de acordos com países que terão de pagar milhões de dólares pelo acesso à vacina.

Como grupos como o Global Justice Now, de Londres, já apontaram, a maioria das doses de vacinas que podem estar disponíveis em um futuro próximo já foram reivindicadas por países ricos. Por exemplo, 780 milhões de doses - ou 78% das doses que a Moderna afirma que pode produzir no próximo ano - já foram vendidas aos governos mais ricos do mundo. A corrida da vacina ampliou a dinâmica do imperialismo que já existe em escala global, deixando a maior parte do mundo lutando pelo que resta.

O desafio não será apenas comprar vacinas, mas também lidar com os caros requisitos de distribuição, incluindo acesso a freezers e gelo seco. O Dr. Germán Málaga, que está trabalhando na resposta do Peru à pandemia, disse à CNN que existem cerca de 30 freezers ultracongelados em Lima para lidar com a vacina Pfizer, mas que “para os outros 20 milhões de peruanos, incluindo nos Andes e na floresta tropical, não há nenhuma.” A Índia e a África do Sul enviaram um pedido à OMS para “garantir uma isenção de certas disposições do acordo TRIPS (Aspectos Relacionados ao Comércio dos Direitos de Propriedade Intelectual) para a prevenção, contenção e tratamento da Covid-19.” Ou seja, a fabricação de vacinas será retida por patentes.

Governos correndo para comprar vacinas, ou "cobrando" as futuras doses, mostra o desespero dos capitalistas para fazer as pessoas voltarem ao trabalho. Muitos países foram incapazes de controlar a disseminação viral porque a dinâmica do capitalismo não permitiu - na verdade, não pode - uma desaceleração ou fechamento adequado, e ao mesmo tempo apoiar a grande massa de trabalhadores. Em vez disso, os líderes estão cada vez mais desesperados por uma vacina para fazer as pessoas voltarem ao trabalho. Isso significa que eles começarão a comprar vacinas e aplicá-las às populações antes mesmo de saberem realmente se funcionarão ou se são seguras.

Países como a Coreia do Sul, que controlaram a disseminação do vírus de forma mais eficaz, decidiram não se precipitar no mercado de vacinas. De acordo com o Wall Street Journal, “as autoridades de saúde estão preocupadas que as vacinas aceleradas possam não ser eficazes ou possam ter efeitos colaterais de longo prazo”.

Contra a Big Pharma

Os capitalistas estão promovendo o desenvolvimento de vacinas como um exemplo dos méritos da inovação. Na realidade, porém, a corrida global da vacina expôs a falsidade de algumas das crenças mais fortes da elite capitalista. Isso inclui a ideia de que o capitalismo “levanta todos os barcos” e “estimula a inovação”. Como vimos, mais do que coordenar e divulgar os resultados das pesquisas científicas, cada empresa multinacional está trabalhando por conta própria, em total sigilo. As empresas estão desperdiçando recursos em pesquisas duplicadas e demorando muito mais para encontrar uma vacina. Imagine se todas as grandes mentes científicas do mundo colaborassem para desenvolver a melhor vacina possível no menor tempo possível. Não é exagero dizer que provavelmente já teríamos uma vacina para salvar vidas.

Grande parte da pesquisa preliminar para novas biotecnologias é financiada por impostos e depois entregue a empresas privadas. Essas empresas, então, cobram do público de forma exorbitante, limitando a disponibilidade e o acesso para garantir os maiores lucros. Os medicamentos devem ser feitos para o bem público e não patenteados por empresas privadas. Como o grupo de vigilância do consumidor Public Citizen observou:

A Moderna está levando os contribuintes para um passeio - e o governo Trump não está fazendo nada a respeito. Os contribuintes estão pagando por 100% do desenvolvimento da vacina Covid-19 da Modern. Tudo isso. No entanto, os contribuintes podem acabar pagando dezenas de bilhões a mais à Moderna para comprar nossa vacina de volta, se ela se provar segura e eficaz. A chamada vacina Moderna pertence em grande parte ao povo dos EUA. Nós pagamos por ela. Cientistas federais abriram o caminho. Deve ser a vacina do povo, não um novo fardo para o contribuinte.

Todos os medicamentos, vacinas e terapias benéficas devem pertencer ao povo. Esta não é uma ideia original ou revolucionária. Depois de desenvolver a vacina contra a poliomielite em 1955, Jonas Salk foi questionado pelo jornalista da CBS Edward R. Morrow quem detinha a patente. Salk disse: “Bem, as pessoas, eu diria ... Não há patente. Você poderia patentear o sol? ”

Devemos ir além de uma cultura na qual a medicina e a ciência são usadas para extrair lucros do órgão público e em direção a uma cultura em que sirvam ao bem público. Não devemos esquecer como chegamos aqui: as farmacêuticas e o Estado investem mais em remédios do que na prevenção de doenças. Como sabemos, é sempre mais lucrativo vender a vacina. O capitalismo se recusa a mudar as causas profundas de doenças como a Covid-19.

Conforme afirma o Left Voice no programa publicado no mês passado, precisamos de um sistema de saúde que coloque as pessoas acima dos lucros:

Um sistema de saúde dominado por corporações produz o resultado inevitável: grandes lucros para produtos farmacêuticos e outras indústrias relacionadas à saúde, enquanto os trabalhadores de saúde enfrentam condições de trabalho inseguras e milhões de pessoas permanecem sem seguro. Outros chamados trabalhadores essenciais foram forçados a trabalhar sem o equipamento de proteção necessário. Reaberturas de escolas inseguras, impostas em nível estadual e federal para fazer os pais voltarem a trabalhar, colocaram professores, funcionários, alunos e comunidades em risco e estão contribuindo para o aumento do número de casos de Covid-19 em todo o país.

Ter uma vacina seria um grande passo em frente, mas não podemos confiar nessas empresas ou nos planos de distribuição atuais. Uma vacina de mRNA precisa ser refrigerada a cerca de -70 graus Celsius, o que exigiria freezers especiais para transporte e armazenamento. O capitalismo já se mostrou incapaz de produzir máscaras suficientes para os trabalhadores da saúde, então como podemos esperar que esse sistema seja capaz de produzir e distribuir freezers de alta tecnologia suficientes para armazenar a vacina - presumindo que ela seja segura e eficaz? A produção em massa desses freezers não teria o mesmo destino da produção de ventiladores durante a primeira onda da pandemia? A Covid-19 expôs as falhas racistas e de classe nas quais nosso sistema econômico se baseia. Como podemos confiar que aqueles que são mais vulneráveis ​​à Covid-19 terão acesso à vacina?

Precisamos eliminar a concorrência e unir esforços de pesquisa e desenvolvimento além-fronteiras. É imperativo produzir uma vacina genérica, segura e eficaz disponível para todos os países imediatamente e sem custo. Precisamos nacionalizar o sistema de saúde e todas as indústrias relacionadas a vacinas sob o controle dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Vacina   /    Coronavírus   /    Saúde   /    Internacional

Comentários

Comentar