Sociedade

CRIME AMBIENTAL DA VALE

Protesto contra o crime da Vale tem 4 militantes do MST presos por ‘crime ambiental’

sexta-feira 27 de novembro de 2015| Edição do dia

Na quarta feira passada, 25 de novembro, um grupo de militantes do MST realizou uma intervenção nos corredores do Congresso em Brasilia em protesto contra os crimes ambientais da Vale e da Samarco em Mariana (MG).

Utilizando-se simbolicamente de lama, escreveram nas paredes do congresso nacional denunciando os crimes da Vale, em solidariedade às vitimas de Mariana e contra o novo código de mineração. Logo após isto, a polícia legislativa reprimiu fortemente prendendo quatro dos militantes do MST.

Os militantes da juventude do MST enfrentam possivel pena de até 4 anos de prisão após serem acusados de crime ambiental por ter manchado as paredes do congresso de água com argila. Enquanto um modesto protesto de jovens do MST que “suja” as paredes do Congresso com lama que acaba na prisão de 4 jovens, o imenso crime ambiental da Vale e da Samarco, maior tragédia ambiental da história do Brasil, com perdas irrecuperáveis e que já atingiu o oceano Atlântico e importantes reservas como a de Comboios no Espirito Santo único lugar de desova das tartarugas gigantes no Brasil, continua impune e com a cumplicidade do governo e da direita e a catástrofe pode atingir proporções ainda maiores.




Tópicos relacionados

Sociedade   /    Brasília

Comentários

Comentar