Internacional

EUA

Nunca foi sobre Ele: Sanders no DNC

Sanders completou a sua rendição na segunda-feira antes de os delegados reunidos na Convenção Democrata. A elite vangloria DNC em sua vitória. O Que vai acontecer agora na sua revolução política?

sexta-feira 29 de julho de 2016| Edição do dia

O tom da convenção foi estabelecido pela libertação de milhares de e-mails DNC confirmando distorções sistemáticas contra a candidatura de Sanders. DNC presidente Debbie Wasserman Schultz afirmou em um e-mail vazado que "ele não vai ser presidente."

Sobre o preconceito contra Bernie, os e-mails revelam muitos dos DNC’s que são próprios dos preconceitos racistas contra os latinos. De acordo com os e-mails, é um "fato conhecido" que os latinos são os mais "brand loyals" clientes em todo o mundo.

O grande desafio do Partido Democrata é que "sem uma estratégia de marca global e um plano, o DNC vai perder a oportunidade de adquirir o consumidor latino-americano."

Apesar da condescendência racista, é surpreendentemente honesta da liderança do partido para confirmar que eles se veem como mais uma marca como a Coca-Cola ou Pepsi. Esta semana, no entanto, a sua "estratégia de marca" entre os eleitores de Sanders está em grave perigo.

Longe de fazer um esforço para chegar aos defensores Bernie descontentes, a estratégia da campanha DNC e Hillary foi para esfregar a derrota em seus rostos. A seleção de um neoliberal de direita como Tim Kaine como seu companheiro de chapa já deu o tom. Que Wasserman Schultz, mais ou menos universalmente odiado pelos partidários de Bernie, foi nomeado como presidente honorário da campanha de Hillary está esfregando sal nas feridas, mesmo quando não há nada para Clinton ganhar politicamente.

Já é Ótimo?

Voar em face das lutas da maioria da classe trabalhadora norte-americanos, a convenção foi organizada, em contraste com o slogan de Trump - em torno de um tema da América já ser grande.

CEO tecnologia Jesse Lipson (só podemos saber quanto ele doou para obter abertura de seu alto-falante) perguntou à multidão: "Onde está este país a perda [Trump] continua falando?" Sim Jesse, é certamente um grande país para os CEOs de tecnologia. Para o resto de nós, não tanto.

Lipson passou a declarar: "Hillary Clinton sabe o que todo grande CEO sabe, nós somos mais fortes juntos". O que quer dizer, o CEO é mais forte quando os trabalhadores calam a boca e seguem as ordens.

A comediante Sarah Silverman tirou a própria chance de dizer a defensores de Bernie para calar a boca e seguir as ordens, chamando Bernie ou apoiadores de peito de "ridículo".

Esse desprezo arrogante vai ser um tema da convenção, e um entregue por ambos os antigos e novos inimigos. Foi anunciado que o New York bilionário Michael Bloomberg estará falando na convenção em apoio a Hillary. Se delegados Sanders não podia tolerar Bernie endossando Clinton, só podemos imaginar que a cena será como eles se sentirão com um bilionário elogiando.

Acordo ou rendição?

Por todo o amor que as principais figuras do Partido Democrata professam para "compromisso", eles estavam dispostos a mostrar muito pouco dele no primeiro dia da convenção. Compromisso é algo que o DNC economiza para os republicanos como Trump e Ted Cruz. Para a ala esquerda do partido, apenas a rendição incondicional será tolerado.

E a rendição incondicional foi o que Bernie veio a entregar.

Sanders foi recebido por aplausos e lágrimas entre a multidão. Ele começou abordando seus aliados, afirmando: "Eu entendo que muitos estão desapontados ... nenhum é mais decepcionado do que eu", mas: "Essa revolução, a revolução continua". No entanto, a idéia de que a revolução continuará até Hillary não é uma venda fácil.

Sanders defendeu o registro dos anos de Obama, acusando Bush para a falta de progresso. Ele declarou que a luta iria continuar: "Esta eleição não é sobre e nunca foi sobre Hillary Clinton ou Donald Trump ou qualquer um dos outros candidatos ... esta eleição é sobre e deve ser sobre as necessidades do povo americano e do tipo de futuro que criamos para nossos filhos e netos ".
Sanders denunciou o bilionário Koch irmãos, mas não o bilionário Bloomberg que irão abordar a convenção.

Acima de tudo, ele declarou repetidas vezes, dizendo seu nome 15 vezes, de que Hillary Clinton deve ser o presidente e que seus aliados devem unir-se para lutar por sua vitória. Pintou a plataforma democrata como aquele em que os ganhos foram feitos e como aquele para o qual Hillary iria lutar. Ele, assim como Elizabeth Warren, pintado Clinton, tanto para a esquerda de onde ela realmente é, o transplante de suas próprias ideias e as ideias de seus aliados em um candidato que tem demonstrado um compromisso férreo com a ortodoxia neoliberal.
A reação chorosa ao discurso entre os adeptos Sanders era menos sobre qualquer uma das palavras que ele disse, e muito mais sobre o próprio ato rendição de um líder acarinhados. Aqui, encontra-se a Campanha Sanders e o sonho da revolução política. O seu epitáfio: "Hillary Clinton deve se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos"

Os Sandernistas

No entanto, seus partidários, tanto quanto eles foram devastados pelo momento, não foram intimidados. Sanders também não têm a capacidade ou poder para reinar totalmente em seu movimento. No começo do dia seus próprios delegados vaiaram quando ele exortou-os a apoiar Hillary. Alguns defensores e Bernie na convenção usavam fita adesiva sobre a boca com as palavras ", silenciados pelo DNC." alto-falantes Pro-Clinton foram vaiados, apesar de seus protestos foram um pouco abafados por um coro de cânticos Hillary.

Fora da convenção, os manifestantes participaram de "desobediência civil". Mais de 50 foram detidos e citados pela polícia. Enquanto o Partido Democrata justamente zomba proposta de Donald Trump para construir um muro, eles não tinham problema erigir seu próprio oito pés, cerca de quatro milhas ao redor do Wells Fargo Center, onde a convenção está sendo realizada.

No entanto, os protestos continuaram. Na frente de uma entrevista ao vivo MSNBC com um representante DNC discutir a renúncia do DNC Cadeira Debbie Schultz, apoiantes Sanders gritavam "trancá-la!"

A Geração socialista?

Temos notado que Sanders não é socialista e sua candidatura representava nenhuma alternativa para as pessoas que trabalham. Ainda assim, é importante considerar que, devido à natureza extremamente limitado de eleições nos EUA, a campanha Sanders foi a primeira vez que as pessoas tiveram a oportunidade de votar em uma plataforma relativamente mais progressiva (cuidados de saúde universal, uma duplicação do mínimo federal salário, o ensino superior gratuito) em escala nacional dentro das primárias democratas em décadas.
No entanto, com as vaias que recebeu antes de seus delegados testemunhar, e, como ele admite, o movimento por trás Sanders nunca foi sobre ele. Os ricos veios de descontentamento que têm sido escondidos sob a superfície da política americana agora estão expostos para o mundo ver.*
Toda uma geração que cresceu à sombra da crise econômica de 2008, muitos dos quais passaram por movimentos estudantis em 2009, o movimento em 2011 ou preto Vidas Matéria ocupa desde 2013, teve sua primeira oportunidade de votar sobre as questões que diretamente afetá-los em suas vidas. Constrangidos por um vencedor com base de distrito e estadual - leva - todos - sistema, é apenas nas eleições presidenciais que as campanhas nacionais em torno de as divergências políticas dentro do Partido Democrata pode surgir.
Sanders se tornou um fenômeno porque ele expressou o descontentamento e revolta que muitos norte-americanos e, especialmente, os jovens têm sentido desde 2008. Ele desafiou uma classe política que foi desacreditada nos olhos deles como mais um executor do consenso neoliberal. Onde, em 2008, Obama foi capaz de reunir vagas promessas de esperança e mudança para renovar imagem dos democratas, o apelo de Clinton se encontra inteiramente no medo do outro candidato.
Para esta nova geração pós-crise, a campanha de Sanders representa a primeira grande experiência de trabalho no Partido Democrata e da política eleitorais nacionais. As lições desta experiência ter sido rico: o papel dos meios de comunicação e especialistas em afogamento notícias de Sanders; a corrupção e favoritismo do aparelho do Partido Democrático; o poder do dinheiro na política; o compromisso fundamentalmente capitalista de um dos dois ramos de governo "democrático" na U.S .; a mentira de um direitista América para que a esquerda deve se mover para o centro para ganhar.
Em última análise, uma das maiores lições é a traição comovente de segunda-feira dos milhões que se mobilizaram em nome de Sanders. A traição fácil de prever, mas não menos difícil de ser sentida por eles.

No entanto, como as vaias que recebeu antes de seus delegados testemunhar, e, como ele admite, o movimento por trás Sanders nunca foi sobre ele. Os ricos veios de descontentamento que têm sido escondidos sob a superfície da política americana agora estão expostos para o mundo ver.
Milhões de jovens, os trabalhadores, os oprimidos sabem que estes candidatos não os representam, que este estado não os defendem, que essas elites não poderiam se importar menos para os seus futuros ou as suas ideias. Os jovens que estavam emocionados por eleição Obama’s ver nada a esperar no triunfo de Hillary.

Esses milhões não vão todos parar de lutar por seus futuros. É claro que o caminho para o socialismo não passa através do DNC. No entanto, com um caminho fechado, muitos mais foram revelados. Esses caminhos também serão marcados por pequenos triunfos, traições comoventes e becos sem saída. No entanto, como aulas são desenhadas, as organizações são forjadas e as próprias contradições do sistema nos levar adiante, os sonhos das massas não podem ser traídos por muito tempo.

Traduzido por: Gabrielle Vertelly




Tópicos relacionados

Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar