Sociedade

CENSURA À ARTE

Cartunista israelense é demitido por retratar primeiro ministro como porco

Inspirada no clássico A Revolução dos Bichos de George Orwell a ilustração publicada pela revista 'The Jerusalem Report' critica lei que define Israel como o Estado do povo judeu.

sexta-feira 27 de julho| Edição do dia

O jornal "The Jerusalem Post", dono da revista, publicou um comunicado ontem informando que não contrataria mais as ilustrações do freelancer Avi Katz pois alguns de seus desenhos provocaram "reações raivosas".

O artista dessa vez retratou Netanyahu e legisladores do partido conservador Likud, do premiê, com cabeças de porcos, junto a uma citação da obra de Orwell: "Todos os animais são iguais, mas alguns animais são mais iguais que outros."

A ilustração é uma crítica direta a lei aprovada na última quinta-feira pelo Parlamento israelense, que define Israel como "a terra natal histórica do povo judeu", ao qual é atribuído o direito exclusivo à autodeterminação.

Os legisladores árabes criticaram e definiram a lei como racista, ressaltando que a mesma legaliza o "apartheid" no país e promove ainda mais campo para as práticas discriminatórias que já ocorrem.

A resposta de Netanyahu em nada surpreende. Ele afirma que todos os direitos civis serão protegidos, e faz questão de ressaltar que "a maioria também tem direitos, e a maioria decide". Corroborando com esse pensamento , o Jerusalem Post disse que “um cartum mostrando líderes israelenses com cabeças de porcos causa danos e incitação, e não tem espaço em nenhuma de nossas publicações".

Em contrapartida, o Sindicato dos Jornalistas de Israel afirmou em seu posicionamento sobre o caso que "Prejudicar um jornalista por expressar uma opinião, ainda mais com o aval de seus editores, é um passo perigoso que não deve ser aceito".




Tópicos relacionados

Censura   /    Estado de Israel   /    Arte   /    Israel   /    Sociedade

Comentários

Comentar