www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 14 de Octubre de 2019
05:28 hs.

Twitter Faceboock
TRAGÉDIA DE MARIANA
Lama da mineradora Samarco chega ao mar destruindo natureza local
Esquerda Diário

A onda de lama da mineradora Samarco chegou com tudo ao oceano no domingo, 22, formando uma enorme mancha marrom que se projetava quilômetros mar adentro desde a foz do Rio Doce, em Linhares, no norte do Espírito Santo.

Ver online

A Justiça do Espírito Santo determinou que a Samarco abrisse a foz do Rio Doce no distrito de Regência, em Linhares, no Espírito Santo, para que a lama da barragem da empresa que se rompeu em Mariana (MG) se dissipe no mar. A decisão foi tomada pelo juiz Thiago Albani, da 3ª Vara Cível de Linhares.

A Samarco começou a cumprir a determinação, sob pena de multa de R$ 20 milhões, além de R$ 1 milhão por dia em caso de abandono das obras. A decisão contraria determinação da Justiça Federal no Estado que, na quinta-feira, exigiu medidas da Samarco para que a lama não alcançasse o oceano, sob pena de multa diária de R$ 10 milhões. As boias de contenção instaladas na região tiveram de ser retiradas.

A decisão foi tomada pela Justiça depois de ouvir ambientalistas, técnicos de Linhares. Também houve posicionamento favorável da Procuradoria do Estado e do Ministério Público Estadual (MPE). Na visão dos especialistas, a chegada da lama no mar é menos prejudicial do que a permanência do material no Rio Doce.

"Não vamos permitir que coloquem os linharenses e a população dos demais municípios em risco. Bloquear a chegada da lama no mar é uma loucura, é desumano. É querer estacionar a morte na frente da nossa cidade. Vamos até as últimas consequências para evitar tamanha insanidade", afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente de Linhares, Rodrigo Paneto.

Segundo o Instituto Estadual do Meio Ambiente (Iema) do Espírito Santo, a retenção da lama no Rio Doce poderia comprometer berçários de espécies de água doce e salgada. O represamento poderia ainda causar inundações nas regiões de Vila do Riacho, Barra do Riacho e na reserva indígena de Comboios. Existiria ainda a chance de decantação da lama nas lagoas de Mosarás, Degredo e Suruaca, com risco de extinção da fauna da região e comprometimento do estoque de água potável.

Morte da vida marinha

A tragédia já estava anunciada quando rompeu-se a barreira de Samarco, dia 5, atingindo área de preservação e colocando em risco de extinção diversas espécies de animais marinhos. A área afetada faz parte da Reserva Biológica de Comboios, uma área de proteção costeira usada para desova de tartarugas-marinhas, incluindo a tartaruga-de-couro, uma espécie criticamente ameaçada de extinção. Uma pluma inicial de água barrenta já havia atingido a costa no fim da tarde de sábado, mas o que se formou ontem foi uma mancha muito mais escura e densa, com aparência de leite achocolatado.

A onda de lama percorreu 650 km de rio desde o rompimento da barragem de Mariana (MG), no dia 5. O desastre deixou 8 mortos identificados e 11 pessoas desaparecidas - há ainda quatro mortos não identificados - e chegou à costa capixaba no pico da época de desova das tartarugas. Equipes do Tamar vinham retirando diariamente da praia de Regência (distrito de Linhares-ES) os ovos colocados pelas tartarugas, numa média de 40 ninhos por noite. O local continuará a ser monitorado, para ver como as tartarugas reagem à presença da lama.

A previsão do Ministério do Meio Ambiente era de que a lama se espalharia por 9 quilômetros da costa do Espírito Santo. Mas os técnicos que estão acompanhando a chegada da mancha em Regência acreditam que a área afetada poderá será muito maior. Dezenas de quilômetros rio acima, passando por Linhares e até depois de Colatina, as águas do Rio Doce continuavam marrons no domingo, mostrando que há muita lama para chegar ao mar. Pesquisadores alertam que os sedimentos, independentemente de serem tóxicos, vão afetar profundamente os ecossistemas fluviais, terrestres e oceânicos da Bacia do Rio Doce.

No domingo, pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) já recolhiam peixes mortos na desembocadura do rio. Analisando os animais manualmente era possível ver claramente que suas guelras estavam impregnadas de lama. Mesmo com os níveis de oxigênio da água dentro do normal, esse "entupimento" das brânquias impede os peixes de respirar e eles morrem asfixiados.

A mortandade de peixes, porém, é apenas "uma pontinha do iceberg", segundo o biólogo Paulo Ceccarelli, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Peixes Continentais (Cepta), do ICMBio. O problema maior, e de mais longo prazo, é a extinção do plâncton e de outros pequenos organismos que formam a base da cadeia alimentar, que terá um efeito cascata sobre todo o ecossistema, impactando desde os herbívoros aquáticos até o carnívoros terrestres.

Para piorar a situação, é época de desova no Rio Doce, o que significa que, para cada peixe ovado que morrer, outras dezenas ou até centenas de peixinhos deixarão de nascer. E mesmo que nasçam, diz Ceccarelli, não haverá plâncton, algas ou pequenos crustáceos na água para eles se alimentarem. Sem peixes, faltará alimento para outros animais, como garças e lontras, e assim por diante. "Cada vida que é extinta do ecossistema leva muitas outras junto", sentencia o pesquisador. Para o biólogo Dante Pavan, "Isso aqui vai virar uma camada fóssil".

Isso é o que a ganância pelo lucro dos governos e patrões tem a oferecer pro nosso mundo: lama e muita tristeza! Se fossem o trabalhadores e a população de Mariana no comando da Samarco, esse absurdo ambiental jamais teria acontecido, pois são os únicos que possuem o interesse em preservar sua cidade, o Rio Doce, sua natureza e sua subsistência, não os governos capitalistas. A reestatização da Vale com controle da população e dos trabalhadores, com o confisco de bens da empresa, é a resposta que tem que ser dada para, pelo menos, minimizar a situação de calamidade na bacia do Rio Doce.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui