www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 23 de Agosto de 2019
20:28 hs.

Twitter Faceboock
BNDES
Bolsonaro faz ‘fritura pública’ e liberal Joaquim Levy se demite da presidência do BNDES
Rafael Campos

Após "fritura pública" feita por Bolsonaro, descontente com indicações ligadas à antigos governos do PT, e lentidão na venda de ativos, Joaquim Levy, ’Chicago Boy’ indicado por Paulo Guedes, se demite da presidência do BNDES.

Ver online

Neste fim de semana Bolsonaro adicionou novo fator em sua conta, iniciando a semana com novas instabilidades no governo. Com Moro indo à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) depor sobre as trocas de mensagens com Deltan Dallagnol, vazadas pelo The Intercept, e as disputas pelo texto da Reforma da Previdência, Bolsonaro saiu a público no fim de semana com duras críticas ao liberal Joaquim Levy, que ocupava a presidência do BNDES, indicado por Paulo Guedes.

Veja também: #VazaJato: provas dão corpo à manipulação judicial e midiática, que segue em curso

“Já estou por aqui com Levy”, declarou Bolsonaro no Palácio do Planalto, sem nem ser perguntado sobre relação com BNDES. As inquietações de Bolsonaro tinham haver com alguns fatores: a venda de ativos no BNDES, plano dele e de Guedes, assim como a abertura da “caixa-preta” do banco, parte do discurso demagógico contra a ‘velha-política’ do presidente. Bolsonaro já não era muito amistoso com o presidente do BNDES, que foi parte de praticamente todos os governos desde 88 no Brasil, inclusive nos governos do PT. A gota d’água foi a nomeação de Marcos Barbosa Pinto, executivo que fez parte do governo Lula, para a diretoria de Mercado de Capitais do BNDES.

Joaquim Levy, liberal ‘Chicago Boy’, adorado por Paulo Guedes , foi parte da equipe de Palocci durante o governo Lula, ocupando a secretaria do Tesouro Nacional. Foi também escolhido por Dilma, após a eleição de 2014, como Ministro da Economia, sinal desesperado dado pelo PT aos mercados.

Pode interessar: Maia e Guedes em atrito sobre previdência e administração da “usina de crises”

Em poucos dias, Levy foi a segunda ‘fritura’ pública de Bolsonaro, que mudou tom de seu discurso, e já havia demitido na quinta-feira (13) Santos Cruz da pasta da Secretaria de Governo, após atritos com seus filhos e com Olavo de Carvalho.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui