www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 18 de Septiembre de 2019
15:25 hs.

Twitter Faceboock
IDEIAS DE ESQUERDA
China x EUA: a disputa comercial e o que realmente está em jogo
Paula Bach
Buenos Aires

Por meio de apontamentos sobre algumas leituras e tendo algumas reflexões, deixo minhas impressões sobre a escalada comercial e seu conteúdo de fundo. O que os movimentos do mercado de ações indicam, as especulações sobre o giro de Trump e algo do que pode se seguir.

Ver online

A escalada comercial entre os EUA e a China de um lado e as negociações que, mesmo enfraquecidas continuam, de outro, percorrem caminhos paralelos desde que há duas semanas as negociações, onde pareciam destinadas em direção a um acordo, começaram a colapsar. O que se segue é uma história bem conhecida: Trump acabou colocando em vigor o aumento que eleva de 10 a 25% as tarifas sobre os 200 bilhões de dólares de produtos chineses importados pelos Estados Unidos. É uma medida com a qual ele já havia ameaçado, mas que tinha deixado em suspenso após seu encontro com Xi Jinping na Argentina no contexto da última Cúpula do G-20 em novembro de 2018. Trump agora ameaça impor o restante 300 bilhões de dólares de importações de origem chinesa com o que, se cumpridas, acabariam tarifando o total de compras originadas no gigante asiático. Por sua vez, a China respondeu anunciando que aumentará as taxações vigentes de 10% para 20 ou 25% sobre produtos importados dos Estados Unidos no valor de 60 bilhões de dólares, que cobrem uma ampla gama, de alimentos a jóias. Vale a pena notar que, no campo das tarifas comerciais, a China tem um poder de fogo significativamente menor porque suas importações dos Estados Unidos são muito menores do que suas exportações.

Um dos efeitos imediatos da nova escalada foi a queda no preço da soja - com um grande impacto na Argentina, aliás - que perfurou a barreira dos US$300 em Chicago. Um elemento que, junto a outros aspectos, comoveu fazendeiros do centro-oeste dos Estados Unidos - base eleitoral de Donald Trump - para o qual o presidente prometeu 13 bilhões de dólares em subsídios - uma medida que acrescentaria combustível ao fogo de um déficit que cresce de uma forma quase descontrolada.

O que "pensam" as bolsas?

As movimentações das ações, particularmente as de Wall Street, tendem a indicar o quanto os "mercados de ações" - um eufemismo que encobre ao poder econômico mais concentrado - acreditam o que é concreto na escalada comercial e o que são manobras destinadas a melhorar a negociação. Como a negociação fracassou, a reação dos "mercados" foi, a princípio, moderada, demonstra uma maior confiança de que as negociações finalmente seriam alcançadas.

Mas na segunda-feira, a perspectiva mudou e se vários índices como o Hang Seng da Bolsa de Hong Kong, o Xangai da China continental ou a Shenzhen - mais focados em ações de tecnologia - caíram sem maiores novidades em relação aos dias anteriores, o mais importante aconteceu em Wall Street. Com uma queda de 2,4%, o índice S&P 500 apresentou o pior declínio desde o início de janeiro. Por sua vez, o índice composto Nasdaq - que agrupa ações de alta tecnologia - caiu 3,4% no que representou seu pior declínio em 2019. Embora, por enquanto, segundo o The New York Times, as ações continuem apresentando lucros consideráveis,com o S&P 500 com um aumento de 12% em 2019, a venda massiva também mostra que Wall Street está considerando a possibilidade de que a disputa comercial continue.

Como refletido no mesmo artigo: "Durante meses, os investidores assumiram que a guerra comercial, o grande perigo para a economia mundial, terminaria em breve. Apenas algumas semanas atrás, o S&P 500 bateu um recorde. Essa ilusão foi quebrada, já que as preocupações com a desaceleração do crescimento e o aumento dos custos aumentaram." Inclusive, na segunda-feira, o índice de ações de empresas menores - que têm margens de lucro mais baixas e menos poder de barganha - caiu ainda mais que o S&P 500 frente à ameaça de que Trump estenda as tarifas para uma gama de produtos de consumo, incluindo telefones celulares, computadores e brinquedos que não foram afetados até agora. O diretor de estratégia de ações nos EUA da RCB Capital Markets aponta para o New York Times que "será mais difícil para os pequenos".

Assim, em princípio, os "mercados" começam a perceber um longo e complicado conflito e, provavelmente, com sérias consequências, em que o enfrentamento se impõe à negociação. Embora esta pareça ser a tendência mais provável, ainda não é definitiva. Por um lado, e de acordo com outra nota do The New York Times, tanto os Estados Unidos quanto a China deixaram uma margem para os negociadores de ambos os lados tentarem chegar a um acordo antes que as tarifas mais altas entrem em vigor. A China atrasará as taxas mais altas até 1º de junho, enquanto as tarifas de 25% da Trump afetarão os produtos embarcados pela China a partir de 10 de maio, deixando um intervalo de duas a quatro semanas a partir do momento em que a maior quantidade de produtos deixam a China por navio até chegarem a um porto americano. Por outro lado, Trump já anunciou um novo encontro com Xi em junho, no marco da próxima cúpula do G-20 em Osaka.

Por que o giro de Trump?

Aparentemente, duas razões fundamentais entraram em ação para precipitar a mudança abrupta trumpista de um acordo presumido para o confronto direto. O primeiro parece ter sido o choque entre uma previsão de crescimento para a economia dos EUA abaixo de 2% para o primeiro trimestre e os resultados que mostraram um aparentemente saudável 3,2%. Em um primeiro momento, a queda do mercado acionário em dezembro passado, a decisão do Federal Reserve de manter os aumentos programados nas taxas de juros para títulos de curto prazo, a tendência ao esgotamento do efeito de abatimentos fiscais e previsões de desaceleração da economia norte-americana e mundial, haviam intimidado Trump, que esteve em modo de "reeleição 2020" por um tempo.

Como os resultados econômicos são uma condição absolutamente necessária para seu eventual sucesso, esse conjunto de elementos teria levado a uma posição mais conservadora em relação à China, enquanto desenvolvia uma campanha de pressão sobre o presidente do Fed, Jerome Powell, "exigindo" -ainda que se supõe o Banco Central seja independente - uma queda nas taxas de juros.

Mas a decisão tanto de Powell que, com a aprovação do FMI, temendo uma desaceleração e cedendo um pouco à pressão Trump -diminuiu os aumentos da taxa em 2019, como o crescimento surpresa de 3,2% no primeiro trimestre, parece ter invertido a equação. Trump, aparentemente, está prevendo uma melhora temporária que, como indicado por Jack Rasmus em sua coluna Predicting the Global Economic Crisis, constitui um fenômeno temporário e um resultado quase contabilizado, com uma inversão da tendência da economia dos EUA, decorrente de suas práticas comerciais. Como explica o autor mencionado, se a princípio as empresas acumulam inventários de forma artificial para antecipar o aumento das tarifas, o procedimento permite que as importações diminuam em um segundo momento. Como consequência, as "exportações líquidas" aumentam - mesmo que um alfinete não tenha sido adicionado às vendas externas da América do Norte. As "exportações líquidas" contribuem tanto para o PIB que mesmo que a economia dos EUA possa até desacelerar em termos de produção e exportações, mas se as importações caírem mais rapidamente, parece que as exportações estão aumentando e, portanto, o PIB comercial também está fazendo isso.

A questão, no entanto, é que além desta contabilidade as variáveis fundamentais como investimento, produtividade ou consumo, permanecem fracas, o déficit comercial anual mostrou um valor máximo em 2018, o impulso inicial dos cortes de impostos está esgotado e as tendências à desaceleração da economia norte-americana permanecem sem mudanças qualitativas. A evolução do investimento privado fixo líquido não residencial no contexto do maior impulso dos cortes fiscais de 2018 constitui um dado fundamental para observar a tendência. De acordo com nossos próprios cálculos baseados em dados do BEA, essa variável apresentou um crescimento equivalente a 2,59% do PIB. Um valor ligeiramente inferior ao de 2017, ambos representando uma recuperação em relação ao crescimento quase nulo da mesma variável no ano quase recessivo de 2016. Os valores destes últimos dois anos estão, no entanto, abaixo dos outros valores observados no curso da década débil pós 2008, como os dos anos 2014 ou 2015.

Voltando ao giro de Trump, a mudança para uma linha ofensiva constitui uma propaganda "saudável" para sua base, que ele persistentemente engana com a ideia de "reindustrialização americana". Um discurso que se volta como protagonista antes de cada processo eleitoral - como foi no período anterior às eleições de meio mandato. De qualquer forma Trump brinca com fogo e como descrito com bastante força em outra nota do The New York Times, as políticas tarifárias estavam longe de acelerar o crescimento econômico e na medida em que Trump afirma estar em uma posição econômica mais forte, poderia estar minando sua posição e descartando a economia e os mercados financeiros para uma surpresa desagradável.

O comércio como moeda de troca

O segundo motivo que aparentemente impulsionou o giro político de Trump teria sido associado - em parte - às próprias condições da negociação. Na versão de Washington, a responsabilidade pelo fracasso das negociações recai sobre a China, que teria mudado os termos de um acordo previamente alcançado. É claro que quando as versões são múltiplas, a verdade é "incognoscível" - neste caso - e a interpretação dos fatos deve envolver uma multiplicidade de fatores.

Segundo o The New York Times, a China estava disposta tanto a avançar na proteção da propriedade intelectual das empresas norte-americanas quanto a abrir seus mercados para elas. Mas também parece que Trump queria que o acordo explicitasse que algumas dessas mudanças teriam sua contrapartida na legislação chinesa. Mas acontece que qualquer mudança legislativa ou mutação de política para a China poderia ser potencialmente humilhante internamente, como prova de ter cedido terreno sob pressão.

O já mencionado Jack Rasmus se pergunta quem realmente iniciou o processo de ruptura. Ele diz que, se os chineses recuaram em alguns termos, foi claramente uma resposta à equipe de Trump que iniciou a retirada. Os Estados Unidos haviam declarado publicamente na semana anterior que manteriam as tarifas, violando o entendimento, Trump voltou a ameaçar novamente tarifas sobre os 300 bilhões restantes de importações chinesas, dizendo que a China deveria não apenas deter a transferência de tecnologia, mas também compartilhar seu desenvolvimento tecnológico com os Estados Unidos - incluindo tecnologia sensível em termos militares como 5G, inteligência artificial e segurança cibernética - se quisessem chegar a um acordo. Ele exigiu que a China parasse de subsidiar suas empresas estatais e indicou que continuaria seus esforços globais para impedir que aliados dos EUA entrassem em acordos com companhias de tecnologia chinesas como Huawei, ZTE, China Movile, etc. A linha de fundo, diz o autor, é que eles não querem um acordo para reduzir o déficit comercial de produtos dos EUA com a China, e estão dispostos a desistir de concessões significativas da China que já foram feitas para os Estados Unidos nas negociações sobre o acesso de empresas americanas para os mercados da China, se eles não podem parar a sua tecnologia, especialmente 5G, IA e segurança cibernética.

Na nossa impressão e como temos sistematicamente mantido em vários artigos há muito tempo, o comércio não é mais que uma moeda de troca ou um instrumento de pressão em uma relação sino-norteamericana que dia a dia avança cada vez mais em complexidade e contradições profundas. Nesse contexto, os aspectos que regem substancialmente disputa nos parecem centrados tanto na necessidade das empresas norte-americanas de penetrarem na China em melhores condições, como na luta por tecnologias de ponta que, em certa medida, representam interesses mais diretamente do Estado norte-americano ou da "sua" burguesia como classe. Vale a pena lembrar que a grande luta geopolítica com a China pela Huawei e pela rede 5G vai mais além da Europa e se estende ao território da América Latina, incluindo Brasil e Argentina - como levanta uma interessante nota da Foreing Affairs- como ao México e outros países. Nesse contexto geral, a disputa comercial constitui, de fato, um instrumento, um mecanismo de pressão que tem o duplo papel de tentar esfaquear a China nos objetivos mais elevados, enquanto serve como propaganda demagógica do "made in America" para os milhões de "perdedores da globalização".

Neste contexto complexo, parece que também no campo da negociação direta, o encorajamento de Trump foi baseado no duvidoso resultado econômico da economia americana do primeiro trimestre do qual falamos acima. Trump parece estar usando uma posição de força para ir por mais quando, por outro lado, ele mais precisa internamente. E bem, se o poder econômico mais concentrado não simpatiza com a "guerra de preços", até agora as medidas se mostraram "lights" e tanto republicanos quanto democratas bancam Trump em uma política de penetração mais ofensiva na China perseguindo os grandes objetivos mencionados. A contradição é que, se Trump for adiante e as consequências econômicas se intensificarem, é altamente provável que ele perca muito desse apoio. Além disso, a própria guerra comercial como instrumento de pressão também é um ato ativo e aprofundador, é muito provável que acabe promovendo resultados não desejados por seus promotores, muito menos para as elites econômicas. É um fator de alto risco que opera não apenas no contexto das tendências subjacentes à desaceleração da economia dos EUA, mas também em uma estrutura na qual o ritmo de crescimento econômico diminuiu em grande parte do mundo. Sem ir mais longe, o Fundo Monetário Internacional reduziu sua previsão de crescimento global em 2019 em abril passado para 3,3%, o que a colocaria entre os anos mais lentos da última década.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui