www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Domingo 18 de Agosto de 2019
11:50 hs.

Twitter Faceboock
GREVE INTERNACIONAL DAS MULHERES
8 de Março: a luta das mulheres percorre pelo mundo
Redação

O Dia Internacional das Mulheres é marcado por ações em todas as partes do mundo.

Ver online

O chamado à greve internacional de mulheres começou com força no Estado espanhol e já tem expressões a nível internacional.

No estado espanhol, o dia de luta começou com “panelaços noturnos”, piquetes e ações em várias partes do país. Desde a madrugada de sexta-feira, milhares de mulheres, junto com muitos homens, estavam se manifestando em diferentes cidades.

Na Argentina nesta sexta-feira, onde a mobilização central é esperada durante à tarde, nas primeiras horas da manhã a comissão de mulheres da Coca Cola, junto com Siam, Hospital Posadas e Finning Cat entre outros começaram este dia de luta com um trancaço de rua no centro de Buenos Aires, denunciando que as demissões também são uma violência.

Sob o slogan "com os trabalhadores no comando", o tribunal que denuncia as demissões discriminatórias era chefiado pelas mulheres da Comissão de Mulheres da Coca-Cola, trabalhadores da Siam (demitidos e com um fracasso de reintegração que a empresa não cumpre), mulheres trabalhadoras a empresa Cat Finning na Zona Norte, professores (de Suteba opositores e Ademys), enfermeiros (de Garrahan e Posadas), aeronáutica e telefone, entre outros.

Também participaram estudantes secundaristas e de universidades do Conurbano e da Cidade, parte da maré verde, estadual, metalúrgica, ferrovia, metrô.

As deputadas Myriam Bregman e Nathalia González Seligra do PTS-FIT e da Associação das Mulheres de Pão e Rosas também estiveram presentes.
No Chile, a Universidade de Santiago (USACH) amanheceu ocupada pelo dia internacional das mulheres. As mobilizações são esperadas em 40 cidades do país, replicando a greve internacional de mulheres.

Além disso, de acordo com a coordenadora feminista de 8 de março, 73 estátuas em diferentes partes das comunas de Santiago acordaram com lenços verdes.
A iniciativa buscou destacar as demandas do movimento de mulheres, neste 8 de março, que reivindica o "direito ao aborto livre, legal, seguro e gratuito". Reconhecimento dos direitos sexuais e reprodutivos como DDHH".

A Argélia está passando por dias de turbulência nos protestos contra a reeleição do presidente Abdelaziz Buteflika, que se repetiu em todo o país desde o dia 22 de dezembro. Em 8 de março, as mulheres decidiram se colocar à frente de um novo dia de protestos.

"Só podemos ter os direitos que merecemos como mulheres se o regime mudar. Na Argélia, as mulheres são discriminadas duplamente, pelo governo e pela própria sociedade, o que não nos permite progredir ", explicou Efe Amira, uma jovem estudante de Ciências em Argel.

Várias feministas, incluindo a advogada e escritora argelina Wassyla Tamzali, de 78 anos, pediram que a marcha seja reivindicada por igualdade e liberdade. "Sem igualdade não há liberdade", diz ela. "É necessário que as jovens mulheres exigem, ao mesmo tempo que a democracia, o direito à igualdade no divórcio, à herança, à liberdade sexual".

Veja também:

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui