www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Martes 22 de Octubre de 2019
14:00 hs.

Twitter Faceboock
TURNÊ INTERNACIONAL DE ANDREA D’ATRI
Munique: importante debate para a greve internacional das mulheres da 8M
La Izquierda Diario

Foi o primeiro grande evento do Pão e Rosas na cidade alemã e contou com a presença da sua fundadora Andrea d’Atri. Muitos presentes eram estudantes universitários e do ensino médio, e também trabalhadores precários. Para onde vai o movimento de mulheres que está surgindo em todo o mundo?

Ver online

Às 19h, a sala estava cheia. Como as cadeiras não foram suficientes, alguns dos presentes sentaram-se no chão ou assistiram ao evento em pé. Estavam entre os presentes dezenas de estudantes do ensino médio, mulheres migrantes, trabalhadores de vários setores, como o setor hospitalar, mas também ativistas do movimento de mulheres há décadas.

Todas estavam ali para debater com a feminista e marxista argentina Andrea d’Atri, fundadora da organização socialista de mulheres Pan y Rosas e membro da direção do Partido dos Trabalhadores Socialistas (PTS). Em sua turnê pela Europa, falará, entre outras, sobre o surgimento de um novo movimento de mulheres em todo o mundo e, sobretudo, de suas experiências na Argentina. D’Atri participou com Narges Nassimi, com tradução de Lilly Schön, ambas fundadores do Pão e Rosas na Alemanha, e moderação de Lisa Sternberg, enfermeira de Munique.

O evento, realizado com o apoio da Fundação Rosa Luxemburgo, devido à sua grande audiência, é um sinal do dinamismo de um movimento de mulheres que também está se desenvolvendo na Alemanha.

Narges Nassimi começou com uma análise da situação atual das mulheres trabalhadoras na Alemanha e suas lutas, tanto em seu significado histórico quanto em sua forma atual. Começando com o movimento feminista dos anos de 1960 e 70, passando pelas greves de mulheres nos anos 90 até hoje, ela falou sobre as lutas trabalhistas das migrantes por pagamento igual para trabalho igual e até mesmo das mobilizações contra legislações sexistas, bem como as lutas das mulheres refugiadas:

"1994 foi a última greve de mulheres na Alemanha, durante a qual a luta foi dirigida contra a pobreza, o desemprego, a redução dos benefícios sociais e a precariedade das condições de trabalho, e também é muito interessante que as mulheres tenham lutado contra colocar mulheres refugiadas em acampamentos, essas questões ainda são atuais e suas demandas não foram atendidas até o momento."

Além disso, muitas mulheres trabalhadoras são afetadas pela opressão racista, seja pela criminalização do movimento de mulheres curdas ou pela exclusão de milhares de mulheres migrantes do direito ao voto.

Diante disso, é estrategicamente importante restabelecer o vínculo entre o movimento de mulheres e o movimento de trabalhadores. As lutas das mulheres das últimas décadas foram às vezes movimentos de massa com a participação de muitos trabalhadores, mas não havia conexão orgânica com as lutas da classe trabalhadora. Com exceção de algumas lutas emblemáticas, elas não estavam associadas a greves nas fábricas e eram também mantidas com veemência à parte da burocracia sindical. Assim, o movimento trabalhista se limitou a questões "puramente econômicas", enquanto o movimento de mulheres foi se tornando cada vez mais institucionalizado e integrado às ONGs e ao aparato estatal. Da crítica ao sistema do capitalismo patriarcal, passou ao horizonte limitado da liberação individual e da inclusão e expansão dos direitos no âmbito do sistema reinante.

Narges, por outro lado, enfatizou a tarefa de reconstruir um feminismo socialista que vê o capitalismo e o patriarcado inseparavelmente unidos e que este só pode ser derrubado em uma luta comum. Exigiu que a greve das mulheres em desenvolvimento, com suas demandas, fosse levada aos sindicatos e, portanto, a empresas, escolas e universidades.

Andrea d’Atri começou sua apresentação com um foco especial na situação internacional das mulheres. A tendência para a polarização social e a política não se reflete apenas em uma série de governos de direita, como o Brasil, a Polônia ou os Estados Unidos. Hoje, quase 50% dos trabalhadores assalariados são mulheres, a maioria com empregos precários. Nos últimos anos, por exemplo, houve grandes mobilizações de mulheres em todo o mundo, anunciando uma nova fase na luta de classes.

De particular importância aqui, é a experiência de luta do movimento de mulheres na Argentina nos últimos anos, que cresceu desde 2015 e realizou uma luta histórica pelo direito ao aborto em 2018. As lições desse último demonstram que o movimento de mulheres não pode confiar nem no Estado nem nos partidos reformistas, mas apenas na sua mobilização nas ruas, e especialmente na sua conexão com a classe trabalhadora, que é a única que pode realmente paralisar todo esse sistema de exploração e opressão devido à sua posição no processo de produção, com as mulheres trabalhadoras na vanguarda.

A luta na Argentina – pela legalização do aborto, mas também contra feminicídios, contra demissões e contra cortes impostos pelo Fundo Monetário Internacional e pelo imperialismo – continua no dia 8 de março. Andrea focou na necessidade de uma política para que os sindicatos superassem a política obstrucionista da burocracia sindical por meio da pressão dos mais graduados e reconquistasse os sindicatos como órgãos de luta contra a exploração e a opressão. Andrea D’Atri levantou:

Dentro do movimento de mulheres argentinas, exigimos que os sindicatos convoquem assembleias em todos os locais de trabalho para votar sobre a greve.

Na rodada de perguntas e discussões seguintes, com mais de uma dúzia de discursos, muitas perguntas surgiram. De uma discussão aprofundada sobre o aborto, sobre a atitude em relação à prostituição, sobre as experiências do movimento de mulheres na década de 70, para o "feminismo dos 99%". Em relação a este, Andrea esclarece novamente por que uma perspectiva revolucionária da classe trabalhadora no movimento de mulheres é necessária:

Não queremos que algumas mulheres se tornem exploradoras, queremos derrubar o sistema de exploração.

No final do evento, houve um apelo para a organização de uma forte greve de mulheres em 8 de março também aqui na Alemanha. Em Munique, as condições para isso são boas: na reunião de trabalho do dia seguinte, mais de 50 mulheres se reuniram na sede do sindicato DGB.

Em 23 de fevereiro, Andrea falará novamente na Alemanha. Em Berlim, ele apresentará seu livro Brot und Rosen Geschlecht und Klasse im Kapitalismus (Pão e Rosas – antagonismo de gênero e associação de classe no capitalismo), que foi traduzido para o alemão por Lilly Schön.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui