Sociedade

MG: QUILOMBO CAMPO GRANDE

Zema covarde mantém despejo de 450 famílias no Quilombo Campo Grande e polícia segue ameaçando moradores

Hoje novamente o Quilombo Campo Grande amanheceu sob ameaça de despejo com um forte aparato da PM mineira. Mesmo depois de Zema dizer que suspenderia o despejo, PM segue a ação no local ameaçando as famílias.

quinta-feira 13 de agosto| Edição do dia

O Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, sul de Minas Gerais, amanheceu nesta quinta-feira (13) ainda sob ameaça de despejo. Policiais chegaram ao acampamento e montaram cerco às famílias, que resistem para proteger suas casas. A ação mostra a covardia de Zema, do judiciário e da PM, que avançam com o despejo de 450 famílias mesmo em meio a pandemia.

No dia de ontem, diante de uma enorme repercussão do caso, Zema chegou a recuar dizendo que suspenderia a ação. Mas para a surpresa de seus moradores, novamente no dia de hoje acordaram sob a ameaça de tropas de choque da polícia, que inclusive já desmontaram a escola comunitária do local, Escola Eduardo Galeano, e outro barracão coletivo.

A ocupação do terreno da falida Ariadnópolis tem mais de 20 anos em batalha judicial. Mas o judiciário e Zema não hesitam em despejar centenas de famílias justo agora na pandemia.

Se os despejos e reintegrações já mostravam toda a crueldade do sistema capitalista, organizado em primeiro lugar para manter a propriedade, em meio a pandemia torna-se ainda mais crue. São famílias que estarão nas ruas, sem a mínima estrutura para se precaverem contra o vírus. Bolsonaro no começo da pandemia vetou um projeto de lei que proibia despejos em meio a pandemia, liberando para que o judiciário e Zema autorizassem ações cruéis como vemos nesse caso.

Veja mais: Crise sanitária faz surgir novas favelas contando também com ajuda de Bolsonaro e seu veto a suspensão de despejos na pandemia




Tópicos relacionados

Romeu Zema   /    Sociedade   /    Belo Horizonte

Comentários

Comentar