Sociedade

RJ: CORONAVÍRUS

Witzel testa positivo para coronavírus, enquanto mortos e familiares seguem sem resultados

O governador fluminense confirmou em comunicado que testou positivo para o coronavírus. Witzel realizou o exame no final de semana e em 3 dias já obteve os resultados, permitindo que siga as recomendações médicas. Enquanto isso milhões de cariocas, sem testes massivos, não podem usufruir do mesmo privilégio, e mesmo os casos suspeitos seguem com um grande atraso para a confirmação dos resultados.

terça-feira 14 de abril| Edição do dia

O governador do Rio, Wilson Witzel, testou positivo para o novo coronavírus. O anúncio foi feito por ele na tarde desta terça-feira, 14. "Desde sexta-feira (10) não venho me sentindo bem e pedi para que fosse feito o teste da covid, e hoje veio o resultado positivo", disse.

Witzel sentiu febre, dor de garganta e perda de olfato. No comunicado, afirmou que continuará trabalhando no Palácio Guanabara, sede e residência oficial do governador, "mantendo as restrições e as recomendações médicas".

Enquanto Witzel tem o privilégio de ao menor sintoma recorrer ao teste, milhões de cariocas, e brasileiros de modo geral, seguem no escuro quanto a sua própria condição, mesmo apresentando sintomas, ou tendo tido contato com pessoas com casos confirmados.

A partir do seu resultado, o governador pode agora adotar o isolamento mais severo possível, evitando que outras pessoas ao seu redor se contamine. Enquanto isso, milhares de trabalhadores são forçados a seguir trabalhando sem testes, correndo o risco de infectar seus colegas de trabalho ou suas famílias.

Sem a política de testes massivos para a população, o discurso dos governadores em “defesa da vida”, não passa de demagogia para, assim como Bolsonaro, seguir garantindo o lucro dos patrões em meio a pandemia. É preciso assegurar a testagem massiva, aumentando a capacidade dos laboratórios de produzir e analisar os testes, reconvertendo toda a produção industrial para esse objetivo essencial do momento, assim como para a produção dos demais equipamentos de proteção individual e leitos de UTI. Por fora, da adoção dessas medidas consequentes, um verdadeiro plano de guerra, as medidas anunciadas tanto por governadores a favor do isolamento quanto o negacionismo genocida de Bolsonaro com toques de preocupação com a economia, não passam de demagogia impotente para salvaguardar as vidas, os empregos e a renda dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Wilson Witzel   /    Sociedade   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar