Política

DECLARAÇÃO DA FIT UNIDADE

Viva a rebelião do povo da Colômbia! Abaixo o governo ajustador e repressor de Ivan Duque!

Reproduzimos a declaração da Frente de Esquerda Unidade da Argentina sobre a massiva rebelião do povo da Colômbia.

quinta-feira 6 de maio| Edição do dia

Desde 28 de abril, a Colômbia vive dias intensos de luta contra o governo do direitista Iván Duque, com greves nacionais e mobilizações massivas. Dezenas de milhares de pessoas encheram as ruas de Bogotá, Cali, Medellín e todos os cantos do país. Jovens, trabalhadores, povos indígenas, camponeses enfrentam a brutal repressão militarizada do governo Duque. As gangues do ESMAD (Esquadrão Móvel Anti Distúrbio) matam, espancam e abusam com total impunidade. Por trás dessa ação brutal das forças de segurança está o ex-presidente Álvaro Uribe, chefe de Duque, representante da narcopolítica e do terrorismo estatal e paraestatal.

Nesta quarta-feira, dia 28, o Comando Nacional de Paralisação formado pelas três centrais sindicais (CUT, CTC e CGT) e pela Fecode (Federação dos Professores), convocou uma greve nacional a que organizações estudantis, Minga indígena e organizações de diversas comunidades rurais e urbanas. Mas tal foi a raiva que a greve superou as lideranças e se espalhou após 28 de abril. Se expressou nas principais cidades do país por meio de mobilizações massivas. O epicentro foi a cidade de Cali, capital do Vale do Cauca, onde os protestos foram particularmente massivos e a greve é ​​quase total com bloqueios de estradas e rotas para os arredores. Uma verdadeira revolta popular em toda a Colômbia.

A reação das classes dominantes e de seu Estado foi imediata. Pelo menos 30 manifestantes foram mortos pela polícia, há centenas de feridos e detidos, dezenas de desaparecidos e várias organizações de direitos humanos denunciam diferentes tipos de abusos e perseguições por parte das forças repressivas.

De forma demagógica, até o governo de Joe Biden expressou sua preocupação com a violação dos direitos humanos. Hipocrisia total por parte do mesmo imperialismo estadunidense que financiou a guerra suja contra as FARC com o “plano Colômbia”, permitiu o massacre sistemático de dirigentes sindicais e sociais (só em 2020 é acusado de 320 assassinatos por forças paramilitares) e que hoje ele vê um de seus principais aliados em perigo em seu quintal. O mesmo vale para os governos de direita da América Latina nucleados no bloco de Lima. Também denunciamos o silêncio cúmplice do governo argentino de Alberto Fernández e do governo mexicano de López Obrador inscrito no grupo de Puebla em face deste massacre.

A Colômbia atravessa uma profunda crise de saúde, econômica e social, agravada pela pandemia do coronavírus que assola e ceifa a vida de cerca de 500 colombianos por dia.

A situação é catastrófica para os trabalhadores. O desemprego é de 17%, a precariedade e o trabalho informal crescem e o acesso à saúde é privilégio de poucos. No segundo ano da pandemia, a pobreza já atingiu 42,5%, o que significa que 21,2 milhões de colombianos não conseguem atender às suas necessidades básicas.

Soma-se a tudo isso a reivindicação do atraso na campanha de vacinação prometida pelo governo, que chega a pouco menos de 10% da população, segundo os próprios dados oficiais.

A gota d’água que faltava para fazer explodir a raiva e o descontentamento que se acumulavam foi a reforma tributária que Duque tentou impor para que os trabalhadores e setores populares pagassem os custos da crise enquanto os lucros dos grandes empresários ficavam preservados. Com essa reforma tributária, conhecida como "Lei de Solidariedade Sustentável", o governo neoliberal de Duque pretendia arrecadar cerca de US$ 6,3 bilhões para "equilibrar" os cofres do Estado e manter a classificação de crédito das agências internacionais de classificação de risco. 73% desse dinheiro viria de um imposto de renda para pessoas que ganham US$ 633, em um país onde o salário mínimo é de US$ 234, e de um aumento do IVA. Um ataque que tem como alvo os trabalhadores, os setores populares e as classes médias empobrecidas.

As mobilizações massivas que colocaram o governo contra a parede forçaram Duque a recuar. Em 2 de maio, ele anunciou a retirada da reforma tributária e a renúncia do ministro da Fazenda, Alberto Carrasquilla, para tentar aliviar a situação. Essa primeira vitória da rebelião popular fortaleceu a luta que não parou, apesar da repressão brutal.

A Comissão Nacional de Desemprego, formada pelas centrais sindicais (CUT, CGT, CTC) e a Fecode (federação dos educadores) manteve o apelo à greve nacional no dia 5 de maio e outras ações pressionadas pela enorme disposição de luta das suas bases. No entanto, até agora sua política é convocar ações de um dia e não preparar e organizar uma verdadeira greve geral que tire o governo de Duque. Mas a realidade é que desde 28 de abril houve uma greve de fato, com milhões nas ruas, com centenas de bloqueios de estradas e ruas e marchas massivas por todo o país.
Até agora, toda a política destas centrais tem sido, mesmo após intensas mobilizações, de dar tréguas e pactuar, como vimos em todos os longos processos de “diálogo” com o Governo após as jornadas de 21 de novembro de 2019, que foi o que deu um fôlego para que Duque conseguisse conter as mobilizações. Dessa forma, atuam como um dique de contenção.

Diante do agravamento da situação, o governo lançou a proposta de um "diálogo social e político", uma armadilha para dividir as massas na luta, salvar o governo e o regime que a oposição de centro-esquerda nucleada na Coalizão Esperança e no o "Pacto Histórico" de Gustavo Petro vê com simpatia. Eles estão apenas esperando o momento certo para entregar a mobilização.

A política do regime é dupla: a armadilha do diálogo e da repressão contra os setores de vanguarda, que Uribe acusa de "saqueadores", "vândalos" e "narcos". Procuram assim isolar os setores mais combativos com a campanha contra a "violência" colocando em pé de igualdade a repressão da polícia e a justa resistência operária e popular.

A derrota do governo em decorrência da ação combativa da classe operária e dos setores populares seria um enorme triunfo que estimularia as lutas operárias e populares contra os planos monetaristas e de "ajuste" dos fundos internacionais em toda a América Latina e modificaria substancialmente a correlação de forças para ir mais longe. É preciso desenvolver as assembleias de trabalhadores e setores populares e demais instâncias de organização democrática que surjam no calor do processo e promover a convocação de um Congresso ou Encontro Nacional de trabalhadores para liderar a rebelião em curso à vitória e discutir uma saída para a classe trabalhadora frente à crise nacional.

Defendemos o justo direito dos trabalhadores e setores populares de organizar sua autodefesa para enfrentar a repressão brutal aos esquadrões da morte da polícia militarizada.

É necessário com a força da mobilização montar comitês de greve em cada fábrica, escola, comunidade para estender a greve geral até a queda do governo Duque. Contra as armadilhas do regime, seja da extrema direita Uribista ou da Centro-esquerda, que tenta conter e desviar o processo com as eleições do próximo ano para salvar todo o regime burguês e do Estado, lutamos pelo desenvolvimento da greve geral para tirar Duque e impor um governo da classe trabalhadora. Que reorganize o país sem pacotes de ajuste, sem repressão herdada do Plano Colômbia e com uma economia operária e popular que rompa a subordinação do país ao imperialismo e às multinacionais, a começar pela nacionalização de bancos, comércio exterior, não pagamento de a dívida e a implementação de um imposto forte sobre todas as grandes fortunas, para atender às demandas sociais.

Nós que formamos a Frente de Esquerda Unidade nos solidarizamos com o levante do povo colombiano contra seus exploradores e opressores. E apelamos à mais ampla mobilização latino-americana e internacional contra a brutal repressão ao governo Duque.

O triunfo dos trabalhadores, jovens, camponeses e povos indígenas da Colômbia será um triunfo para todos os explorados da América Latina.

Viva a revolta do povo da Colômbia!

Abaixo os ajustes contra o povo

Abaixo o governo Duque

Chega de repressão. Punição dos responsáveis ​​pelas mortes de manifestantes
Abaixo o “plano Colômbia”. Fora imperialismo da Colômbia e da América Latina. Pela Unidade Socialista da América Latina.

Frente Esquerda e de Trabalhadores-Unidade (FIT-U)




Tópicos relacionados

Iván Duque   /    Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar