Política

SP: REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Urgente: Toffoli dá aval para Doria seguir com ataque a aposentadoria dos servidores de SP

Decisão do presidente do Supremo derrubou liminares do Tribunal de Justiça de São Paulo, permitindo o encaminhamento para votação do ataque à aposentadoria dos servidores estaduais ainda hoje.

terça-feira 18 de fevereiro| Edição do dia

Mostrando uma vez mais como o autoritarismo judiciário está a serviço da garantia dos ataques a classe trabalhadora, Toffoli derrubou as liminares que suspendiam a tramitação do projeto de reforma da previdência de Doria.

Assim, a Alesp poderá encaminhar ainda hoje para votação o ataque a aposentadoria dos servidores estaduais. O colégio de líderes, que define a pauta do dia, às 15h vai decidir. Doria não perdeu tempo e chamou uma reunião hoje com os deputados.

Numa demonstração do consenso em torno das reformas que unifica os golpistas, Toffoli argumentou que não votar a reforma da previdência se configura como uma lesão à economia e à ordem pública.

Enquanto eleva a alíquota dos servidores estaduais, como professores, os policiais militares não só ficaram de fora como terão a diminuição da alíquota, assegurada pela reforma da previdência à parte dos militares feita por Bolsonaro e pelo Congresso.

Se os capitalistas se mostram unificados para implementar os ataques, é necessário que também nos unificamos na resistência contra seus planos. Nesse momento, os petroleiros também são vítimas do autoritarismo judicial, que na figura do ministro do TST Ives Gandra, rasgou o direito a greve dos petroleiros declarando-a ilegal.

É preciso cercar de solidariedade esse desafio dos petroleiros às demissões da Fafen, a privatização da Petrobras e a entrega das riquezas nacionais. Se a luta dos petroleiros avança e impõe uma derrota aos planos do governo Bolsonaro na Petrobras, junto de seus aliados no judiciário e no Congresso, se torna um importante ponto de apoio para a toda a classe trabalhadora questionar de conjunto esse consenso das reformas e privatizações.




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar