Sociedade

#CHACINADOJACAREZINHO

Trabalhadores são atingidos dentro do metrô durante chacina de hoje no Jacarezinho, no Rio

Dois passageiros que estavam no trem, na estação Triagem do MetrôRio, foram atingidos por estilhaços e balas durante a maior chacina policial do RJ que deixou pelo menos 25 mortos no Jacarezinho.

quinta-feira 6 de maio| Edição do dia

Imagem: Reprodução vídeo

Operação da Polícia Civil no Jacarezinho marcou o dia de hoje na capital fluminense, se tornando a maior chacina da história do Rio de Janeiro, com pelo menos 25 assassinados pelas balas da polícia e muitos feridos, entre eles dois passageiros que estavam no trem, na estação Triagem.

Os passageiros feridos no trem são o militar da Marinha Rafael M. Silva, de 33 anos, e Humberto Gomes V. Duarte, de 20. Rafael foi levado para o Salgado Filho, depois passou à um hospital da Marinha. Já Humberto foi levado para o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro, seu estado de saúde é estável.

De acordo com o MetrôRio, "dois clientes ficaram feridos após o vidro de uma das composições ser atingido por projétil vindo da área externa, na altura da estação de Triagem. Uma pessoa foi ferida por estilhaços de vidro e outra atingida de raspão no braço".

Os relatos de terror circularam intensamente nas redes durante toda a manhã de hoje. Vídeos e relatos mostram sons de guerra, rajadas de tiros e explosões de bombas na favela do Jacarezinho na Zona Norte do Rio, que deixou pelo menos 25 mortos, o que já caracteriza a maior chacina policial da história do RJ.

A absurda violência policial atingiu até mesmo os trabalhadores que circulavam de metrô no momento dos tiroteios. Como se não bastasse o trabalhador pagar caro para andar num transporte lotado, sendo obrigado a se submeter aos riscos da infecção pelo novo coronavírus, chega ao nível de ser atingido por estilhaços e balas fruto da violência do Estado.

Atual governador Cláudio Castro, bolsonarista assumido, já é responsável por mais uma triste marca, além do record de assassinatos em operações policiais em menos de um ano, ultrapassando até mesmo o sanguinário Witzel, agora tem na conta, e com as mãos sujas de sangue, a maior chacina da história do estado do RJ.




Tópicos relacionados

Brutalidade policial   /    Repressão policial   /    Racismo Policial   /    Chacina do Fallet   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Violência policial   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar