Educação

REABERTURA DAS ESCOLAS

Trabalhadores da educação de BH fizeram ato contra o retorno inseguro de Kalil nesta manhã

Se manifestaram, na porta da prefeitura de Belo Horizonte na manhã de hoje, trabalhadores concursados e terceirizados da educação municipal contra o retorno inseguro imposto por Alexandre Kalil (PSB).

quarta-feira 12 de maio| Edição do dia

Aconteceu nesta manhã uma manifestação de trabalhadores efetivos e terceirizados da rede municipal de educação de Belo Horizonte. Os trabalhadores efetivos estão em greve sanitária desde o dia 26 de abril e os terceirizados estão hoje em seu segundo dia de paralisação.

Pode te interessar: Fortalecer a greve da educação com assembleias unificadas de terceizados e concursados

Após a concentração na prefeitura, o ato seguiu para a porta da empresa MGS - a terceirizada que contrata os trabalhadores da limpeza, porteiros e caixa escolar das escolas de BH - onde os trabalhadores denunciaram a responsabilidade da empresa e da prefeitura pelo risco que correm terceirizados do grupo de risco e grávidas que têm comparecido todos os dias à escolas.

Veja também: Nos próximos dias, gestantes podem ficar sem receber vacinas, graças a Bolsonaro e governadores

Dentre as reivindicações estão a liberação imediata do grupo de risco, a ampla vacinação, não ao corte de ponto dos trabalhadores em greve sanitária, e a reabertura das escolas apenas quando a pandemia estiver sob controle. A professora da rede estadual e militante do grupo de mulheres Pão e Rosas, Flavia Valle, esteve no ato em apoio, defendendo também que deve ser a comunidade escolar a decidir sobre o retorno, e não Kalil, no caso da rede municipal, ou mesmo Zema no caso da rede estadual - ambos aliados dos empresários da educação.

Também levou seu apoio ao ato a parlamentar do PSOL, Iza Lourença.

Acompanhe a cobertura da greve na educação de BH pelo Esquerda Diário.




Tópicos relacionados

Greve na educação de BH   /    Coronavírus e Educação   /    Retorno inseguro das aulas presenciais    /    Trabalhadores da educação   /    Retorno presencial de aulas   /    Belo Horizonte    /    Trabalhadores Terceirizados   /    COVID-19   /    Coronavírus   /    Greve Educação MG   /    Alexandre Kalil    /    Trabalhadores   /    Educação   /    Terceirização   /    Educação   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar