Mundo Operário

ASSÉDIO PATRONAL

Telemont humilha e exige flexões de braço como punição a trabalhadores da telefonia

Trabalhadores da telefonia em treinamento na Telemont denunciam punições com flexões de braço e humilhações na empresa em Belo Horizonte, que já acumula 40 mil denúncias de assédio moral nos últimos cinco anos.

quarta-feira 17 de março| Edição do dia

O vídeo gravado por um trabalhador da Telemont em Belo Horizonte mostra o enorme assédio patronal a que a empresa veio submetendo os funcionários:

A exigência de flexões somadas a autocríticas forçadas humilhantes que aconteceram no centro de treinamento da empresa foi feita por um técnico em segurança da empresa, encarregado pelo treinamento dos trabalhadores. O "capitão do mato do século XXI" resolveu punir os trabalhadores porque um deles supostamente estava distraído e deu uma risada.

Um dos funcionários da empresa relatou à Record TV que esse não foi um caso isolado: sempre há assédios e ameaças de demissão para obrigar os trabalhadores a terem que escolher entre a humilhação e o desemprego.

Antecedentes

A empresa, além de ter 40.000 denúncias de assédio moral no ministério público, teve que indenizar um trabalhador recentemente por gordofobia. “Imagina você, pai de família, sair para defender o pão de cada dia da sua família e precisar passar humilhação para trabalhar? Aí é difícil, né?”, disse a vítima Everton Azevedo, de 37 anos, ao G1.

Veja também:

Em plena pandemia desigualdade salarial entre negros e brancos bate recorde de R$1.492

A fome bate na porta dos trabalhadores: cesta básica fica 33% mais cara sob Bolsonaro

Maioria vai receber R$ 150 do novo auxílio, valor do jantar de um deputado em Brasília




Tópicos relacionados

Assédio   /    Telemarketing   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar