Internacional

SUDAO

Sobe para 60 o número de mortos na repressão militar no Sudão

A junta militar que tomou o governo procura pôr fim aos protestos. As manifestações começaram contra o ajuste exigido pelo FMI e exigindo o fim do governo de al-Bashir.

quarta-feira 5 de junho| Edição do dia

O Comitê Médico Central do Sudão, um sindicato da oposição, elevou o número de mortos na quarta-feira para 60 devido ao ataque repressivo do exército aos acampamentos que manifestantes da oposição realizaram em Cartum e à violenta repressão que continua desde segunda-feira.

De acordo com o sindicato médico, 15 novas mortes foram relatadas em vários relatórios publicados em sua página no Facebook nas últimas horas, alguns dos quais se referem a feridos em hospitais e outros, a vítimas de novos tiroteios em Cartum e nas cidades de sua área metropolitana. Pelo menos 326 pessoas foram hospitalizadas, embora esses dados não estejam completos, devido às restrições que as forças de segurança estão colocando no trabalho dos médicos.

Em resposta à repressão sangrenta, uma ampla campanha de solidariedade internacional convocou a repudiar a ação da Junta Militar.

Na terça-feira à noite, de acordo com relatórios do sindicato dos médicos, havia tiroteios em Cartum, a capital, causado por grupos paramilitares ligados ao exército, o ’yanyauid’ e também estes grupos armados "prenderam vários médicos no hospital de Cartum Norte".

O Exército do Sudão se instalou no poder desde a queda de Omar al Bashir, em 11 de abril, após semanas de protestos contra o presidente que permaneceu no governo por três décadas.

A repressão se intensificou após a bem-sucedida greve geral de 48 horas na semana passada, convocada pela Associação de Profissionais e secundarizada por outras organizações, que expressaram um ponto de virada na luta contra a junta militar.

Os protestos começaram em dezembro passado em rejeição ao aumento dos produtos básicos até o final dos subsídios à farinha e aos combustíveis, um ajuste exigido pelo FMI, mas exigindo o objetivo do governo de Bashir.

Depois do ataque criminoso, os militares cortaram a Internet e a transmissão de todas as estações de rádio da capital.

Vários governos com interesses geopolíticos no Sudão, como os Estados Unidos ou a Arábia Saudita, manifestaram-se para que os militares retomassem o diálogo com setores da oposição. A junta militar disse na quarta-feira que está disposta a "dialogar" com todas as forças políticas do país. "Abrimos nossas mãos brancas para dialogar com todas as forças políticas do país pelo interesse do Sudão", disse o presidente da junta militar, Abdelfatah Burhan, em discurso na televisão.

Mas enquanto os militares oferecem um diálogo alegado, os ataques aos manifestantes da oposição continuam nas ruas. Os manifestantes colocaram barricadas nas principais avenidas de Cartum e as forças de segurança tentaram desmantelá-los em alguns lugares.

Em face da brutal repressão, a oposição sudanesa, a Aliança ou Forças pela Liberdade e Mudança, está pedindo "desobediência civil" e uma greve até a queda do regime militar. Até agora, a oposição tentou negociar com as posições de poder da Junta Militar no futuro governo.




Tópicos relacionados

Sudão   /    Internacional

Comentários

Comentar