×

Eleições 2022 | STF aprova clientelismo eleitoral de Bolsonaro com ampliação do Auxílio Brasil em 2022

O STF já formou maioria de nove ministros para liberar a ampliação do Auxílio Brasil de Bolsonaro em pleno ano eleitoral, o que é vetado por lei.

segunda-feira 22 de novembro | Edição do dia

Imagem: Marcos Corrêa/PR

O STF, ao mesmo tempo que endossa ataques que pioram diretamente as condições de vida e de trabalho de milhões de brasileiros, como o teto de gastos, privatizações, agora apresenta um discurso hipócrita de preocupação com a continuidade de programas sociais para a população ao defender o clientelismo de Bolsonaro com a ampliação do Auxílio Brasil em pleno ano eleitoral, contrariando a própria lei eleitoral.

Veja também: Guedes confessa que Auxílio Brasil é temporário e escancara demagogia eleitoral

Pensando apenas em sua reeleição para 2022, num país em que se multiplicam as filas do osso e do lixo enquanto o agronegócio e o capital financeiro seguem lucrando como nunca com a devastação dos direitos trabalhistas e sociais e dos recursos naturais do país, Bolsonaro acabou com o Bolsa Família e criou um programa social para chamar de seu. O Auxílio Brasil foi aprovado após comprometer diretamente o orçamento dos precatórios, que são dívidas do Estado compostas em uma parte relevante por pensões e aposentadorias atrasadas de servidores públicos da educação e da saúde que entraram com ação na justiça para garantir seus direitos.

Veja também: Brasil de Bolsonaro tem a 4ª maior taxa de desemprego do mundo

Com as declarações que Bolsonaro não cansa de dar, a criação e ampliação do programa Auxílio Brasil tem um caráter diretamente eleitoreiro, que não tem nenhuma preocupação com o que de fato assola a vida das massas que, além das mais de 600 mil mortes pela pandemia, tem que enfrentar a fome, o desemprego, a falta de moradia e condições mínimas de sobrevivência. E para seguir com seu plano de reeleição às custas da miséria e empobrecimento da população, Bolsonaro agora conta com o aval do STF, onde o voto favorável à Bolsonaro, do relator Gilmar Mendes, já foi acompanhado pela maioria de nove ministros: Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, José Antonio Dias Toffoli, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber.

Pode te interessar:
Contra Bolsonaro, Mourão, a fome, a precarização e as chacinas, faremos Palmares de novo! - Editorial do MRT




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias