Internacional

REVOLUÇÃO DOS CRAVOS

Revolução em Portugal

Conhecida como a "Revolução dos Cravos" ou "Revolução dos Coronéis", em Portugal houve uma grande revolução operária e popular traída pelo Partido Socialista e pelo Partido Comunista.

sábado 27 de abril de 2019| Edição do dia

Em 25 de abril de 1974 teve lugar em Portugal o que que foi chamado de "Revolução dos Cravos", um golpe de um setor encomendado oficiais do exército, organizado no Movimento das Forças Armadas (MFA), que se recusou a continuar as guerras nas colônias africanas onde os movimentos de libertação estavam crescendo. Caiu a ditadura militar de Salazar-Caetano que havia surgido a partir do golpe de 1926. Em 1932, Salazar introduziu uma ditadura férra e se declarou apoiante do Mussolini, Hitler e Franco. Ele fundou o "Estado Novo", onde reinava a censura, a polícia política (a PIDE), a educação católica nas escolas e a nacionalização dos sindicatos, enquanto o desemprego aumentava. Em 1968, Caetano continuou a Salazar. A guerra aumentou a crise econômica e, com isso, o descontentamento da população. O 25A foi liderado pelo general Spiíola, um adversário da ditadura e do setor burguês que queria continuar a guerra na África. Spínola representou outro setor burguês que queria negociar uma certa autonomia com as colônias e democratizar o país. As massas portuguesas tomaram as ruas para apoiar os rebeldes distribuindo entre eles cravos brancos e vermelhos. Mas longe de ser a culminação da revolução, a queda da ditadura foi o início de um grande processo revolucionário de massa com a ocupação de fábricas, edifícios e palácios. Foi uma oportunidade para lutar por suas demandas e começou uma onda de greves, organizadas em sindicatos por indústria. A forte influência do Partido Comunista, controlou o início deste processo através do Intersindical.


Os ditadores Salazar e Franco


O general Spínola

O MFA, o PC (Partido Comunista) e o PS (Partido Socialista) juntaram-se ao governo de "unidade nacional" de Spínola, fazendo parte de seus ministérios. Spínola passou por crises sucessivas. No MFA os spinolistas coexistiam com setores mais radicalizados que queriam acabar com a guerra a qualquer preço. Os soldados e oficiais não comissionados rebelaram-se diante de seus superiores. Em setembro de 1974, Spínola caiu pela resistência das massas e foi substituído por outro general, Costa Gomes, que tentou silenciar os setores mais esquerdistas do MFA. Em março de 1975, Spinola tentou um novo golpe contra-revolucionário, que foi rejeitado pelas massas. Costa Gomes começou a dialogar com as colônias e o MFA, juntamente com o PC e o PS, eliminou o "Conselho Nacional de Defesa" para criar o "Conselho da Revolução". O MFA proclamou o início de "o primeiro passo rumo ao socialismo", após o qual nacionalizou algumas empresas e bancos, enquanto muitos burgueses abandonavam suas fábricas, os trabalhadores as ocupavam e se desenvolveu novas organizações como os comitês de fábrica, inquilinos e soldados. Este foi o começo de um duplo poder no país. No entanto, os dirigentes impediram que esses organismos fossem nacionalizados.


Costa Gomes

Revolução na metrópole e guerras de libertação nas colônias

Portugal passava por uma grave crise econômica no quadro de uma crise global e havia repercussões do ascenso operário-estudantil iniciado pelo maio francês e pela "primavera" de Praga. Os processos revolucionários estavam se desenvolvendo no centro da Europa. Portugal era o "elo fraco" do imperialismo mundial e a atual revolução colocava a possibilidade de estabelecer um governo operário e camponês, ao mesmo tempo em que se unia às lutas de libertação das colônias. A crise nas Forças Armadas era tão avançada que os soldados destituíam seus chefes e se recusaram a reprimir ou lutar nas colônias. Com a queda de Caetano, o fim das guerras de independência começou: Guiné-Bisau (1963-74), Moçambique (1964-75) e Angola (1961-75). Mas suas direções impediram que essa luta fosse unificada, assim como que essas revoluções fossem estendidas ao centro da Europa.

Uma revolução "estrangulada" pela contra-revolução democrática

Em abril de 1975, o MFA convocou 12 partidos para realizar uma "Plataforma para o Pacto". Aderiram 11 partidos e 10 foram aprovados, entre eles o tradicional PPD e o CDS, junto com o PS e o PC.

Mas as greves e manifestações continuaram e os comitês de trabalhadores, inquilinos e soldados ainda funcionavam. O fundador do PS, Mario Soares (ministro desde 1974), reuniu-se com o secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger. Em 1975, Soares, "em nome do socialismo", lançou uma ofensiva contra os comitês de trabalhadores e inquilinos. Por outro lado, um setor de soldados que se rebelou contra os oficiais conservadores foi esmagado por Costa Gomes, auxiliado pelo PC que prometeu não chamar a mobilização das massas. Assim, a ala direita do MFA, o PS e o PC, foram responsáveis por sufocar o processo revolucionário português.


Mario Soares, dirigente do PS


Alvaro Cunhal, dirigente do PC

Em abril de 1976, uma Assembleia Constituinte é instituída e convoca as eleições presidenciais diretas. Esta é ganha por Eanes, um oficial militar, que após as guerras coloniais africanas se juntou ao MFA e em 1975 liderou operações militares contra sua ala esquerda. Reeleito em 1980, ele entregará o comando presidencial em 1986 a Mario Soares. O desvio da revolução portuguesa foi consumado.

O "modelo" português: a transição das ditaduras para a democracia burguesa

Os países imperialistas rapidamente tiraram a lição da revolução portuguesa. Quando Franco morreu na Espanha em 1975 e começou um ascenso de massas, foi aplicado o "modelo português", com a colaboração de socialistas e comunistas. Assim, apesar do triunfo de Vietnam sobre os Estados Unidos, o imperialismo consegue frear a revolução dos países centrais, deixando colônias isoladas e semi-colônias (como a Nicarágua e o Irã em 1979). De uma resposta defensiva à revolução na Europa e à derrota do Vietnã, o imperialismo adotou essa política como uma ofensiva estratégica. Ele aplicou na Argentina e preventivamente em muitos países da América Latina, onde ele mesmo havia mantido ditaduras por décadas.

Desta forma, o imperialismo conseguia sair da crise econômica do início dos anos 70. E com as derrotas do proletariado americano e inglês e das semi-colônias como a Argentina na Guerra das Malvinas nos anos 80, a política de ’contra-revolução democrática’ o permitiu mais de três décadas do neoliberalismo e manter seu debilitado poder hegemônico.

A desvantagem de um imperialismo "adiantado"

Portugal era um pequeno país imperialista que, sob a monarquia, havia se desenvolvido muito cedo graças ao seu comércio naval nos séculos XIV e XV, estendendo suas conquistas do Brasil e da África para o Oriente. Tornou-se uma grande potência graças à exploração brutal de suas colônias, das quais extraiu ricos minerais e produtos agrícolas, juntamente com a grande quantidade de mão-de-obra barata proveniente do tráfico de africanos e a obtenção de produtos manufaturados da Inglaterra. Sua neutralidade na Segunda Guerra Mundial o deixou fora da política de "descolonização" usada pelos Estados Unidos no final da guerra para disputar as antigas colônias inglesas e francesas. Mas Portugal não poderia manter suas colônias sem a ajuda da OTAN. Esta colaborou para sustentar 150.000 tropas na África, o recrutamento militar obrigatório por 4 anos e o armamento para bombardear a população colonial com napalm e herbicidas. Apesar disso, o imperialismo português não pôde reter suas colônias. Atualmente mantém como "arquipélagos autônomos" as ilhas da Madeira e dos Açores (onde os EUA instalaram uma base militar).




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar