Juventude

NOVA JUVENTUDE

Primeiros depoimentos sobre o lançamento da Faísca

Veja os primeiros depoimentos e poemas sobre o lançamento da Faísca – Juventude Anticapitalista e Revolucionária feito no dia 2 de abril em São Paulo. O lançamento reuniu 400 jovens de diversas capitais e cidades do país.

quinta-feira 7 de abril de 2016| Edição do dia

“Achei incrível! A mesa estava ótima, e a fala dos companheiros também. Gostei muito de tudo porque realmente me identifiquei com as ideias e as posições. Desde que entrei na uerj queria participar de algo mas ficava indecisa, mas ouvindo o pessoal ontem eu tive certeza que também penso dessa forma, e quero participar mais! Fiquei bastante empolgada. E achei o evento bem organizado.” Lorrany, estudante de Filosofia da UERJ

"Mudar!
Realizar!
Revolucionar!
Com esse "ar"
que a plenos pulmões
vai muito alem de faísca
que incendeia mais que uma juventude
que já não está só mais nas ruas
que já se interiorizou
que decidiu mudar....
com muito amor
mas com muito mais ódio
esse mundo.....
que é todo nosso!"
Mari Freitas - secundarista da EE Helena Guerra, de Contagem/MG

“O lançamento da Faísca – Juventude Anticapitalista e Revolucionária, nesse último sábado, superou todas as minhas expectativas. Não só começou com uma mesa de arrepiar como também debateu campanhas muito importantes e reuniu pessoas maravilhosas em um só lugar. Desde secundas até universitários e trabalhadores, o evento foi repleto de diferentes ideias e emoções e, ainda assim, o que mais me marcou foi o sentimento de união que ele transmitiu. Além de todo conteúdo e discussão que o lançamento promoveu, eu saí de lá com uma vontade e uma disposição de luta e resistência gigantes e nada melhor que isso para inaugurar uma nova juventude.” Milena Tibúrcio, estudante de Ciências Sociais da UNICAMP

“Como militante independente, considero que a atividade realizada foi bem democrática. As propostas votadas dialogam com a conjuntura nacional e dão um direcionamento pra nova juventude lançada ontem. O que me chamou mais atenção foi o nível de politização dos secundaristas, tanto de São Paulo quanto do Rio de Janeiro. Além disso, as atividades culturais que rolaram, mostra a importância da forma com que devemos atrair a juventude. Inserir a cultura popular da classe trabalhadora, como o rap, por exemplo, é dialogar na base, é estar no cerne da questão social através da arte.” Demar, estudante de Serviço Social da UERJ

“Acho essa reunião de jovens fundamental pra se ter um posicionamento de qual rumo tomar diante da crise no país. A juventude tem muita força. As discussões foram muito boas,muito revolucionárias e com uma grande mobilização é possível. a junção de alunos, de como se organizaram e se uniram durante a viagem. A discussão trouxe lucidez quanto a conjuntura e estimulou a juventude a se mobilizar diante disso.” Pamela, estudante de Serviço Social da UERJ

"Sinestesia de luta

Observo todos esses olhos, olhares de esperança.
Escuto todos esses gritos, vozes de luta.
vejo todos esses corpos, revolução.
Eu observo, eu escuto, eu falo, eu sinto.
Sinto minha faísca se juntando a de todos eles.
A luta muda a vida, incêndio rosa-choque." -Lucas Souto, secundarista da EE Andronico de Mello

“A juventude brasileira está se levantando. Isso é algo bem claro agora, não somos só um em milhões, somos centenas de pessoas que escolheram lutar por um ideal é correr atrás de um propósito. O evento de ontem foi uma prova disso é as coisas que conquistamos até agora são apenas uma pequena prova de tudo o que somos capazes de fazer juntos. Há uma nova juventude e a mesma, aliada com a classe operária, será uma Faísca para a grande devolução.” Ariel, Rio de Janeiro

"Incêndio

Estalo, a faísca cresce!
Cresce com todos,
com as vozes de luta.
Sinto revolução!
Arrepio, a faísca cresce!
com os olhares de esperança.
Luta! A faísca cresce!
Somos todos a luta! A faísca cresce!!
Incêndio! Rosa! Choque!
A FAÍSCA CRESCE!" -Lucas Souto, secundarista da EE Andronico de Mello

“Pra mim foi particularmente muito bom ter participado desse encontro da Faísca, por alguns motivos que vou listar. Um é o fato da gente ter uma opção viável nesse cenário político do Brasil que é tão complexo, ter uma alternativa anticapitalista e revolucionária dentro de um país que tem forças de direitas tão poderosas e um poder governista forte, um governo totalmente neoliberal, é muito bom ver jovens reunidos dentro dessa causa. A questão dos secundaristas é muito interessante também porque eu fui estudante secundarista na cidade de São Paulo há uns 4 anos, e ver essa galera tão politizada, com um discurso tão poderoso, tão bonito, também anticapitalista e revolucionário, em São Paulo, que é o lugar onde eu pude acompanhar o movimento secundarista por alguns anos, no Rio, em Goiânia, enfim, no Brasil todo, é muito emocionante de fato, é algo que eu não esperava mesmo tendo feito parte do movimento secundarista. E também a questão muito legal da Faísca é o fato de que a diversidade é claramente muito bem representada, com mulheres, com negros, o pessoal LGBT, eu particularmente, então esses fatores conseguem mostrar bem qual é o meu sentimento com relação à Faísca e as minhas expectativas com relação a essa juventude. E também um último adendo, o fato de que eu pude conhecer pessoas no evento que também fazem engenharia e outros cursos de exatas e a gente teve uma conversa muito válida sobre o quão difícil é trazer esse discurso de esquerda, esses pensamentos todos que foram debatidos no evento pra esses meios nos quais a gente estuda, e a gente ta com o pensamento de formar um grupo no sentido de debater essas questões especificamente no nosso meio de ação. Foi muito bonito o evento e eu to bastante empolgado pra o que a gente pode construir junto com essa galera!” – Otávio Bergamini, estudante de Engenharia Civil da UFMG

“Acho que o evento conseguiu cumprir o que se propôs, reunir jovens de diferentes estados em um debate crítico e com propostas para uma ação mais condizente com a realidade na qual nos encontramos. Achei muito importante o foco sobre como lidar com polaridade do cenário político brasileiro, e espero também que essa nova juventude consiga estabelecer maior diálogo com os trabalhadores. De um modo geral, acho que as atividades do evento foram show de bola, as falas, o debate, a cultural e a recepção.” Dione, estudante de Serviço Social

“Um momento único de trocar experiências entre as juventudes de vários estados do Brasil, e vê que com a sua luta há um conjunto de jovens que também estão abraçando ela, é no mínimo gratificante. Estou na expectativa que se amplie esses espaços e que possamos somar e ampliar os debates raciais que circula claramente todo o país e que diariamente a esquerda tradicional se nega a debater na profundida que é esse ponto para o avanço de uma sociedade socialista.” Carlos, estudante de engenharia da UERJ




Comentários

Comentar