Mundo Operário

BURGUESIA ESCRAVISTA

Presidente do Sindifibras confessa trabalho escravo na produção de sisal da Bahia

Após entrevista para a Record, Wilson Andrade, Presidente do Sindifibras, que reúne as indústrias de sisal da Bahia, esqueceu a câmera ligada e adimitiu o uso de trabalho escravo na produção do sisal baiano, fato que já vinha sendo denunciado.

sábado 8 de agosto| Edição do dia

Fundada no trabalho escravo, a burguesia brasileira não esquece suas origens. Após inúmeras denúncias de trabalho, o presidente da associação patronal Sindifibras, Wilson Andrade, foi a Record dar entrevista sobre as condições de trabalho nas plantações da matéria prima usada nas indústrias.

Após mentira na cara dura durante a entrevista, o burguês safado virou para o lado e confessou que havia trabalho "irregular" nas plantações. No entanto, tinha esquecido de desligar a câmera e acabou saindo tudo ao vivo:

O esquema é completamente irregular. É completamente irregular. Não tem registro, o cara trabalha como autônomo. Chega na sua fazenda, tira o sisal. Metade é seu, metade é meu. Tá errado. Ela tem razão. Agora você tem que defender naquilo que pode, tá certo?

A situação do trabalho nas plantações de sisal são as piores possíveis. Além do trabalho análogo a escravidão, encontramos crianças trabalhando e alto risco de acidentes. A situação ocorre com a cumplicidade da justiça e também do governador do estado, Rui Costa (PT). O DNA escravista da burguesia mostra que nenhum tipo de conciliação é possível, e que precisamos destruir esse sistema que se apoia na miséria e nas formas mais arcaicas de exploração para garantir o lucro da burguesia.




Tópicos relacionados

Escravidão    /    Mundo Operário

Comentários

Comentar