×

PRIVILÉGIOS | Pregadores do negacionismo, pastores milionários se vacinam nos EUA

Apoiadores do negacionismo de Bolsonaro, os pastores Edir Macedo e Estevam Hernandes se beneficiaram de suas fortunas para se vacinar no exterior. Se imunizam contra a COVID-19 após passar pregando o negacionismo e desafiando a ciência, em apoio à política de Bolsonaro que já levou mais de 300 mil pessoas à morte.

sexta-feira 2 de abril | Edição do dia

Foto: Edir Macedo é vacinado na Flórida, Estados Unidos

“Meu amigo e minha amiga, não se preocupe com o coronavírus. Porque essa é a tática (...) de Satanás. Satanás trabalha com o medo, o pavor.” Dizia Edir Macedo, líder da Igreja Universal, no início da pandemia em março de 2020. Hoje milhões de brasileiros olham apavorados para os números de mortes, e não tem como ser diferente, já que batem recordes dia após dia, chegando a quase 4 mil ontem. O próprio bispo Macedo ao que parece não ousa enfrentar a doença, já que ele e sua esposa, Esther Bezerra, já se vacinaram nos Estados Unidos.

Outros que já se vacinaram nos EUA foram os líderes da igreja Renascer em Cristo, o casal Estevam e Sônia Hernandes. Hernandes foi outro que desafiou a ciência, afirmando que "Acima de tudo, acima de vacina, eu creio no poder curador de Jesus Cristo”. Enquanto a vacina não chega para o povo, o pastor já está vacinado e o fiel que confie no “poder curador de Jesus Cristo”. O casal Hernandes, que subiu no palco junto a Bolsonaro na marcha para Jesus em 2019, já foi inclusive preso nos Estados Unidos porque entraram com dinheiro não declarado escondido em uma Bíblia!

O Brasil neste momento é o país em que mais pessoas estão morrendo de COVID-19 por dia, enquanto isso conta com um plano de vacinação severamente atrasado por conta do negacionismo de Bolsonaro que foi contra a compra de vacinas no começo das vacinações mundiais.

Estes pastores milionários que enchem o bolso de dinheiro com sua mega-corporações da fé tem sua cota de responsabilidade no caos que o Brasil se encontra, suas igrejas são fortes pontos de apoio para Bolsonaro e durante toda a pandemia pressionaram pela abertura dos templos e apoiaram as medidas negacionistas. Agora usam suas fortunas para se vacinar no exterior enquanto os trabalhadores e provavelmente muitos de seus próprios fiéis seguem morrendo à espera da vacina.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias