Sociedade

Inflação

Preço da cesta básica em São Paulo chega perto dos R$1000

De setembro para outubro, o preço da cesta básica em São Paulo subiu de R$930,19 em setembro, para R$949,98 em outubro segundo o Procon-SP. Esse preço representa 91% do salário mínimo (R$1045) e equivale a mais que o triplo do auxílio emergencial (R$300).

segunda-feira 23 de novembro de 2020| Edição do dia

Foto: Bruno Campos/ JC Imagem

A batata teve uma alta de 20%, sendo o alimento que compõe a cesta básica que teve o maior aumento, seguido do óleo de soja (+12,5%), frango resfriado (+9%) e o arroz (+7,62%) que teve seu sétimo aumento consecutivo no ano.

Segundo dados do IBGE, no acúmulo de 2020 de janeiro a agosto, o preço do arroz teve alta de 19,2 %, em relação ao mesmo período de 2019.

Essa alta dos preços dos alimentos tem impacto muito maior nas contas dos trabalhadores e da população mais pobre. Nessa parcela, o salário e a fonte de renda que é menor e, muitas vezes, incertas, devido a informalidade, faz com que a alimentação e outras necessidade básicas, como transporte e moradia represente em seus salários a maior parte dos gastos, quando este não é insuficiente para adquirir produtos indispensáveis.

O auxílio emergencial de R$300, o qual o governo Bolsonaro não pretende prorrogar para 2021, está longe de ser suficiente para garantir o que é básico para uma família. Em meio a pandemia e ao elevado desemprego, o preço exorbitante da cesta básica é mais uma dificuldade enfrentada pela população trabalhadora que está em uma situação a cada dia mais insustentável, lutando contra a fome e a insegurança alimentar.

Pode te interessar:Outubro registra maior alta de inflação desde 1995. Os capitalistas lucram com a fome no país!

Com informações de Folha de São Paulo




Tópicos relacionados

Inflação nos alimentos   /    Auxílio emergencial   /    Grande São Paulo   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Fome   /    Inflação   /    Sociedade   /    Economia

Comentários

Comentar