Cultura

GAMES

Por que o Free Fire tem pegado tanto?

Você conhece o Free Fire? O battle royale mobile, jogo que mescla sobrevivência, tiro e exploração em que vence o último vivo, está na boca, ou melhor, nos celulares de jovens do Brasil todo e já quebrou recordes de espectadores simultâneos na internet.

segunda-feira 21 de outubro| Edição do dia

Não é difícil - para ser sincero é bem normal - encontrar pessoas jogando Free Fire nos intervalos de aulas, vestiários de fábricas, horas de almoço do trabalho. O jogo se tornou uma febre entre o público jovem, em especial no Brasil, só para dispositivos Android apresenta um total de mais de 100 milhões de downloads realizados, se somado aos downloads destinados à iOS a cifra cresce ainda mais.

Apesar dos números, o battle royale mobile (jogo para celular que mescla sobrevivência, tiro e exploração e vence o último vivo) foi lançado a pouco tempo, no final de 2017, e tem seu cenário competitivo ainda em construção. Mesmo estas condições já foram suficiente para que a exibição do campeonato brasileiro de Free Fire, o “Free Fire Pro League”, quebrasse o recorde de espectadores simultâneos do Youtube e Facebook, superando a transmissão do jogo do Corinthians e o Debate Presidencial, também realizadas nas plataformas.

1. Free Fire Pro League - 763 mil
2. Corinthians x Racing - 438 mil
3. Debate Presidencial 2018 - 381 mil
4. Santos x River Plate - 341 mil

Esse interesse dos jovens brasileiros já cheirou a lucro para a provedora de internet asiática Garena, detentora dos direitos do jogo. Logo após a final do Pro League, anunciou a realização do 2º campeonato mundial no Rio de Janeiro, de 9 à 16 de novembro.

Mas por que a galera acaba jogando tanto Free Fire?

Os jogos de tiro sempre atraíram grandes públicos. A criação e exaltação de uma cultura militarizada é algo antigo, tem ligação com as políticas sociais dos países envolvidos na 2ª guerra mundial, em especial EUA, que ainda mantém muito forte esse traço em suas produções culturais. Nossas gerações foram criadas tendo como um referencial de aventura e ação tanto a guerra como armas e tiros. Para além disso, o Free Fire tem algo que o diferencia dos demais jogos de tiro, em especial de console:

Portabilidade: Não é necessário muito para jogar Free Fire, basta um smartphone ou tablet com sistema operacional Android ou iOS e uma conexão a internet. Ou seja, é um nível de tecnologia que boa parte dos jovens tem acesso desde muito cedo.

Partidas Rápidas: As partidas giram em torno de 10 à 15 minutos. Mesmo tendo 50 jogadores simultâneos, esse tempo é o máximo para que o cenário se afunile e boa parte dos jogadores acabem deixando a partida.

Atualizações constantes: Além de correções de bugs, são inseridos elementos novos e com referências a outros conteúdos do setor de entretenimento. Por exemplo, uma roupa que deixa seu personagem parecido com o de algum filme.

Interatividade: Através do próprio app do Free Fire você pode conversar com o amigo que está jogando. O app utiliza um sistema de chamadas parecido com o do Whatsapp para colocar dois jogadores em conversa. Além disso, não é difícil encontrar pessoas novas para jogar, conversando com outros jogadores das partidas é possível entrar em um grupo de Whatsapp criado por eles para combinar de jogar juntos.

Sendo assim, voltamos à questão inicial. Por que é, como outros battle royale mobile, tão jogado? O Free Fire acaba suprindo o lazer que vem sendo negado aos jovens brasileiros devido ao cotidiano espremido o qual são empurrados. Longas jornadas de trabalho em conjunto com estudos, cuidado da família, muitas vezes são apenas 15 ou 30 minutos os intervalos que restam para algum descanso o qual se busca preencher com uma partida rápida, jogando e conversando com um amigo, para não perder muito tempo. Ou mesmo em situações de desemprego, a qual mais de 27% dos jovens brasileiros de 18 à 24 anos se encontram, onde jogar acaba cumprindo um papel de esquecer dos problemas e encontrar os amigos separados pela rotina.

Um jogo sem necessidade de grandes aparelhos eletrônicos e rápido, acaba englobando grandes camadas sociais dos jovens. Somada a isso as condições políticas, em que cada vez mais empurram a juventude para inúmeras horas de trabalhos, como nos app de entrega e transporte, ter na sua ferramenta de trabalho (o celular) algo para, também, se distrair e divertir é a mais opção que resta para o lazer. A condição de vida imposta aos jovens também é a fórmula do sucesso do Free Fire e tem se expressado no crescente mercado de jogos mobile que indica um novo salto de adeptos no próximo período.

Com informações de Free Fire Pro League, Youtube Brasil, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) - 1º trimestre de 2019.




Tópicos relacionados

Games   /    Ciência e Tecnologia   /    Cultura

Comentários

Comentar