Internacional

22 de novembro: ELEIÇÕES NA ARGENTINA

O encerramento da campanha de Scioli em La Matanza: quando a realidade mata a demagogia

O candidato da Frente para a Vitória (kirchinerista) fez um longo discurso contra o ajuste que se espera de Mauricio Macri. O contraste entre a vida do povo trabalhador de La Matanza e o filho da “Nata”.

sábado 21 de novembro de 2015| Edição do dia

Jonathan levantou-se quinta-feira, 3 da manhã para acompanhar sua mãe e o caçula no Hospital "Somente Evita" (km 32) de Gonzalez Catan. Como todas as crianças do bairro de Las Mercedes, a água contaminada que sai de Kaukol deixou seu estômago em um péssimo estado. Ele não se importava com a espera estava feliz porque desta vez ele foi tratado e ainda teve seringa e agulha. Em seguida, ele pegou o ônibus 96, lotado, até o trabalho. Desde que entrou nesse trabalho teve que deixar a escola. A última vez foi em agosto, a 119 estava ocupada por centenas de desabrigados que tiveram de deixar suas casas. E lá se vai o segundo contrato de três meses em uma fábrica de sapatos. 5.500 pesos é melhor do que nada. A maioria de seus amigos não poderiam continuar a estudar ou ter um emprego. Ele não quer ser um policial para ter bolsa de estudos na Universidade de La Matanza. Tampouco, roubar para a Brigada. Enquanto percorre o caminho que separa a parada da fábrica vê as luzes e bandeiras do centro de esportes. Ele para. Imediatamente, uma voz estridente começa a se elevar como se fosse algo muito importante.

"Com vocês está o homem que em 10 de dezembro, não tenho dúvida, vai vestir a bandeira azul e branca na faixa presidencial, fala então o nosso companheirooo Danieeel Scioli".

Encerramento

Quinta-feira, Daniel Scioli fez sua campanha final em La Matanza. A escolha não foi acidental. Ele disse em suas primeiras palavras no discurso: "Bem-vindo para a capital da produção e do emprego. A capital do peronismo ".

De lá, o candidato da Frente para a Vitória começou a encadear um discurso que teve dois eixos claros. Por um lado, fazer uma chamada clara para se juntar ao espaço peronista este domingo "para além das diferenças.". Um último esforço para abranger não só os votos de Kirchner, mas especialmente aqueles que votaram em Massa. Além disso, a intenção de mudança de seu plano de governo a antítese do "o projeto liberal, o capitalismo selvagem, a Aliança convertida. Macri ou nós. "

Assim foi repetindo o script que testou nas últimas semanas, aparecendo como o contrário do ajuste que trará o candidato da oposição.

Ponto por ponto denunciou a "fraude de uma nova desvalorização, que é um ataque ao salário". E com um tom mais apocalíptico, advertiu que "este é o pacto sério com os diabos, os abutres, o Fundo Monetário Internacional, a retirada de subsídios, as propinas das universidades."

Em vez disso, seu projeto de governo representaria "a defesa do trabalho, do salário e da família. Nós não vamos cortar os salários e demitir gente. Seguirão as campanhas salariais sem limite salarial, vamos tirar o imposto ao salário e terá 82% de reajuste móvel a partir de janeiro de 2016. A essência do peronismo é defender a indústria, o trabalho e distribuição de renda. "

Scioli levantou o tom de seu discurso para anunciar "os novos direitos, os três T, abrigo (techo em espanhol), terra e trabalho."

A única novela de seu último discurso de campanha foi o minuto que ele dedicou ao “conselheiro, o candidato real, Duran Barba que disse que o importa a palavra do Papa se tem apenas 10 votos”.

Então, sem mencionar sequer uma vez a atual Presidente Cristina Kirchner, ele encerrou chamando um último esforço: "para defender o seu futuro, que não voltem a roubar novamente a esperança. Peço que não percam um minuto, não se deixem levar pelas coisas que são ditar por aí. "

As coisas que se dizem por aí

Jonathan estava ouvindo. Afastando viu a placa anunciando "A década vencedora". O que é isso? Ele pensou. Ele colocou a mochila e ergueu a mão para parar o bonde. Mais uma vez cheio.

Enquanto viajava, ele repetiu as palavras que ouvira. Moradia, terra, trabalho, salário, futuro, esperança. As janelas pareciam passar a "capital da produção, do emprego e do peronismo". Essa que não têm moradia para 150.000 famílias desabrigadas. Onde 7 em cada 10 trabalhadores sofrem algum tipo de insegurança no trabalho, com contratos de 6 meses e salários de miséria. Onde 100.000 jovens não estudam nem trabalham. Onde escolas estão sem gás ou aquecimento, apoiadas pelos esforços dos professores e assistentes. Onde existe apenas um abrigo de 20 leitos para mulheres vítimas de violência de gênero. Onde nos hospitais faltam profissionais, suprimentos e infraestrutura.

No estúdio de América (canal de televisão argentino), Nicolás del Cãno também tinha ouvido o discurso Scioli. O repórter então perguntou o que ele achava. "Scioli fala sobre o ajuste que vai fazer Macri se governar, e algumas coisas que ele diz são verdadeiras. Agora, a partir dos conselheiros de Scioli ouvimos algo parecido, um ajuste ou desvalorização gradual. O debate entre eles é como fazer, com que ferramentas, como os trabalhadores têm de pagar pela crise. Voto em branco é a maneira de expressar a nossa oposição às políticas dos dois candidatos, que são claramente contrárias aos interesses dos trabalhadores e do povo ".




Comentários

Comentar