Gênero e sexualidade

NOVA SECRETARIA DE MULHERES

Nova secretária de mulheres é contra o direito ao aborto até em casos de estupros

Nessa terça-feira, foi anunciada que a ex-deputada Fátima Peleas (PMDB-AP), seria a nova gestora da Secretaria de Políticas para Mulheres. Evangélica e contra a descriminalização do aborto, ela diz que não levanta “bandeiras contrárias aos valores biblicos”, mostrando que se depender desse governo golpista a igreja vai continuar interferindo em nossos corpos e vidas.

Odete Cristina

estudante de ciências sociais na USP

quarta-feira 1º de junho de 2016| Edição do dia

Dias após o governo golpista nomear um ministério inteiro sem nenhuma mulher e em meio ao escândalo de um estupro coletivo de uma jovem carioca, amplamente divulgado por meio de vídeos nas redes sociais gerando a revolta de milhares de pessoas pelo país, foi anunciado nessa terça que a nova secretária de Politicas para Mulheres seria Fátima Peleas,socióloga e deputada por mais de 20 anos, forte defensora dos ideais conservadores da igreja, tendo inclusive já declarado contrária ao direito ao aborto até mesmo em casos de estupro.

A ex-deputada é presidente do núcleo feminino do PMDB e suas posições vão na contramão da reivindicação das milhares que se levantaram ano passado durante a primavera das mulheres. Enquanto nós reivindicávamos o direito ao nosso corpo, a descriminalização do aborto, o combate a violência e aos estupros, Fátima defende os interesses da igreja e dos setores mais conservadores do país, comprovando que não basta somente ter mulheres na política para que nossas demandas sejam atendidas.

Enquanto o governo e o senado tentam por meio do aumento da punição, “pintar de rosa” esse velho Estado machista, fingindo defender os direitos das mulheres, o anúncio da nova gestora da secretária de mulheres só reforça que para os golpistas mulher na política só se for “bela, recatada e do lar”. E para isso contam com a ajuda da mídia que tenta a todo momento culpabilizar as vítimas pelo estupro e a violência que sofrem, afinal não estavam no lugar social para o qual as mulheres devem estar.

Como se não bastasse isso, Fátima Peleas também esteve envolvida em um escândalo sobre desvios de dinheiro público do Ministério do Turismo, em 2011. Em depoimento à Polícia Federal, uma sócia da Conectur - empresa fantasma que, na verdade, funcionava em uma igreja evangélica - disse que a então deputada teria embolsado recursos de emendas para financiar sua campanha à reeleição. Ela nega.

Em 14 anos do governo do PT vimos nossas pautas, como o direito ao aborto, serem rifadas por acordos com as bancadas fundamentalistas e religiosas, enquanto abriam espaço para fortalecer essa direita reacionária que hoje esta diretamente implementando os ataques contra as mulheres e à classe trabalhadora. Não aceitaremos uma mulher no poder para representar os interesses da igreja e perpetuar os valores machistas dessa sociedade capitalista. Estamos submetidas cotidianamente a uma longa teia de violência, que tem como seu último elo os estupros e feminicídios, e é perpetuada por esse Estado e suas instituições. E é por isso que nessa quarta-feira, nós do grupo de mulheres Pão e Rosas sairemos as ruas em diversos lugares do país, juntamente com milhares de mulheres nos atos POR TODAS ELAS, dizendo que basta de estupros e violência, os governos, a justiça, a igreja e a mídia são responsáveis.




Tópicos relacionados

Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar