Política

LUXO E PRIVATIZAÇÃO

Marchezan faz curso em empresa de Dória. Objetivo: aprender a privatizar tudo

Prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB), se ausentou da prefeitura alegando participar de um “aprimoramento profissional”. O que, posteriormente, foi informado que se tratava da participação no Fórum Empresarial Foz do Iguaçu, promovido pelo grupo Lide Global, antigamente presidido por Dória. Evento realizado em resort cinco estrelas, conta na programação com coquetéis, almoços, jantares, entregas de prêmios... além de privatização e retirada de direitos no cardápio.

segunda-feira 24 de abril de 2017| Edição do dia

Com o propósito de participar de um “aprimoramento profissional”, o prefeito de Porto Alegre Nelson Marchezan (PSDB) se ausentou do cargo temporariamente, deixando seu vice Gustavo Paim (PP) no cargo. De início, não havia sido revelado do que se tratava esse “aprimoramento profissional”. Depois foi informado, que o prefeito viajaria para Foz do Iguaçu afim de participar do evento Fórum Empresarial Foz do Iguaçu, promovido pelo grupo Lide Global que, até o ano passado, era presidido pelo empresário e seu colega de partido João Dória (PSDB), atual prefeito de São Paulo.

Segundo a descrição da organização do próprio evento, ele teria o intuito de reunir “alguns dos mais importantes líderes políticos e empresariais do país para uma agenda de debates sobre política econômica, gestão empresarial e responsabilidade social que impactam no desenvolvimento do Brasil”. Sem dúvida, um encontro de quatro dias reunindo “importantes líderes políticos e empresariais do país” e com uma agenda tão ambiciosa deveria resultar em um conjunto de debates sobre os problemas e os rumos do país. A programação oficial do mesmo, porém, trouxe uma surpresa.

Dos quatro dias de atividade, apenas uma manhã estava reservada para esse debate. O seminário na manhã de sexta tinha como título “As ações necessárias para a retomada do crescimento brasileiro”. Todo o restante da programação foi preenchido por coquetéis, almoços, jantares, entregas de prêmios, torneios de golf, de tênis e futebol society, aula de vinhos, sessão de degustação de uísques escoceses, test drives de automóveis Mercedes Benz, passeio pelas Cataratas do Iguaçu e um show de Sidney Magal no encerramento do evento. A organização do Fórum Empresarial não chegou a explicitar em que medida essa intensa jornada gastronômica, esportiva e cultural contribuiu para a identificação das “ações necessárias para a retomada do crescimento brasileiro”.

No único debate dos quatro dias, os “importantes líderes políticos e empresariais” do país defenderam a retirada de direitos de milhões de trabalhadores brasileiros, por meio das reformas da Previdência e Trabalhista, como condição para a “retomada do crescimento brasileiro”. Antes e depois desse painel, se houve algum debate sobre a retirada de direitos de milhões de brasileiros e brasileiras, ele se deu entre uma sessão de degustação de uísque escocês, um test drive de um reluzente Mercedes Benz e um show de Sidney Magal.

A população de Porto Alegre aguarda ansiosa para saber qual o “aprimoramento profissional” resultante dessa intensa agenda de eventos pela qual passou o prefeito. A se julgar pela atuação de seu colega de partido João Dória e antigo presidente do Fórum, podemos resumir o acúmulo do debate da única mesa em uma proposta: privatizar tudo. Fora isso, os demais eventos devem ter sido bastante proveitosos para o prefeito estreitar relações com o empresariado, a fim de estabelecer questionáveis parcerias público privadas sem a exigência de nenhuma contrapartida por parte do município.

Seguindo o exemplo de Dória, Marchezan quer afinar seu discurso de “gestão técnica”, reforma administrativa, tudo isso enquanto alega a eminente catástrofe das contas públicas, para descarregar a crise sobre os trabalhadores, com o corte de serviços e o parcelamento de salários entre uma partida de golfe e a degustação de uísques escoceses.




Tópicos relacionados

Marchezan   /    João Doria   /    eleições Porto Alegre   /    Privatização   /    São Paulo   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar