Gênero e sexualidade

RUMO AO 8 DE MARÇO

Mais de 1000 mulheres e LGBTs inscritas na Plenária do Pão e Rosas

Neste sábado, 6 de março, o grupo de mulheres Pão e Rosas irá realizar uma plenária aberta nacional por um feminismo socialista, que já conta com mais de mil inscrições de mulheres e LGBTs trabalhadoras e estudantes de 25 estados de todo o país.

sábado 6 de março| Edição do dia

Uma plenária que pretende debater como, desde a luta negra nos EUA à luta pelo direito ao aborto legal na Argentina e contra o golpe em Mianmar, as mulheres são uma força imparável. No Brasil, são as trabalhadoras da saúde, linha de frente do combate a pandemia, são as professoras e estudantes contra o retorno inseguro às aulas. Apoiadas na força desse movimento internacional, as mulheres podem ser a vanguarda da nossa classe para se enfrentar contra Bolsonaro, Mourão e os golpistas, para lutar contra Damares e o reacionarismo da extrema-direita. Se enfrentando com todo o regime do golpe que também é responsável pelas mais de 260 mil vidas perdidas.

Um combate que foi vetado de se expressar no ato unificado do 8 de março pelas burocracias do PT e PCdoB, apoiadas por setores do PSOL. Que o feminismo socialista do Pão e Rosas tenha sido vetado de se expressar no ato do 8 de março justamente por esse combate é emblemático de como alguns setores preferem esquecer ou até mesmo negam que chegamos até aqui porque houve um golpe institucional que implementou duras reformas que afetam em primeiro lugar as mulheres. Fazem isso para poder justificar possíveis alianças eleitorais com os inimigos da nossa classe, enquanto se propõe a administrar esse regime golpista. Segundo Letícia Parks, uma das organizadoras do evento, um dos objetivos da plenária é reafirmar o pedido de fala no 8 de março e rechaçar esse veto.

Que uma plenária com esse conteúdo tenha despertado, até o momento, o interesse em mais de mil mulheres e LGBTs por todo país é um claro indício de que esse combate precisa ser tomado pelo conjunto do movimento de mulheres. E que aos 150 anos do nascimento de Rosa Luxemburgo, o feminismo socialista e revolucionário é cada vez mais atual e necessário.




Tópicos relacionados

8M 2021   /    mulher trabalhadora   /    Pão e Rosas   /    Dia Internacional da Mulher   /    Mulheres   /    mulheres negras   /    Feminismo   /    Mulher   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar